sábado, 30 de abril de 2016

Elvis Presley - Without Love

Música: Without Love (There is Nothing)
Compositor: Danny Small
Álbum: Back in Memphis / From Memphis to Vegas – From Vegas to Memphis
Data de Gravação: 22 de janeiro de 1969
Local de Gravação: American Sound Studios, Memphis, Tennessee
Produtor: Chips Moman, Felton Jarvis
Músicos: Elvis Presley (vocais) / Reggie Young (guitarra) / Tommy Cogbill (baixo) / Gene Chrisman (bateria) / Bobby Wood (piano) / Bobby Emons (orgão) / John Hughey (Steel Guitar).

Comentários:
Essa é uma velha canção dos anos 50. Ela foi gravada inicialmente por Clyde McPhatter, um cantor negro de R&B e soul em 1957. O single se destacou nas paradas conseguindo uma ótima nona posição entre os mais vendidos na lista Billboard Hot 100, a mais importante da indústria americana. Anos depois o guitarrista Scotty Moore afirmaria que essa música vinha sendo ensaiada por Elvis desde os tempos da Sun Records. Ele tentava gravar, mas por uma razão ou outra isso nunca acontecia. Moore provavelmente se enganou, pois o single original dela só foi lançada em 1957, quando Elvis já estava na RCA Victor. Por essa razão ele nunca chegou a ensaiá-la nos tempos da Sun Records simplesmente porque ela ainda não existia naquela época. É certo que o guitarrista confundiu datas, gravadoras e sessões de gravação, algo esperado de uma pessoa de sua idade. De qualquer forma o mais importante nessa informação é o fato de que Elvis vinha planejando gravá-la há muito tempo, algo que ele conseguiu concretizar no American Studios.

Essa canção foi a escolhida para fechar o disco. É uma faixa triste, com acompanhamento melancólico. Sua introdução conta apenas com um dueto entre a voz de Elvis e piano. Depois sutilmente entra o coro vocal feminino, tudo culminando em uma explosão de sentimentos no refrão que é claro em sua mensagem: "Sem Amor (Não existe Nada)". O curioso é que sem saber disso Elvis a gravou em um momento em que dois outros grandes astros a registravam também em estúdio, com suas respectivas versões. A primeira a sair foi a de Ray Charles. Três meses depois outro single com a mesma música chegava nas lojas, dessa vez na voz de Tom Jones. Com isso as chances comerciais da versão de Elvis ficaram nulas. Certamente uma terceira versão em poucos meses não chamaria mais a atenção do público. A RCA prevendo isso a colocou discretamente fechando ambos os álbuns ( Back in Memphis e From Memphis to Vegas – From Vegas to Memphis). Foi uma boa escolha pois o clima da melodia se adequava perfeitamente com a proposta dos discos em questão.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Elvis - 10 Anos de Saudades

Esse foi um álbum lançado em 1987 para lembrar os dez anos da morte de Elvis Presley no Brasil. Editado pela Som Livre o disco até que se tornou bem popular, ficando anos em catálogo nas lojas de discos pelo país afora (lembram delas?). Na época de seu lançamento original não despertou minha atenção porque já na década de 80 eu procurava colecionar discos raros de Elvis, assim um disco como esse, uma mera coletãnea, sem novidades, não iria despertar realmente meu interesse. O fato de ser da Som Livre porém trouxe publicidade extra a Elvis pois a Rede Globo passou a vincular a propaganda do disco em seus intervalos comerciais.

Isso porém não significava que o disco em si era sem importância, pelo contrário. Lançamentos como esse serviam para apresentar as músicas de Elvis para uma nova geração de fãs que naqueles tempos distantes o conheciam basicamente pelas inúmeras reprises de seus filmes na Sessão da Tarde. O repertório, como era de se imaginar, investia apenas nos grande sucessos. Agora era curioso a inclusão de faixas como "Sweet Caroline", que nunca tinham se tornado grande sucesso no Brasil. Onde foram parar as mais conhecidas "Kiss Me Quick" e "Sylvia"? Ao invés disso a seleção inovava ao trazer entre os hits a doce "Can´t Help Falling in Love" de Feitiço Havaiano, que apesar de ser extremamente famosa nos Estados Unidos e Europa, não o era tanto assim no Brasil. E "I Got a Woman", o que estaria fazendo nessa lista? Outra que era praticamente desconhecida do povão. Enfim, valeu pelas intenções e pelo resultado. Não é um álbum para se ter hoje em dia em sua coleção a não ser como mera curiosidade histórica. Afinal eram os 10 anos sem Elvis.

Elvis - 10 Anos de Saudades (1987)
Blue Suede Shoes
Love Me Tender
Don´t Be Cruel
Can´t Help Falling in Love With You
I Got a Woman
Sweet Caroline
All Shook Up
Are You Lonesome Tonight?
Jailhouse Rock
Bridge Over Troubled Water
Tutti Frutti
It´s Now Or Never
Suspicious Minds
Heartbreak Hotel.

Pablo Aluísio.

domingo, 24 de abril de 2016

Elvis Presley - You'll Think of Me

Música: You'll Think of Me
Compositor: Mort Shuman
Álbum: Back in Memphis / From Memphis to Vegas – From Vegas to Memphis
Data de Gravação: 14 de janeiro de 1969
Local de Gravação: American Sound Studios, Memphis, Tennessee
Produtor: Chips Moman, Felton Jarvis
Músicos: Elvis Presley (vocais) / Reggie Young (guitarra) / Tommy Cogbill (baixo) / Gene Chrisman (bateria) / Bobby Wood (piano) / Bobby Emons (orgão).

Comentários:
Essa canção ficou notabilizada dentro da discografia de Elvis por ter sido o lado B do single de grande sucesso comercial "Suspicious Minds". Por isso acabou pegando carona com o hit principal do compacto e acabou se tornando relativamente bem conhecida. Outro fato que chama a atenção é que ela foi composta por Mort Shuman. Ao lado de Doc Pomus ele escreveu dezenas de músicas para Elvis na década de 60. Ele era um talentoso pianista e conseguia sempre escrever temas que caíam no gosto popular. O sucesso que abriu as portas para sua carreira foi a linda "Save The Last Dance For Me", gravada pelo grupo The Drifters, que logo se tornou um imenso hit, chegando ao topo da Billboard. A partir daí vários cantores encomendaram músicas à dupla. Para Elvis, Shuman escreveu entre outras o tema principal do filme "Viva Las Vegas", além de "Little Sister" e "(Marie's the Name) His Latest Flame" que acabaram se transformando em singles premiados com discos de ouro. Essa gravação assim acabou se tornando uma despedida de Shuman da discografia de Elvis, sem parceria dessa vez com Pomus. Um trabalho solo.

A letra da música fala em despedida. Na primeira pessoa o autor se despede do grande amor de sua vida. Há um ressentimento em suas palavras, como se ela tivesse feito algo que o magoou. Isso porém fica sempre subentendido, nada é dito de forma muito clara. Para o autor aquela que ficará para trás vai se arrepender do fim desse amor. Isso fica bem claro logo na primeira estrofe: "Desculpa, garota, mas vou te deixar / Há algo profundo em minha alma que me chama / O vento do inverno, garota, não vai te enganar / E na sua cama vazia e fria, você vai pensar em mim...". O curioso é que nos versos o autor também deixa claro que é um caso perdido, que nunca se ligará fortemente com ninguém por ter "um coração perturbado" e uma alma livre. Ecos de um romance que nunca daria realmente certo. O arranjo ficou bem bonito. Há um verdadeiro "diálogo" entre guitarra e baixo ao fundo que funcionou muito bem. Some-se a isso o belo acompanhamento vocal feminino (que era uma novidade nas gravações de Elvis na época) e você terá uma bela faixa, com boa letra e performance bonita de Elvis e seus músicos.

You'll Think of Me
(Mort Shuman)

I'm sorry now girl, but I must leave you
There's something deep inside my soul keeps calling me
The winter wind girl, will not deceive you
And in your cold and empty bed, you'll think of me, oh yes
You'll think of me

You'll see me coming, you'll see me going
Don't ask me why, I'm just the kind needs to be free
Just like that outlaw wind keeps on a-blowin'
Yeah, in your cold and empty bed, you'll think of me, oh yes
You'll think of me

Now I know you loved me just like I wanted
I know you'd follow me across an endless sea
But baby I've got a heart that's haunted
Yeah, in your cold and empty bed, you'll think of me, oh yes
You'll think of me

Ah but you should know girl that I'll be crying
Out on that lonely road where not a soul can see
I'll shed my tears for a love that's dying
Yeah, in your cold and empty bed, you'll think of me, oh yes
You'll think of me

The summer sun girl will bring a stranger
And he'll be better to you than I used to be
And when he takes you into his arms girl
Well, in your warm and loving bed, you won't think of me, no, no
You won't think of me

Then in your warm and loving bed, you won't think of me, no, no

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Elvis Presley - The Fair's Moving On

Música: The Fair's Moving On
Compositor: Fletcher / Flett
Álbum: Back in Memphis / From Memphis to Vegas – From Vegas to Memphis
Data de Gravação: 21 de fevereiro de 1969
Local de Gravação: American Sound Studios, Memphis, Tennessee
Produtor: Chips Moman, Felton Jarvis
Músicos: Elvis Presley (vocais) / Reggie Young (guitarra) / Tommy Cogbill (baixo) / Gene Chrisman (bateria) / Bobby Wood (piano) / Bobby Emons (orgão) / John Hughey (Steel Guitar).

Comentários:
Essa canção foi lançada como lado B do single "Clean Up Your Own Back Yard", tema do filme "The Trouble With Girls" (Lindas encrencas, as garotas, 1969). É mais um country. É a tal coisa... Tanto o Coronel Parker como Elvis pensavam principalmente em seu público. E qual era esse público? Certamente não era o internacional. Elvis não gravava seus discos pensando em Londres, Paris ou Madrid. Elvis gravava seus álbuns pensando nos estados do sul dos Estados Unidos, onde ele fazia suas turnês e era adorado por sua faixa de fãs mais fiel e leal. Por essa razão temos um certo excesso de country music em seus discos, principalmente a partir de 1969. É interessante notar que em pouco tempo Elvis estaria de volta às turnês e essas seriam realizadas em sua grande maioria justamente para os sulistas americanos. E essa gente vivia sob a forte influência cultural de Nashville, a capital mundial do country. Por isso tantos discos de Elvis tiveram essa linha. Ele gravava pensando nisso e o repertório mais voltado para esse tipo de música era gravado para que Elvis também o utilizasse em shows.

"The Fair's Moving On" é apenas na média. A letra da canção tinha tudo a ver com o enredo de "The Trouble With Girls". No filme Elvis interpretava um gerente de um parque de diversões itinerante. Um tipo de circo de variedades que era muito popular no começo do século XX nos Estados Unidos. Enquanto ele ia de cidade em cidade ia conhecendo novas pessoas, se envolvendo com as garotas locais e a vida seguia em frente, tudo pensando na próxima cidade a se visitar. Veja esses versos: "Todos os caminhos já foram percorridos / É tarde e não sobrou nenhum prêmio a ser ganho / Os caminhos estão fechados, é o fim do dia / Os cavalos estão indo embora / Sim, o parque está indo embora / E logo mais eu também irei". Dá para perceber bem que é aquele tipo de música que só fazia muito sentido dentro da temática do filme. O curioso é que ela não foi gravada nas sessões de gravação da trilha sonora de "The Trouble With Girls", mas bem depois, quando Elvis já estava empenhado nas sessões do American Studios, trabalhando inclusive com outra banda. Uma verdadeira estranha no ninho dentro daquela coleção de músicas.

The Fair's Moving On
(Fletcher / Flett)

All the rides are over and done
It's late and no prizes are left to be won
The rides are closed, it's the end of the day
The horses are moving away
Yes the fair's moving on
And I'll soon be gone
Remember the love that we've known
Yes the fair's moving on
But I won't leave you long
It's the last time you'll be on your own

The music has ended, the carousel's still
The horses in boxes with the big Ferris wheel
The canvass and glitter are safely on board
The trailers will soon hit the road

Yes the fair's moving on
And I'll soon be gone
Remember the love that we had
Yes the fair's moving on
But I won't leave you long
I'm coming back so please don't be sad

At dawn I'll be gone but I'll soon return
Till then the fair's moving on
Till then the fair's moving on
Till then the fair's moving on

Pablo Aluísio.

domingo, 17 de abril de 2016

Elvis Presley - From a Jack to a King

Música: From a Jack to a King
Compositor: Ned Miller
Álbum: Back in Memphis / From Memphis to Vegas – From Vegas to Memphis
Data de Gravação: 22 de janeiro de 1969
Local de Gravação: American Sound Studios, Memphis, Tennessee
Produtor: Chips Moman, Felton Jarvis
Músicos: Elvis Presley (vocais) / Reggie Young (guitarra) / Tommy Cogbill (baixo) / Gene Chrisman (bateria) / Bobby Wood (piano) / Bobby Emons (orgão) / John Hughey (Steel Guitar).

Comentários:
Priscilla Presley adorava essa canção. Era uma de suas preferidas do American. Isso de deve muito ao fato de Elvis ter o single original (lançado em 1957 por Ned Miller, cantor country). Sempre ouvindo a canção em casa a sua melodia acabou sendo quase uma trilha sonora para o namoro de Priscilla, principalmente depois que ela foi morar em Graceland ao lado de Elvis. A canção ainda teve outras versões ao longo dos anos, em especial a de Jim Reeves em 1962, cujo single Elvis também comprou (repare na data, 1962, o mesmo ano em que Priscilla foi morar em Memphis). Como virou uma espécie de standard do country music "From a Jack to a King" ganhou ainda muitas outras gravações depois da de Elvis no American. A mais recente foi gravada em 1988 na voz do cantor Ricky Van Shelton. Particularmente eu não gosto muito desse country, mas essa é meramente minha opinião pessoal. Acho que sua melodia é um pouco estranha, fora do convencional, com um ritmo pouco atraente. Enfim, um ponto de vista bem subjetivo, pessoal.

A letra também nunca me agradou muito. O autor fez uma analogia entre jogo de cartas e romance. Algo que soa hoje em dia meio brega. O uso de um anel de casamento nos versos só piora ainda mais a situação. Talvez a Priscilla estivesse obcecada em se casar com Elvis, daí sua identificação com a letra, quem sabe... Mesmo assim, como se trata de Elvis Presley, você sabe que no mínimo terá uma boa interpretação pela frente. O curioso é que o produtor Chips Moman tentou mudar os arranjos, mas Elvis dessa vez preferiu ser mais fiel ao espírito country and western. Para Elvis não havia como mudar o jeito da canção já que ela seria assumidamente muito country, impossível de mudar. Basta imaginar um bando de cowboys ao redor de uma mesa jogando cartas para entender bem isso. Para reforçar então suas origens o músico John Hughey, especialista em Steel Guitar em Nashville (a capital mundial da música caipira e rural americana), foi especialmente contratado para se unir à banda de Elvis. Enfim, uma prévia do que Elvis iria fazer nos anos 70, com muito country em seus álbuns.

From a Jack to a King
(Ned Miller)

From a jack to a king of loneliness to a wedding ring
I've played a ace and I won the queen
I walked away with your heart

From a jack to a king
With no regrets I stacked, I stacked the cards, I stacked the cards last night
And lady luck played her hand just right
You made me king of your heart

Oh for just a little while I thought that I might lose the game
Oh but just in time I saw that twinkle in your eyes
From a jack to a king of loneliness to a wedding, wedding, wedding ring
I played an ace and I won the queen
You made me king of your heart

For just a little while I thought that I might lose the game
Oh but just in time I saw, I saw that twinkle in your eyes
From a jack to a king from loneliness to a wedding, wedding, wedding ring
I played an ace and I won the queen
You made me king of your heart

Pablo Aluísio.

sábado, 16 de abril de 2016

Elvis Presley - Do You Know Who I Am?

Música: Do You Know Who I Am?
Compositor: Bobby Russell
Álbum: Back in Memphis / From Memphis to Vegas – From Vegas to Memphis
Data de Gravação: 19 de fevereiro de 1969
Local de Gravação: American Sound Studios, Memphis, Tennessee
Produtor: Chips Moman, Felton Jarvis
Músicos: Elvis Presley (vocais) / Reggie Young (guitarra) / Tommy Cogbill (baixo) / Gene Chrisman (bateria) / Bobby Wood (piano) / Bobby Emons (orgão) / Ed Kollis (harmonica).

Comentários:
Imagine saltar de sessões de trilhas sonoras ruins e fracas como "Charro" e "Speedway" direto para essa fantástica sessão de gravação do American Sound! A diferença de qualidade era algo de absurdo. Aqui Elvis interpreta uma música do cantor e compositor Bobby Russell. Ele foi um artista bem famoso e badalado no meio country de Nashville entre meados dos anos 60 e o começo dos anos 70. Entre 1966 e 1973 Russell conseguiu emplacar cinco grandes discos de sucesso. O curioso é que Elvis podia, em uma mesma sessão, interpretar velhos clássicos country das décadas de 1940 e 1950 e ao mesmo tempo registrar músicas contemporâneas que estavam fazendo sucesso nas rádios sulistas de country na mesma época em que ele as gravava. Era um cantor eclético e atemporal. É o caso de " Do You Know Who I Am?". A versão original de seu autor foi lançada um ano antes de Elvis gravá-la. No single original ela eram bem mais country, com todos aqueles instrumentos e arranjos bem característicos da música rural americana. Elvis e o produtor Felton Jarvis resolveram suavizar um pouco mais esse aspecto, dando-lhe uma roupagem mais moderna e urbana.

A letra foi justamente o que atraiu Elvis. O próprio título com a pergunta "Você Sabe Quem Eu Sou?" fez com que Elvis se identificasse imediatamente com a mensagem. Ele já havia dito em entrevistas que o artista e o ser humano costumavam ser coisas bem distintas. E pessoas que viveram ao seu lado, mesmo sua esposa Priscilla, sempre deixaram claro que na verdade conhecer o verdadeiro Elvis Presley era uma das coisas mais complicadas de se fazer. Na poesia da canção o tema central é o reencontro. O autor, em primeira pessoa, indaga, em um casual e inesperado reencontro, se a mulher amada realmente poderia ainda dizer que o conhecia. Haveria ainda a possibilidade de um retorno aos velhos tempos mesmo após tantos anos? O clima é de leve melancolia. Como eu escrevi no começo a diferença entre as bobas canções de filmes e essas novas músicas, com melodias e letras extremamente mais bem elaboradas era realmente algo abissal. Elvis saiu da adolescência inocente da carreira para a maturidade plena em poucos meses. Um feito e tanto.

Do You Know Who I Am?
(Bobby Russell)

Do you know who I am
Have you have any idea who I am
Yes it's been quite a while
And it's so good to see you again

It's so dark in this place
That I can't see your face
May believe Oh I see
 Does he know who I am
And what once was between you and me

Do you know how I tried
Have you any idea how I tried
Not to keep you in sight
Do you know darling how much I cried

I remember you said
That you had to forget about me, and be free
Do you know who I am or have you forgot about me

Do you think there's a chance
You and I could start over again
Is there a prayer you still pray
Or has it just been too long and we're through

Well, what about you and him
Oh he's only a friend
Well I see there's still a chance for me
 
Well maybe some other time, in some other place
With our love in your heart and a smile on your face
You will know who I am
When that time comes you'll know who I am

You will know who I am
When that time comes you'll know who I am
You will know who I am
When that time comes you'll know who I am

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Elvis Presley - And the Grass Won't Pay No Mind

Música: And the Grass Won't Pay No Mind
Compositor: Neil Diamond
Álbum: Back in Memphis / From Memphis to Vegas, From Vegas to Memphis
Data de Gravação: 18 de fevereiro de 1969
Local de Gravação: American Sound Studios, Memphis, Tennessee
Produtor: Chips Moman, Felton Jarvis
Músicos: Elvis Presley (vocal) / Reggie Young (guitarra) / Tommy Cogbill (baixo)  / Gene Chrisman (bateria) / Bobby Wood (piano) / Bobby Emons (orgão) / Ed Kollis (harmonica).

Comentários:

Elvis adorava Neil Diamond. Estava sempre conferindo o trabalho desse cantor e compositor nova-iorquino. O interessante é que tão absorvido ficou com o material que Diamond vinha gravando que ele mesmo resolveu fazer suas próprias versões em estúdio do material composto pelo colega músico. Um exemplo é essa faixa "And the Grass Won't Pay No Mind". Ela foi originalmente lançada como Lado B do single "Soolaimon". Elvis não gostava muito da canção principal, mas adorou seu Lado B. Por isso achou que a canção merecia um melhor destino, um tratamento mais digno. Assim na madrugada do dia 18 de fevereiro, quando o relógio já indicava 1 da manhã, Elvis começou a trabalhar com a canção ao lado de seus músicos. A sessão só chegaria ao fim às quatro hora da madrugada, com um Elvis bem satisfeito por seu resultado. Ele realmente se esforçou para dar um belo tratamento na criação de Neil Diamond. O resultado, como se pode perceber, superou e muito a própria gravação original de Diamond, algo que não era raro acontecer em se tratando de Elvis Presley.

A letra de "And the Grass Won't Pay No Mind" é no mínimo interessante. Os primeiros versos que dizem: "Escute, você pode ouvir Deus chamando / Andando descalço na correnteza" pode dar a falsa impressão que você está prestes a ouvir uma música gospel, mas não! O autor logo muda o rumo, entrando em uma mistura de música hippie de amor, com clara conotação até mesmo um pouco esotérica. O melhor da canção como um todo é a sua linda melodia, bem suave, calma e relaxante. Elvis a canta ternamente, algo que nem estava sendo usado muito na época por ele, já que para as sessões do American o cantor tinha optado por uma vocal mais incisivo e marcante. Uma bela faixa que a despeito de todas as suas qualidades acabou não sendo também muito bem trabalhada pela RCA Victor, nunca a transformando numa música de trabalho. Uma pena, uma música tão linda merecia melhor sorte, tanto na voz de Neil Diamond como na de Elvis Presley. De qualquer maneira ela venceu a barreira do tempo por causa de sua beleza ímpar.

And the Grass Won't Pay No Mind
(Neil Diamond)

Listen easy, you can hear God calling
Walking barefoot by the stream
Come on to me, Your hair's softly falling
On my face as in a dream
And the time will be our time
And the grass won't pay no mind

Saying nothing, lying where the sun is
Baking down upon our sides
My lips touch you, with their soft wet kisses
Your hands gentle in reply
And the time will be our time
And the grass won't pay no mind

Child, touch my soul with your cries
And the music will know what we've found
I, hear a hundred good-byes
But today I hear only one sound
The moment we're living is now
Now now now now now now now

Young bird flying, and a soft wind blowing
Cools the sweat inside my palms
Close my eyes, hear the flowers growing
As you lay sleeping in my arms
And the time will be our time
And the grass won't pay no mind
No the grass won't pay no mind

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 8 de abril de 2016

Discografia Brasileira - Elvis Presley 1969

A partir de 1965 as trilhas sonoras de Elvis vendiam tão pouco no Brasil que a filial nacional da RCA simplesmente parou de lançar discos de Elvis no Brasil. Sua última trilhas sonora a chegar nas lojas brasileiras foi "No Paraíso do Havaí" em 1966. Vendeu poucas cópias. Depois disso nada mais foi editado em nosso país em relação a Elvis no quesito álbuns. Para o fã sobrava a única oportunidade de comprar um ou outro compacto que fosse lançado em nosso mercado. Isso demonstrava como Elvis estava por baixo nessa época.

Só três anos depois, justamente em 1969, é que a RCA Brasil finalmente se animou a colocar novamente um álbum (LP) de Elvis nas lojas. Foi justamente "From Elvis in Memphis", um disco que se saiu bem em vendas e foi muito elogiado pela crítica nos Estados Unidos. De repente não havia mais como ignorar. Elvis estava novamente em um bom momento na carreira e os responsáveis por seus lançamentos no Brasil soltaram o disco para venda ao público brasileiro. Era uma edição mais simples do que o bonito disco original americano, mas foram preservados pelo menos a excelente direção de arte do álbum Made in USA.

Muitos pensaram que seguindo a boa maré o álbum seguinte de Elvis, esse duplo, chamado "From Memphis to Vegas / From Vegas to Memphis" também seria lançado, mas como se tratava de um disco mais caro (por ser dois LPs) a RCA resolveu esperar um pouco e o tão aguardado álbum duplo só foi lançado nos anos 70. Era até comum os lançamentos atrasarem até um ano ou dois para serem lançados no Brasil, fruto do atraso industrial nacional daqueles tempos.

Já em termos de compactos (os chamados singles) o público brasileiro não teve muito do que reclamar. Em 1969 quatro compactos simples foram lançados em nosso país, seguindo rigorosamente a discografia americana. Foram os seguintes os compactos nacionais: "If I Can Dream / Edge Of Reality", "In The Guetto / Any Day Now", "Suspicious Minds / You´ll Think Me" e "Don´t Cry Daddy / Rubberneckin", Apenas dois singles americanos não foram lançados por aqui, "Memories" e "Clean Up Your Own Back Yard", muito provavelmente porque os executivos da filial brasileira não viram realmente potencial comercial neles. O outro single americano com as canções gospel "His Hand In Mine / How Great Thou Art" nem foi considerado pois eram apenas reprises.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Elvis Presley - A Little Bit of Green

Música: A Little Bit of Green
Compositor: Arnold / Morrow / Martin
Álbum: Back in Memphis / From Memphis to Vegas / From Vegas to Memphis
Data de Gravação: 15 de janeiros de 1969
Local de Gravação: American Sound, Memphis, Tennessee
Produtor: Chips Moman, Felton Jarvis
Músicos: Elvis Presley (vocal e guitarra),  Reggie Young (guitarra), Tommy Cogbill (baixo), Mike Leech (baixo), Gene Chrisman (bateria), Bobby Emons (orgão), Bobby Wood (piano).

Comentários:
Essa é uma antiga música lançada pelo cantor country Eddy Arnold. Para quem não sabe a história de Arnold se confunde com a do próprio Elvis pois ele era da mesma região e tinha o mesmo empresário que Presley. Sim, o Coronel Parker também era o manager de Arnold. É curioso porque muito do que aprendeu em termos de negócios no mundo da música, Parker aprendeu justamente dirigindo a carreira de Eddy Arnold, um dos primeiros artistas que empresariou. Depois de um começo modesto em Memphis e Nashville sua vida mudou quando Parker lhe arranjou um acordo com uma das empresas mais poderosas dos Estados Unidos. Em 1944 conseguiu um contrato para ele com a RCA Victor, a mesma que seria a gravadora por toda a carreira de Elvis. Pois bem, deixando isso um pouco de lado vamos tecer alguns comentários sobre a música então.

Nunca achei uma grande canção e passa longe de ser um clássico dentro do repertório de Elvis. A letra novamente trata do tema sobre corações partidos. Em primeira pessoa o autor lamenta a perda da mulher amada, que agora está nos braços de outro. É o velho arrependimento que só bate quando você perde um grande amor e só se dá conta de sua importância quando ela resolve finalmente arranjar outro para tocar sua vida para frente. Assim, em termos gerais, a letra não é das mais originais e nem tampouco é tão bem escrita. Analisando bem são apenas três estrofes, nenhum deles excepcionalmente bem escrito. O refrão também não me agrada muito. Falta um pouco mais de conteúdo nessas passagens. A harmonia também não chega a surpreender. É bem gravada e executada, como tudo o que diz respeito ao material que foi gravado no American Studios (a banda que acompanhou Elvis era realmente acima da média), mas realmente novamente não impressiona. Acredito que o fato dela estar no meio de tantas obras primas ajudou a ofuscá-la ainda mais. Ela foi gravada no dia 15 de janeiro de 1969 no mesmo dia em que Elvis também gravou somente outra faixa: Gentle on My Mind. Pelo visto não foi uma das noites mais produtivas de Elvis no American.

A Little Bit Of Green
(Arnold / Morrow / Martin)

Now that the truth is hard to face
I can't forget you once were mine
Someone else is in my place
Whenever we meet my heart beats out of time

Just a little bit of green
Clouds my eyes to what I've seen
Just a little bit of green
When I see you with someone new
And knowing that there's nothing I can do

Please don't try to tie me down
Those are the words you often say
I can't help seeing you around
You smile with surprise, I turn my eyes away

Just a little bit of green
Oh-oh-ho, clouds my eyes to what I've seen
Just a little bit of green
When I see you with someone new
And knowing that there's nothing I can do

Oh-oh-oh-oh-oh-oh

Just a little bit of green
Oh-oh-ho, clouds my eyes to what I've seen
Just a little bit of green
When I see you with someone new
And knowing that there's nothing I can do

Oh-oh-oh-oh-oh-oh
Just a little bit of green

Pablo Aluísio.

domingo, 3 de abril de 2016

Elvis Presley - Clean Up Your Own Backyard / The Fair Is Moving On

Embalado por uma sucessão de bons singles, Elvis conseguiu um inesperado sucesso com o lançamento de mais um compacto, "Clean Up Your Own Backyard / The Fair Is Moving On" em junho de 1969. O fato é que os fãs pareciam ter renovado o interesse no trabalho de Elvis após ele retornar aos palcos no programa da NBC no final de 1968. Desde que aquele especial foi exibido, Elvis foi colecionando sucessivos sucessos de singles. Esse aqui nem tinha tanto potencial assim para se sobressair nas paradas, mas como havia uma onda de boas músicas gravadas recentemente por Elvis (em destaque aquelas vindas de suas sessões no American Studios em Memphis) o disquinho acabou sendo beneficiado. Como se diz no ditado popular ele foi na onda do sucesso de outros lançamentos mais recentes da carreira de Elvis. A faixa título "Clean Up Your Own Backyard" fazia parte da trilha sonora do filme "The Trouble With Girls" (Lindas encrencas, as Garotas). Com boa sonoridade e uma letra que mandava cada um cuidar de sua própria vida, era uma boa faixa que até mereceu o relativo sucesso que fez nas rádios do sul do país. Os autores Mac Davis e Billy Strange também representavam a força de uma nova geração de compositores na discografia de Presley. Temas mais interessantes, falando de aspectos atuais, modernos e mais de acordo com a realidade em que a nação americana atravessava naquele momento histórico. Uma renovação mais do que bem-vinda.

A canção do Lado B, "The Fair Is Moving On", havia sido gravada em fevereiro nas premiadas sessões do American Studios em Memphis. Foi uma faixa finalizada já no final das gravações, quando Elvis já estava um pouco cansado da maratona de trabalho. Por isso a RCA Victor não viu muito potencial nela, nem para entrar nos discos oficiais compostos pelas músicas do American. Usá-la como Lado B desse compacto parecia assim uma boa ideia. Iria chamar a atenção dos colecionadores, fazendo com que eles acabassem comprando o single. Somando-se tudo, a boa canção do filme "The Trouble With Girls" com uma gravação inédita do American e a boa fase artística pela qual Elvis passava, o resultado não poderia ser ruim - como realmente não foi. A única crítica partiu justamente do Coronel Parker. Ele se irritou com a capa pois queria que fosse usado material promocional do filme, justamente para promovê-lo (já que estaria entrando em cartaz justamente no mês de lançamento do single). A RCA acabou reconhecendo seu erro, enviando um pedido de desculpas ao empresário de Elvis. No final tudo saiu bem e Elvis ganhou mais um disco de ouro para sua coleção.

Clean Up Your Own Backyard
(Mac Davis / Billy Strange)

Back porch preacher preaching at me
Acting like he wrote the golden rules
Shaking his fist and speeching at me
Shouting from his soap box like a fool
Come Sunday morning he's lying in bed
With his eye all red, with the wine in his head
Wishing he was dead when he oughta be
Heading for Sunday school

Clean up your own backyard
Oh don't you hand me none of your lines
Clean up your own backyard
You tend to your business, I'll tend to mine

Drugstore cowboy criticizing
Acting like he's better than you and me
Standing on the sidewalk supervising
Telling everybody how they ought to be
Come closing time 'most every night
He locks up tight and out go the lights
And he ducks out of sight and he cheats on his wife
With his employee

Clean up your own backyard
Oh don't you hand me none of your lines
Clean up your own backyard
You tend to your business, I'll tend to mine

Armchair quarterback's always moanin'
Second guessing people all day long
Pushing, fooling and hanging on in
Always messing where they don't belong
When you get right down to the nitty-gritty
Isn't it a pity that in this big city
Not a one a'little bitty man'll admit
He could have been a little bit wrong

Clean up your own backyard
Oh don't you hand me, don't you hand me none of your lines
Clean up your own backyard
You tend to your business, I'll tend to mine

Clean up your own backyard
You tend to your business, I'll tend to mine.


Pablo Aluísio.