Home » » Elvis Presley, Canadá, 1957

Elvis Presley, Canadá, 1957

Em abril de 1957 Elvis Presley realizou aquela que seria sua primeira excursão internacional. Foi no vizinho Canadá onde Elvis se apresentou em concertos nas cidades de Toronto e Ottawa. É inacreditável mas um dos cantores mais populares de todos os tempos nunca realizou shows na Europa, nem no Japão, nem em lugar nenhum fora dos Estados Unidos. O único país estrangeiro que teve a honra de receber um show de Elvis foi justamente o Canadá! Como isso foi possível? Elvis lotaria shows em qualquer lugar no mundo tamanha era sua popularidade nessa época mas o astro não saía de seu país de jeito nenhum! Esse fato incomum até hoje chama a atenção de estudiosos e fãs de Presley. A verdade pura e simples é que seu empresário, o astuto Tom Parker, era um imigrante ilegal nos EUA e por isso não conseguiria tirar seu passaporte. Assim se ele não viajava, Elvis também não viajaria. Absurdo? Claro que sim. O mundo se viu privado de ver Elvis ao vivo porque em última instância seu empresário era um estrangeiro que não poderia viver nos EUA de forma legal. Aliás ele nem se chamava Tom Parker na verdade, esse era um nome falso. Ele na realidade era holandês e seu nome real era Andreas. Algumas biografias até chegam a afirmar que Parker tinha fugido de seu país natal por ter assassinado uma mulher. Verdade ou não? Hoje, passados tantos anos, fica mais complicado chegar na versão real do que de fato aconteceu.

De qualquer modo os canadenses tiveram a oportunidade de ver o grande Rei do Rock no auge de sua carreira. Elvis surgiu no palco de dourado, uma nova roupa de shows feita especialmente para os concertos mais importantes. Era um novo visual condizente com seu status de “garoto de ouro da indústria fonográfica”. Sorridente, solícito, Elvis esbanjou simpatia por onde passou. Parou para atender fãs, acenou, distribuiu gentilezas e até falou com a imprensa canadense que o tratou como se o próprio Messias tivesse chegado no solo de seu país. As apresentações foram obviamente grandes sucessos de bilheteria, lotando os locais dos concertos. O ponto alto da turnê foi seu show em Ottawa. A presença de Elvis mudou a rotina do lugar. Centenas de ônibus lotados de jovens das cidades vizinhas chegaram na cidade. Muitos não encontraram vagas nos hotéis que ficaram completamente tomados por fãs vindos de todos os lugares do país. Perto da hora do show o trânsito parou tamanha a quantidade de gente se deslocando para ir na arena onde Elvis se apresentaria. Quando o cantor subiu ao palco a gritaria foi tamanha que ninguém conseguia ouvir nada. Era ensurdecedor. Pra falar a verdade nem eles mesmos conseguiram se ouvir. Elvis e o grupo foram na garra, sem retorno nenhum, contando apenas com seus instintos. O sistema de som para concertos ao vivo na década de 50 era muito primitivo e não conseguia soar mais alto do que milhares de adolescentes gritando ao mesmo tempo – era simplesmente impossível. Como ninguém conseguia ouvir, Elvis resolveu caprichar nas poses, na dança e nos trejeitos. Se não podiam lhe ouvir pelo menos as fãs o veriam dessa forma!


A polícia local certamente não estava preparada. A multidão começou a se espremer para ficar mais perto do palco e por pouco não houve um esmagamento em massa de quem estava nas primeiras fileiras. Elvis não deixou barato e procurou dar o melhor de si, ora chegando perto de seus fãs, ora se jogando no chão, se retorcendo, esticando o braço, pedindo ajuda – era demais para as garotinhas que foram literalmente ao delírio! O concerto foi rápido mas intenso. Duas das músicas da lista que havia sido previamente distribuída aos músicos ficaram de fora, sem maiores explicações. Elvis simplesmente as pulou, indo direto para a última canção. Talvez ele estivesse com receio de que alguém fosse morto naquele mar de gente. Quando os acordes finais soaram ele simplesmente deu no pé, deixando o pedestal do microfone balançando. As fãs gritaram em desespero mas o show estava encerrado. Elvis nunca dava bis, essa era uma regra não escrita. No outro dia, como sempre acontecia, choveram protestos dos mais conservadores. Uma liga cristã, formada basicamente por donas de casa quarentonas, publicou um manifesto nos jornais condenando o show, afirmando que Elvis era “um péssimo exemplo para a juventude” e que uma mãe consciente jamais deixaria suas filhas irem a um antro de indecência como aquele. Ninguém ligou pois isso já tinha virado rotina e um tremendo clichê. Elvis se apresentava, as fãs amavam e no outro dia os conservadores protestavam. Era previsível. Elvis nem tomou conhecimento desses fatos, em breve ele estaria de volta aos estúdios de cinema para um novo filme e isso o deixava elétrico, excitado. Assim que seu avião decolou do Canadá ele celebrou com amigos o sucesso de sua excursão. O céu era realmente o limite para Elvis Presley nessa fase de sua vida. O mundo não tinha mais fronteiras para ele.

Pablo Aluísio.

0 comentários:

Postar um comentário

Postagem em destaque

Elvis News - Elvis: A Life In Music / Um Grammy para Jailhouse Rock / Novos CDs / Robbie Williams e Elvis

Elvis: A Life In Music - Está sendo lançado em países de língua alemã o famoso livro escrito por Ernst Jorgensen intitulado "Elvis: ...

Pesquisar este blog

 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates