Home » » Loving You (1957)

Loving You (1957)

Primeira trilha sonora de Elvis Presley em formato de Long Playing (LP) contendo as músicas do filme "Loving You" da Paramount Pictures. A trilha sonora do filme anterior de Elvis, "Love Me Tender", só havia sido lançada em um compacto duplo. Como Tom Parker não dava ponto sem nó, ele logo viu que seria muito mais lucrativo colocar todas as canções em um disco inteiro. Como a duração da trilha sonora do filme não era suficiente para preencher todo o espaço de um LP, Parker colocou canções inéditas gravadas em estúdio no lado B. Essas seriam as primeiras "Bônus Songs" da carreira de Elvis. No Brasil o filme recebeu o título de "A mulher que eu amo" nos cinemas e posteriormente quando passou na TV recebeu o título de "Perdidos na Cidade". Ao contrário de "Love Me Tender" em que Elvis era apenas um dos atores que chegaram após o projeto do filme estar pronto, "Loving You" foi totalmente planejado para o cantor estrelar. Os produtores elaboraram então a fórmula "Elvis" de fazer filmes: muita música, roteiro escapista e de acordo com o gosto médio do público jovem da época. Essa forma de fazer filmes iria se desgastar ao longo do tempo, mas em 1957 ainda era uma grande novidade. O Público adorou e lotou os cinemas. Todos queriam ver a nova sensação da música mundial. Em "Love Me Tender" as músicas foram colocadas no último minuto, o filme, um western convencional, nem tinha canções em seu roteiro original, mas como Elvis era um nome quente em 1956, os diretores musicais da 20th Century Fox se apressaram em colocar 4 músicas para Elvis cantar em cima da hora! Mas com "Loving You" as coisas fluíram de forma diferente.

O roteiro já nasceu pronto para Elvis, toda a trilha foi composta especialmente para ele. Elvis estava no auge e as coisas não poderiam sair de outra forma. "Loving You" hoje é considerado um dos clássicos do Rei, um símbolo do cinema jovem feito nos anos 50, cujo roteiro foi levemente inspirado na própria história do cantor. Nada muito dramático, ao contrário, muito leve e soft. Até mesmo porque ninguém queria ver Elvis estrelar um dramalhão! Com "Loving You" Hollywood abriu definitivamente as portas para Elvis Presley. A parceria iria durar 16 anos e Elvis só iria se despedir do cinema em 1972 com o documentário "Elvis On Tour". Durante todo esse tempo muitos filmes seriam produzidos, com tudo o que de bom e ruim que os estúdios tinham a oferecer para o cantor. "Loving You" é um grande sucesso de Elvis nos cinemas, um filme que abriu caminho para todas as produções posteriores dele. Para fazer par principal com o Rei do Rock a Paramount escalou uma starlet em ascensão: Dolores Hart. A atriz que contracenou com Elvis tinha uma promissora carreira em Hollywood. Era uma das mais prestigiadas atrizes jovens e poderia ter se tornado um nome famoso com essas produções. Mas, para surpresa de todos, abandonou a vida do cinema para se dedicar totalmente à religião, se tornado freira em uma ordem católica. De qualquer forma Dolores levou seu prêmio por "Loving You", pois ela foi a primeira atriz a beijar Elvis em cena. Estas são as canções do Long Playing "Loving You" (LPM 1515):

MEAN WOMAN BLUES (Claude DeMetrius) - Um dia depois de registrar um de seus maiores sucessos de sua carreira, "All Shook Up", Elvis entrava no Radio Recorders para gravar "Mean Woman Blues". Na verdade a canção nem foi feita especialmente para o filme, mas foi aproveitada por seu potencial cênico, aonde Elvis poderia desenvolver com desenvoltura seus requebros. Esse é um blues visceral cantado por Elvis em um determinado momento da película, passado numa lanchonete típica dos anos 50. em que ele é desafiado a provar seu talento para os jovens presentes à mesa por um caricato vilão de filmes adolescentes. Termina com a inevitável briga entre o Rei e seu oponente. A dança apresentada se tornou um dos momentos antológicos da carreira cinematográfica de Elvis, mesmo que depois tenha sido criticada por causa do posicionamento da câmera principal, que focalizou Elvis de forma errada, pois pendurado na parede atrás do cantor havia um grande par de chifres de alce. Para alguns observadores, algumas tomadas de cena colocaram Elvis em uma posição no mínimo inusitada. Pois em alguns momentos os chifres se encaixam perfeitamente com sua cabeça, dando a impressão de que o diretor quis de forma deliberada colocar "chifres" em Elvis! Cada coisa que esse pessoal percebe, convenhamos... Apesar de todas as lendas urbanas envolvendo a cena, o veredito é um só: grande cena, grande música.

(Let Me Be Your) TEDDY BEAR (Kall Mann / Bernie Lowe) - No auge do sucesso de Elvis correu um boato que ele adorava ursinhos de pelúcia. Apesar de não ser verdade o boato ganhou força e de um momento para o outro o cantor se viu num mar de bichinhos dados pelos seus fãs. Em uma entrevista Elvis afirmou que tinha guardado todos em sua casa! Para aproveitar esta história foi composto este grande sucesso, que alcançou o primeiro lugar da parada de singles da revista Billboard com "Loving You" no lado B. O single foi um campeão absoluto de vendas quando foi lançado em junho de 1957. Assim como "Mean Woman Blues", "Teddy Bear" também não fez parte das sessões de gravação da trilha sonorda do filme "Loving You". Ela foi registrada dias depois em uma sessão que só foi realizada para Elvis gravá-la. Nesse mesmo dia Presley ainda gravou uma versão "envenenada e maldita" de "One Night" chamada "One Night Of Sin". Esse take alternativo acabou se tornando bem badalado após a morte do cantor. Curiosidade: o "Teddy", nome dado ao ursinho é uma homenagem ao presidente americano Theodore Roosevelt, conhecido por suas caçadas e espírito aventureiro.

LOVING YOU (Jerry Leiber / Mike Stoller) - Música título do filme que foi gravada em três arranjos diferentes: uma versão acústica para uma determinada cena do filme, em balanço blues e a versão clássica, conhecido por todos, lenta e romântica, que está presente neste LP. A razão para tantas versões é a determinação dos diretores musicais da Paramount para que fosse gravada variações diferentes para a aprovação final do estúdio. Além disso deveria haver takes de "Loving You" suficientes para utilizar em material promocional, como trailers, divulgação em rádios, etc. Aliás "Loving You" acabou se tornando um problema para Elvis. Muitos dos takes produzidos nas sessões de janeiro de 57 foram rejeitados pela Paramount. Então Elvis teve que voltar várias vezes aos estúdios para regravar grande parte do material, tanto que a versão definitiva de "Loving You" só saiu mesmo dia 24 de fevereiro. Mesmo assim Elvis não estava completamente seguro de que aquela seria a versão ideal. Mas sem mais tempo a RCA Victor resolveu lançá-la mesmo no single junto com "Teddy Bear". O single, como já foi escrito aqui, fez grande sucesso e novamente mostrou que seus compositores, Leiber e Stoller, se firmavam cada vez mais como os principais escritores de Elvis. A música em si possui melodia e letra simples, ideal para os corações juvenis dos anos cinqüenta.

GOT A LOT O'LIVIN TO DO (Aaron Schroder / Bernie Weisman) - Ponto alto tanto no filme em que Elvis a apresenta em uma de suas melhores performances, como no disco, pois a canção é um Rock'n'Roll vibrante e empolgante. Para a cena do filme Elvis chamou seus pais para participarem como figurantes na platéia. Visualiza-se facilmente Gladys Presley, sua mãe, de roupa azul, sentada na platéia batendo palmas ao lado do filho. Elvis fez questão que sua mãe estivesse com ele em Hollywood. Queria lhe dar o melhor, hospedá-la em hotéis de luxo e dar todo o tratamento vip que ela nunca teve na vida. Elvis queria acima de tudo cercá-la do bom e do melhor. Gladys era a força moral e espiritual que Elvis sempre podia contar. Com a morte de sua mãe, meses depois, "Loving You" se tornou um filme muito doloroso de assistir para Elvis, pois a lembrança de sua mãe ali ao seu lado seria mais presente do que nunca. Para evitar a depressão de ver novamente Gladys em cena ao seu lado, Elvis tomou uma atitude drástica: baniu de uma vez por todas o filme de sua vida. Se recusou sempre a assisti-lo novamente e nunca mais nem ao menos voltou a ouvir a trilha sonora, segundo seus amigos da máfia de Memphis. Ele se sentiu profundamente deprimido pela morte da mãe e segundo seus amigos mais íntimos nunca mais se recuperou desta perda.

LONESOME COWBOY (Sid Tepper / Roy Bennet) - Esta canção foi composta inicialmente para ser o tema título da trilha sonora do segundo filme de Elvis pois ele iria se chamar "Lonesome Cowboy". Mas esse projeto inicial foi mudado pelos executivos da Paramount. Primeiro porque outro western poderia levar alguns a confundir o novo filme com "Love Me Tender" e segundo porque era mais importante colocar Elvis em um tema mais atual e urbano, que falasse mais diretamente com o público alvo de Elvis: os jovens. A música ficou e foi encaixada em uma cena com Elvis devidamente vestido à cárater. Apesar de apresentar um bom ritmo e certa fluência, percebe-se claramente que seu arranjo ficou um pouco confuso, no meio termo entre a pretensão e a simplicidade. O resultado final acabou não indo para nenhum lado, transformando tudo numa grande confusão rítmica. "Lonesome Cowboy" foi uma das únicas músicas aproveitadas das sessões de janeiro para a Paramount. Todas as outras, ou foram descartadas ou então regravadas por Elvis depois. Esta dupla de compositores seria responsável por uma das melhores trilhas sonoras da carreira de Elvis nos anos sessenta: "G.I.Blues" (saudades de um pracinha, 1960).

HOT DOG (Jerry Leiber / Mike Stoller) - Pequena pérola composta pelos sempre ótimos Leiber e Stoller. Não confundir com "Hound Dog" dos mesmos compositores. Esta dupla foi importantíssima para a carreira do Rei do Rock, mas nunca se deram bem com o Coronel Parker. Além de cobrarem bem mais do que os demais escritores possuíam opiniões próprias que se chocavam com o próprio ponto de vista de Parker. Uma das idéias sugeridas por Leiber e Stoller a Elvis foi a realização de um musical na Broadway estrelada pelo próprio cantor. Elvis gostou muito da idéia pois teria oportunidade de atuar e o mais importante, de dançar e desenvolver novas coreografias. Apesar da idéia ter sido recebida com entusiasmo por Elvis logo foi abandonada, pois o Coronel convenceu o cantor que tal projeto "poderia ser prejudicial à sua carreira"! Esse e outros incidentes entre Parker e os autores acabaram causando o afastamento definitivo deles da carreira de Elvis em meados dos anos 60. Sem dúvida uma grande perda para o cantor.

PARTY (Jesse Mac Robinson) - Fechando o antigo lado A do LP e a parte referente aos trabalhos relativos ao filme temos esta música que cumpre seu papel de forma eficiente, parecendo até mesmo uma continuação de "Hot Dog". Ambas foram gravadas nas mesmas sessões realizadas em janeiro de 1957 no estúdios Radio Recorders em Hollywood. Apesar de ensaiar e gravar quase todos os temas da trilha sonora nessas sessões, a RCA só aproveitou como oficiais as versões de "Party", "Hot Dog" e "Lonesome Cowaboy". Todas as demais foram arquivadas ou rejeitadas pelos produtores. Muitos desses registros inclusive foram perdidos. "Party" não teve uma grande repercussão na época, era apenas um bom rock em uma época em que Elvis só estava gravando verdadeiros hinos desse ritmo. Porém ela não foi esquecida como bem demonstrou Paul McCartney em seu disco "Run Devil Run" onde ele gravou uma nova versão deste verdadeiro hino do Rock'n'Roll mundial. Um merecido reconhecimento, sem dúvida.

BLUEBERRY HILL (Rose / Lewis / Stock) - Música que abria o antigo Lado B da trilha sonora, em sua versão norte-americana. A primeira "Bonus Song" da carreira de Elvis Presley. Essa denominação era usada para músicas que não faziam parte da trilha sonora mas que eram colocadas nos LPs para completá-los cronologicamente. Uma das mais deliciosas canções dos anos 50. Se tornou bastante popular graças ao cantor e compositor de New Orleans, Fats Domino. Fats era um roqueiro atípico, primeiro porque sua vida foi um mar de tranqüilidade, sem escândalos ou manchetes sensacionalistas na imprensa marrom. Segundo porque, ao contrário dos demais astros da primeira geração de roqueiros, não viu sua carreira afundar na virada da década de 50 para a de 60. Outro aspecto interessante em Fats Domino foi que ele foi um dos primeiros rockstars a irem para Las Vegas, na época considerada uma cidade fora de rota para os cantores jovens por causa do público envelhecido que frequentava os cassinos da cidade. Muito anos antes de Elvis ir de forma definitiva para Vegas, Fats já se apresentava regularmente naquela cidade. Aqui Elvis interpreta o maior sucesso de Domino, e por sua vez não deixa por menos e protagoniza uma versão de alto nível. O mais puro som dos anos 50 está aqui!.

TRUE LOVE (Porter) - Aqui Elvis Presley interpreta uma canção escrita por um dos maiores nomes da música norte americana, o músico e compositor Cole Porter. Esta canção fez parte da trilha sonora do clássico filme "Alta Sociedade", protagonizado por Bing Crosby, Frank Sinatra e Grace Kelly alguns anos antes. Inclusive Frank Sinatra gravou um disco inteiro só com canções de Cole Porter chamado "Sinatra Sings The Select Cole Porter", trabalho musical maravilhoso e obrigatório. Já Elvis apenas entrou em contato timidamente com Porter. Como era um astro jovem e Porter exigia maior sofisticação não era muito conveniente para Presley se envolver em demasia com um autor que era o preferido de Sinatra, que por sua vez detestava a turma roqueira da época.

DON'T LEAVE ME NOW (Schroeder / Weisman) - Outra "Bonus Song" que apesar de bem gravada e executada passou despercebida no lançamento do disco. Romântica e com indisfarçavel gosto country a música ficaria muito bem no repertório de um Hank Williams, por exemplo. Elvis voltaria ao estúdio mais uma vez e em abril de 1957 gravaria uma nova versão dessa mesma canção, dessa vez para fazer parte da trilha de outro filme dele, "Jailhouse Rock" (o prisioneiro do rock, 1957). Não há grandes diferenças entre as duas versões, apenas uma nova introdução de piano abrindo a versão de "Jailhouse Rock". Difícil explicar o porquê desta canção ter sido incluída novamente em outra trilha sonora e em outro filme. De qualquer forma fica o registro de Elvis em duas ocasiões diversas de sua carreira interpretando a mesma canção.

HAVE I TOLD YOU LATELY THAT I LOVE YOU (Weisman) - Outra canção com toques de música country! Chega a ser impressionante a quantidade de takes alternativos dessa música, o que mostra as dificuldades de se chegar a uma versão satisfatória. O CD "Stereo 57 - Essential Elvis Vol. 2" por exemplo traz várias das tentativas de Elvis. Outra canção que não faz parte dos trabalho de "Loving You", sendo gravada no dia 19 de janeiro de 1957 em Los Angeles. Nessa mesma noite Elvis, muito inspirado por sinal, conseguiu também chegar na versões definitivas de "Blueberry Hill" e "Is It So Strange", essa última sem dúvida uma das grandes baladas na voz de Elvis Presley nos anos 50. Enfim, mais uma canção que deixa registrado novamente um belo momento de seu talento.

I NEED YOU SO (Hunter) - Fechando o disco da trilha sonora de "Loving You" Elvis apresenta uma canção de um de seus compositores preferidos, Ivory Joe Hunter. Elvis sempre admirou muito Hunter, tanto que mesmo nos anos 70, ele iria gravar várias músicas dele, como "It's Still Here" e "I Will be True", ambas lançadas no LP "Elvis" de 1973. É uma música que de certa forma repete praticamente os mesmos arranjos de "Have I told you lately that I love you?" e não acrescenta muito. Isso porém não tira seus inegáveis méritos, principalmente pelo vocal inspirado de Elvis. Um bom desfecho para o terceiro LP da carreira de Elvis Presley.

Ficha Técnica: Elvis Presley (vocal, violão) / Scotty Moore (guitarra) / Tiny Timbrell (guitarra) / Bill Black (baixo) / D.J. Fontana (bateria) / Dudley Brooks (piano) / Gordon Stoker (piano) / Hoyt Hawkins (piano) / The Jordanaires (acompanhamento vocal) / George Fields (harmonica) / Produzido por Steve Sholes / Arranjado por Elvis Presley e Steve Sholes / Gravado no Radio Recorders - Hollywood / Data de Gravação: 15 a 18, 21 a 22 de janeiro e 14 de fevereiro de 1957 / Data de Lançamento: julho de 1957 / Melhor posição nas charts: #1 (EUA) e #1 (UK)

Pablo Aluísio.

4 comentários:

  1. Avaliação:
    Produção: ★★★★
    Arranjos: ★★★★
    Letras: ★★★★
    Direção de Arte: ★★★
    Cotação Geral: ★★★
    Nota Geral: 8,6

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir
  2. Pablo Aluisio sou seguidor do seu blog, gosto muito dos seus textos. Tenho uma dúvida. Andei estudando Elvis nos anos 50 e vi que existem muitas músicas gravadas em BINAURAL e STEREO, porém se você prestar atenção, na mesma seção de gravação tem uma ou outra que é stereo e outras não se sabe, adquiri varias delas, a maioria vem da Radio Records com exceção da trilha de Love me Tender que todas são stereo. A trilha Jailhouse Rock todas stereo são maravilhosa. Eu fico imaginando a trilha do King Creole stereo. A trilha do Loving You tem varias stereo, Mean Woman Blues, porém All Shook Up que não é da trilha, mas é da mesma seção não é stereo. Pelas minhas pesquisas, tem muita coisa em stereo dos anos 50 escondidas ainda.

    ResponderExcluir
  3. Olá internauta,
    Obrigado pela visita. Essa mesclagem entre músicas Binaural e Stereo é explicada porque no surgimento do Stereo, esse ainda era um sistema experimental e a gravadora de Elvis, a RCA Victor, não tinha muita certeza se seria comercialmente viável. O padrão era o mono, só depois começou a se desenvolver o Binaural, dando enfim origem ao Stereo. Como a RCA ainda não sabia direito para que lado ir (comercialmente falando) houve esse mix entre os dois sistemas até que o mercado se mostrasse receptivo ao novo sistema sonoro (que era usado nos aparelhos de som da época).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou ficar na captura dos stereos.
      Obrigado pelas informações.
      Evandro Dariolli.

      Excluir

Postagem em destaque

Elvis Presley - The Next Step Is Love

The Next Step Is Love (Evans / Barnes) - Quando Elvis resolveu retomar o rumo de sua carreira e deixar Hollywood para trás ele procurou e...

Pesquisar este blog

 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates