Home » » Elvis Christmas Album (1957)

Elvis Christmas Album (1957)

Em 1957 Elvis já havia se tornado uma celebridade internacional e um sucesso incontestável. Havia estrelado três filmes de enorme êxito comercial, "Love Me Tender" (ama-me com ternura, 1956), "Loving You" (a mulher que eu amo, 1957) e "Jailhouse Rock" (o prisioneiro do rock, 1957) e estava liderando a parada dos Estados Unidos com três singles que se revezavam no primeiro lugar: "All Shook Up / That's When Your Heartaches Begin", "Teddy Bear / Loving You" e "Jailhouse Rock / Treat Me Nice". Além disso estava em primeiro lugar também com o Extended Play (compacto especial com cinco músicas) contendo toda a trilha sonora do filme "Jailhouse Rock". Como se tudo isso não bastasse havia ainda atingido a segunda colocação da Top 100 da Billboard com o single "Too Much / Playing For Keeps". Realmente ele estava na crista da onda e num dos mais férteis períodos de sua carreira. Porém nem tudo eram flores pois Elvis estava sendo atingido de modo implacável pela imprensa norte americana, que o criticava em diversos artigos. A questão era que Elvis era chocante demais para a época e a revolução causada em razão de seu estilo musical não havia sido ainda compreendida pelos jornalistas dos anos 50. Vendo toda esta situação o empresário de Elvis, o Coronel Tom Parker, pensou num modo de melhorar a imagem de seu pupilo perante o setor mais reacionário da sociedade americana. E foi visando este objetivo que o Coronel e os executivos da RCA bolaram este disco natalino que procurava antes de tudo melhorar a situação de Elvis perante o público conservador. Como o final do ano se aproximava, nada melhor do que colocar um produto "familiar" com o nome do cantor no mercado. Elvis torceu o nariz! Músicas de natal!? Afinal qual era a do Coronel?! De qualquer forma Elvis acabou aceitando, até mesmo porque até aquele momento tudo o que tinha feito sob a orientação de Tom Parker tinha dado certo. Como não se deve mexer em time que está ganhando...

A imprensa não tardou a descobrir os planos do próximo disco do Rei do "Rock" e logo começou a satirizar Elvis pelo fato dele estar em estúdio gravando "cafonices" de natal! Essa onda de notas ruins até mesmo chegou a balançar o cantor, afinal será que o Coronel havia pisado na bola com a idéia desse disco? "Elvis Christmas Album"?! Tudo parecia um pouco forçado e fora de propósito mesmo! E o pior: não tinha nada a ver com a imagem de roqueiro rebelde construída por Elvis em seus primeiros anos. Parker rapidamente acalmou seu cliente com a seguinte frase: "Filho, eles vão se arrepender de terem escrito isso quando estivermos no primeiro lugar nas paradas! Pode confiar em mim garoto!" De qualquer forma as músicas já estavam gravadas e tudo o que restava a Elvis e aos caras da banda era esperar para ver o resultado em vendas quando o final do ano chegasse. Não havia mais como voltar atrás! Ou o disco se tornava um sucesso ou então fracassaria e humilharia completamente Elvis e sua bem consolidada imagem de rebelde sem causa. Obviamente Tom Parker estava pensando na parcela da população americana que detestava Elvis Presley e o que ele representava. Em poucas palavras: Parker queria inverter e limpar a imagem de Elvis. Já que as adolescentes e jovens já estavam conquistadas, havia chegado o momento de ganhar também a confiança das mães de suas fãs, dos pais desconfiados e dos reacionários de plantão. Parker não iria se contentar apenas com o jubilo juvenil, ele queria mais... queria a outra fatia do bolo, a outra parte da sociedade americana, essa parcela influente e principalmente rica, que iria ampliar os horizontes musicais de Elvis e trazer muitos dólares para ele e para as organizações Presley. E se para conquistar os coroas e quadradões fosse preciso bolar idéias como um disco de natal para Elvis, então que assim fosse. Tretas de Marketing?! Para Parker não, era apenas uma "ampliação de mercado", por assim dizer.

O disco foi lançado em novembro de 1957 e Parker novamente estava certo: o álbum explodiu em vendas e rapidamente chegou ao primeiro posto das principais paradas como a da revista Billboard. Para não perder o pique o Coronel ainda reservou em várias rádios importantes espaço exclusivo no horário nobre apenas para tocar o disco. Alguns fãs ficaram tenebrosos com o possível resultado. Porém essa desconfiança não durou muito, pois quando o disco chegou em suas mãos eles puderam perceber que Elvis não havia renegado seu passado e nem jogado fora o seu legado rocker. Elvis impôs seu estilo nas músicas e conseguiu gravar os primeiros "rocks de natal" da história. Apesar de toda a pressão e desconfiança assim que o disco chegou nas lojas vários articulistas que o haviam atacado anteriormente reconheceram que o LP possuía inegável valor artístico. Deram a mão à palmatória! As músicas eram bem gravadas, arranjadas e produzidas e apesar do tom nitidamente conceitual o disco poderia ser ouvido como uma boa obra pop, ideal para os jovens e pessoas mais velhas, e cujo rótulo de "cafona" não se enquadrava. Foi uma jogada de risco e sem dúvida surtiu algum efeito positivo. Tom Parker era um jogador nato e de vez em quando gostava de correr riscos. Pelo menos dessa vez ele havia conseguido vencer na roleta e ficar dentro do jogo. O álbum de natal de Elvis Presley é sem dúvida um dos grandes discos do Rei do Rock nos anos 50. Estas são as músicas do LP "Elvis Christmas Album" (LOC 1035):

SANTA CLAUS IS BACK IN TOWN (Jerry Leiber / Mike Stoller) — Blues composto pela dupla de compositores mais importante da carreira de Elvis: Leiber e Stoller. Essa canção foi escrita especialmente para Elvis sob encomenda de Tom Parker. Com destacado acompanhamento dos Jordanaires esta canção tem bom ritmo e desenvolvimento. Ela foi escrita praticamente às pressas depois que o Coronel divulgou seu projeto de colocar o Rei do Rock para cantar músicas de natal. A correria não prejudicou os resultados, apesar do baixista Bill Black ter sido criticado abertamente dentro dos estúdios por errar durante as sessões. Blackbird, como era apelidado, não era considerado um grande músico, chegando Sam Phillips a dizer que: "Bill Black era o pior baixista do mundo, tecnicamente falando, mas sabia fazer um slap como ninguém"! Quando esses atritos surgiam dentro dos estúdios Elvis procurava descontrair e melhorar o ambiente. Não era essa a primeira vez que Black falhava nas gravações e certamente nem seria a última, pois isso já tinha acontecido antes na gravação de "Baby I Don't Care" da trilha sonora de "Jailhouse Rock". Não dava para fazer boa música em um clima de tensão segundo a visão de Presley. Assim ele soltou mais uma de suas piadas e o clima geral dentro dos estúdio melhorou rapidamente. Pegando o embalo na animação promovida por ele, Elvis fez uma pequena brincadeira em cima da letra e não dispensou a inclusão de uma de suas paixões na música ao criar o seguinte verso: "You're gonna see me comin' in a big black cadillac". Apesar da sutil diversão a inovação de Elvis foi incorporada na versão oficial que saiu no disco, fazendo com que a letra original de Leiber e Stoller fosse modificada. Esse fato já havia acontecido antes quando o próprio Elvis mudou a letra de outra música de Leiber e Stoller: "Hound Dog". Apesar de adorar as canções da dupla, Elvis também não perdia a chance de dar seu toque pessoal nelas.

WHITE CRISTMAS (Irving Berlin) — Composição clássica do grande compositor norte americano Irving Berlin, considerado por muitos especialistas como um dos maiores escritores musicais daquele país. A canção, composta durante a década de 1940, foi sendo gravada diversas vezes por vários interpretes diferentes ao longo dos anos (sendo que a primeira versão foi lançada em 1942 por Bing Crosby). Cada um deles procurou imprimir seu toque pessoal e assim a música se incorporou definitivamente na cultura musical dos EUA, tanto que ainda hoje faz parte do repertório obrigatório de Natal que embala os norte americanos durante esta época do ano. Uma rara interpretação de Presley sobre uma música de Berlin, pois esse era um compositor muito mais gravado pela velha guarda, como Sinatra por exemplo e não se encaixava muito bem nos discos de um cantor como Elvis, que era um ídolo jovem nos anos 50. Tanto isso era uma verdade que a canção ainda seria lançada no disco natalino de Frank Sinatra, "A Jolly Christmas".

HERE COMES SANTA CLAUS (Gene Autry / Haldeman / Melka) — Ponto alto do disco e talvez a melhor música deste trabalho. Divertida, leve e ótima, a canção é um grande prazer sem culpas. Originalmente gravado pelo cowboy cantor Gene Autry nos anos 40, a melodia foi sugerida a Elvis pelos próprios executivos da RCA Victor, que já tinham os direitos sobre a música. Novamente Elvis teria que se superar e recriar uma antiga canção para os novos tempos. Mais uma da velha guarda, Elvis aqui procura antes de tudo modernizá-la e adaptá-la para melhor ser digerida por seu público jovem. Assim Elvis acrescenta um sabor novo e moderno a uma antiga música de natal. Foi lançada também em um compacto duplo denominado "Christmas With Elvis" juntamente com outras músicas deste LP em dezembro de 1957.

I'LL BE HOME FOR CHRISTMAS (Kent / Gannon / Ram) — Segue a mesma linha das outras canções deste disco. Como destaque pode-se citar a melodia e vocalização agradáveis. Foi lançada em um segundo compacto duplo extraído desse LP juntamente com outras músicas natalinas denominado "Elvis Sings Christmas Songs" em dezembro de 1957. A grande surpresa referente a esse EP foi que o mesmo acabou, sem pretensão nenhuma, atingindo o primeiro lugar nas paradas, coroando ainda mais o projeto de Parker e da RCA em colocar Elvis para cantar canções de natal! Aliás essa foi a última música gravada por Elvis para o disco no dia 7 setembro de 1957 no Radio Recorders

BLUE CHRISTMAS (Billy Hayes / Jay Jonhson) — Outro sucesso dos anos 40 cantada por Elvis neste disco. O Rei ainda apresentaria uma nova versão dessa mesma música no histórico "NBC TV Special" (Comeback Special) em 1968. A versão em questão pode ser conferida na respectiva trilha do especial de TV que trouxe o Rei de volta as apresentações ao vivo depois de uma longa ausência proporcionada pela série de filmes protagonizados por ele nos anos sessenta. Aliás os planos do Coronel Parker para esse especial visavam colocar não apenas uma música de natal na apresentação, mas todas elas! O plano inicial de Parker era fazer um programa inteiramente com canções natalinas. Inclusive chegou a sugerir a péssima idéia de vestir Elvis de Papai Noel! Imaginem o ridículo da cena! Dessa vez Elvis o ignorou pois suas sugestões não tinham mesmo o menor cabimento e nada estava mais longe do que ele e o produtor Steve Binder tinham em mente. Elvis sabia que o especial era essencial para ele, pois era a sua grande chance dar a volta por cima e não poderia ser desperdiçada de jeito nenhum. De qualquer forma "Blue Christmas" acabou entrando na edição final do programa apenas para acalmar os ânimos do velho empresário.

SANTA, BRING MY BABY BACK (Aaron Schroder / Claude DeMetrius) — Fechando o Lado A temos esta música em que o Rei pede a Papai Noel (Santa Claus) que ele traga sua pequena de volta aos seus braços. As músicas deste LP possuem um lugar próprio dentro da vasta discografia do cantor porque de certa forma expressam a inocência da sociedade americana dos anos cinqüenta, sentimento este que não iria sobreviver nos loucos anos sessenta. Se bem que nos bastidores dos estúdios havia de tudo, menos inocência. Novamente durante as gravações estourou uma nova crise entre o Coronel Parker e os compositores Leiber e Stoller. Tudo por causa de um evento sem maior importância. Elvis interrompeu as gravações das músicas natalinas para gravar uma música da dupla que ele havia encomendado durante as filmagens de "Jailhouse Rock". A canção se chamava "Don't" e foi gravada sem o conhecimento prévio de Parker. O Coronel quando soube da existência da gravação explodiu: "Pode dizer a esses caras que da próxima vez que eles levarem alguma música a Elvis sem falar comigo antes, estarão fora da carreira do garoto!" Esse fato demonstra duas coisas: a primeira era o medo que Parker tinha de perder o controle sobre a carreira de Elvis e a segunda era a forma como ele comandava a vida profissional (e diga-se de passagem também pessoal) de Elvis com mãos de ferro.

O LITLE TOWN OF BETHELEM (Redner / Brooks) — Canção em que o vocal de Presley se sobressai, expressando em notas musicais todo o sentimento e significado presentes no conteúdo da letra. Elvis tinha um sentimento religioso muito forte que se exteriorizava em músicas como essa. O acompanhamento de seus músicos é bem sutil, só o necessário para o cantor se expressar através de sua arte. De todas as músicas natalinas do LP essa sem dúvida é a mais intimista e introspectiva. O arranjo por sinal segue completamente o gênero Gospel, com o uso de órgãos e vocais em coral. Elvis por sua vez está em um bom momento, contido e concentrado, tudo resultando em uma agradável vocalização em quase capela. Merece ser redescoberta pelos novos fãs. Antes tarde do que nunca: o arranjo foi inteiramente creditado a Elvis.

SILENT NIGHT (Franz Gruber / Joseph Mor) — A última faixa natalina do disco. Esta é a famosa canção alemã de natal "Noite Feliz", conhecida mundialmente. Para criar o clima adequado durante as gravações o produtor Steve Sholes resolveu trazer para dentro do estúdio uma enorme árvore de natal! Elvis até mesmo brincou com o fato pois as gravações foram realizadas em setembro e não durante o período natalino. De qualquer forma valeu pela intenção, mesmo que inocente, de Sholes. Sem dúvida "Silent Night" é um dos momentos mais belos de toda a carreira de Elvis, sua versão é belíssima e faz jus a este clássico natalino. É uma pérola de natal, sendo um dos pontos mais emocionantes de todo o disco. Sem dúvida um grande momento do Rei.

PEACE IN THE VALLEY (Thomas A Dorsey) — Em Abril de 1957 Elvis lançou um compacto duplo contendo apenas músicas Gospel intitulado "Peace In The Valley". Era a primeira vez na carreira de Elvis em que ele dedicava todo um disco apenas para músicas religiosas. Assim Elvis se posicionava como um artista que não negaria suas origens, as suas raízes. O Gospel é parte fundamental na sua formação musical, o gênero musical por excelência na gênesis de sua própria musicalidade. O compacto foi bem sucedido em seu lançamento e de certa forma abriu portas para Elvis, pois desde essa época ele almejava o sonho de gravar um álbum inteiro apenas com suas canções religiosas preferidas, coisa que faria em 1960 com "His Hand In Mine". Como "Elvis Christmas Album" só possuía oito canções, o Coronel Parker resolveu incluir todas as músicas do projeto "Peace In The Valley" para completar cronologicamente o LP. E assim foi feito. Esta é a canção que deu título ao compacto e foi lançada originalmente em 1937 por Mahalia Jackson. Outra famosa versão surgiria ainda em 1951 com o cantor Red Foley. Foi essa versão aliás, uma das preferidas de Elvis, que o fez gravá-la novamente em estúdio. O cantor inclusive fez questão de apresentá-la ao vivo na televisão americana durante os anos 50 no programa de Ed Sullivan.

I BELIEVE (Drake / Graham / Shirl / Stillman) — A segunda música presente no disco que fez parte de "Peace In The Valley" (EPA 4054). Extremamente emocional para Elvis, a música ganha em grandiosidade e emoção, principalmente porque notamos nitidamente como ele se entregava completamente, de corpo e espírito, a esse sentimento religioso. Música Gospel sempre teve um significado muito grande para Elvis, provavelmente foi o primeiro tipo de canção que ele ouviu, nos cultos da assembléia de Deus, do qual fazia parte. Tinha um carinho especial por elas tendo gravado três discos exclusivamente com este gênero musical no decorrer de sua carreira: "His Hand in Mine" em 1960, "How Great Thou Art" em 1967 e "He Touched Me" em 1972. Curiosamente todos os prêmios Grammy da carreira de Elvis Presley lhes foram dados por trabalhos religiosos!

TAKE MY HAND PRECIOUS LORD (Thomas A Dorsey) — Outra que faz parte de "Peace In The Valley". "Take My Hand Precious Lord" foi particularmente complicada de finalizar. Depois de várias tentativas Elvis se deu por satisfeito e após ouvir todos os takes da sessão escolheu a que melhor lhe agradava. Mas intimamente, como confidenciou a Scotty Moore, não ficou muito certo sobre a escolha. Isso demonstra como Elvis trabalhava fixamente sobre uma canção até achar a versão definitiva. Estas quatro canções incluídas em "Peace In The Valley" foram a materialização de um dos sonhos de infância de Elvis, pois desde de criança ele almejava ser cantor de músicas religiosas. Mas de sua infância Elvis também trouxe outra ambição, essa bem menos, digamos, sacra. Na infância, ao mesmo tempo em que sonhava brilhar no mundo gospel americano, Elvis guardava também outra ambição: ser patrulheiro rodoviário! Aliás ao longo dos anos ele alimentou esses dois sonhos, o primeiro ao cantar várias canções religiosas em seus discos e o segundo colecionando uma quantidade incrível de insígnias policiais.

IT IS NO SECRET (Stuart Hamblem) — A última canção do LP é outra que também foi retirada de "Peace In The valley". A versão original foi lançada em 1950 pelo grupo Bill Kenney of the Ink Spots & The Song Spinners. A versão de Elvis Presley foi gravada no dia 19 de janeiro de 1957 em Hollywood. Estas músicas, apesar de serem resultado de um trabalho diferente de Elvis se encaixaram bem dentro do disco principalmente pelo conteúdo de suas letras. Um ótimo desfecho para o disco que se transformou em um dos mais reeditados da carreira de Elvis. Só nos EUA estima-se que "Elvis Christmas Album" foi relançado mais de 30 vezes ao longo dos anos, um recorde até mesmo para Elvis Presley, um dos artistas mais relançados da história da música mundial! Não é por menos que esse também é um dos discos mais vendidos de sua carreira.

Elvis Christmas Album (1957) - Elvis Presley (voz e violão) / Scotty Moore (guitarra) / Bill Black (baixo) / D.J.Fontana (bateria) / Dudley Brooks (piano) / Millie Kirkham (vocais) / Jordanaires (acompanhamento vocal) / Produzido por Steve Sholes / Arranjado por Elvis Presley e Steve Sholes / Gravado nos estúdios Radio Recorders - Hollywood / Data de Gravação: 05 a 07 de setembro de 1957 / Data de Lançamento: novembro de 1957 / Melhor posição nas charts: #1 (EUA) # - (UK). "Peace In The Valley" - Elvis Presley (voz e violão) / Scotty Moore (guitarra) / Bill Black (baixo) / D.J.Fontana (bateria) / Gordon Stoker (piano) / Dudley Brooks (piano) / Hoyt Hawkins (órgão) / Jordanaires (acompanhamento vocal) / Produzido por Steve Sholes / Arranjado por Elvis Presley e Steve Sholes / Gravado nos estúdios Radio Recorders - Hollywood / Data de Gravação: 12 a 13 de janeiro de 1957 e 19 de janeiro de 1957 / Data de Lançamento: abril de 1957 / Melhor posição nas charts: #39 (EUA) # - (UK).

Pablo Aluísio.

1 comentários:

  1. Avaliação:
    Produção: ★★★★
    Arranjos: ★★★★
    Letras: ★★★★
    Direção de Arte: ★★★
    Cotação Geral: ★★★
    Nota Geral: 8,8

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir

Postagem em destaque

Elvis News - Elvis: A Life In Music / Um Grammy para Jailhouse Rock / Novos CDs / Robbie Williams e Elvis

Elvis: A Life In Music - Está sendo lançado em países de língua alemã o famoso livro escrito por Ernst Jorgensen intitulado "Elvis: ...

Pesquisar este blog

 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates