sábado, 30 de junho de 2012

Album - Elvis Presley

ELVIS PRESLEY (1956)
BLUE SUEDE SHOES
I'M COUNTING ON YOU
I GOT A WOMAN
ONE-SIDED LOVE AFFAIR
I LOVE YOU BECAUSE
JUST BECAUSE
TUTTI FRUTTI
TRYIN' TO GET TO YOU
I'M GONNA SIT RIGHT DOWN AND CRY (OVER YOU)
I'LL NEVER LET YOU GO (LITTLE DARLIN')
BLUE MOON
MONEY HONEY

Singles extraídos deste disco:
Blue Suede Shoes / Tutti Frutti (1956)
I Got a Woman / I'm Counting On You (1956)
I'll Never Let You Go / I'm Gonna Sit Right Down and Cry (1956)
I Love You Because / Trying to Get You (1956)
Just Because / Blue Moon (1956)
Money Honey / One-Sided Love Affair (1956)








Compactos Duplos extraídos deste disco:
Elvis Presley (Blue Suede Shoes / Tutti Frutti / I Got a Woman / Just Because)
Elvis Presley (Blue Suede Shoes / I Got a Woman / I'm Gonna Sit Right Down and Cry / I'll Never Let You Go / I Got a Woman / One-Sided Love Affair / Tutti Frutti / Trying to Get You )

Ficha Técnica: Músicas da Sun Records - Elvis Presley (vocal e violão) / Scotty Moore (guitarra) / Bill Black (baixo) / Produzido Por Sam Phillips / Arranjado por Elvis Presley, Scotty Moore, Bill Black e Sam Phillips / Gravado no Sun Studios, Memphis / Data de gravação: 5 de julho de 1954, 19 de agosto de 1954, 10 de setembro de 1954 e 11 de julho de 1955. Músicas da RCA Victor - Elvis Presley (vocal, violão e piano) / Scotty Moore (guitarra) / Chet Atkins (guitarra) / Bill Black (baixo) / D.J. Fontana (bateria) / Floyd Cramer (piano) / Short Long (piano) / Gordon Stocker, Ben e Brock Speer (acompanhamento vocal) / Produzido por Steve Sholes / Arranjado por Elvis Presley e Steve Sholes / Gravado nos RCA Studios - Nova Iorque e Nashville / Data de Gravação: 10,11,30 e 31 de janeiro e 3 de fevereiro de 1956 / Data de Lançamento: março de 1956 / Melhor posição nas charts: #1 (EUA) e #1 (UK).

Letras - Elvis Presley

"Blue Suede Shoes" (Carl Perkins) - Well, it's one for the money / Two for the show, / Three to get ready, / Now go, cat, go / But don't you step on my blue suede shoes. / You can do anything but lay off of my Blue suede shoes / Well, you can knock me down / Step in my face / Slander my name / All over the place / Do anything that you want to do, but uh-uh / Honey, lay off of my shoes / Don't you step on my Blue suede shoes / You can do anything but lay off of my blue suede shoes / Let's Go Cat! You can burn my house / Steal my car / Drink my liquor / From an old fruitjar / Do anything that you want to do, but uh-uh / Honey, lay off of my shoes / Don't you step on my blue suede shoes / You can do anything but lay off of my blue suede shoes, Rock! Yeah! / Well, it's one for the money / Two for the show, / Three to get ready, / Now go, go, go / But don't you step on my blue suede shoes / You can do anything but lay off of my blue suede shoes / Blue, Blue, Blue, Blues suede Shoes, / Blue, Blue, Blue, Blues suede Shoes, Yeah! / Blue, Blue, Blue, Blues suede Shoes, Baby! / Blue, Blue, Blue, Blues suede Shoes / You can do anything but lay off of my blue suede shoes! / (BMI) 1:58 - Data de gravação: 30 de janeiro de 1956 - Local: RCA Studios, Nova Iorque.

"I'm Counting On You" (Don Robertson) - All the words that I let her know / Still could not say / How much I need you so in every way / I hope you will guide me / As only you can do / Hold my hands down beside me / I'm counting on you / I'm counting on you dear / From the dawn of each day / To always come through dear / In your kind lovin' way / If you knew just how deeply / I feel things you do / Then you know how completely / I'm counting on you / I'm counting on you dear / Around the dawn of each day / To always come true, dear / In your kind lovin' way / If you knew just how deeply / I feel things you do / Then you know how completely / I'm counting on you / (ASCAP) 2:21 - Data de gravação: 11 de janeiro de 1956 - Local: RCA Studios, Nashville.

"I Got a Woman" (Ray Charles) - Well, I've got a woman / Way cross town / She's good to me oh, yeah / Say. I've got a woman / Way cross town / She's good to me oh, yeah / She's here in the morning, / loving me / Yeah, she's a kind of friend to me / I've got a woman / Way cross town / She's good to me oh, yeah / She says she love me early in the morning / Just for me, oh Yeah / She says she love me early in the morning / Just for me / Oh, yeah you know she loves me, Yeah, You, for me / Oh, tenderly / I've got a woman / Way cross town / She's good to me oh, yeah / She's there to love me both day and night / No groans or fusses, treats me right / Never running in the street / Loving me alone / She knows a woman's place is around home at night / I've got a woman / Way cross town / She's good to me oh, yeah / I've got a woman / Way cross town / She's good to me oh, yeah / Well, she's my baby / And Understanding, I'm her loving man / Well, I've got a woman / Way cross town / She's good to me oh, yeah / It's All Right / That's All Right, all right / I've got a woman / Way cross town / She's good to me oh, yeah / (BMI) 2:22 - Data de gravação: 10 de janeiro de 1956 - Local: RCA Studios, Nashville.

"One-sided Love Affair" (Bill Campbell) - If you want to be loved, / Baby, you've got to love me, too. / If you want to be loved, / Baby, you've got to love me, too. / Oh yeah, 'cause I ain't for no one-sided love affair. / If you wanna be kissed, / Well, you've gotta kiss me, too. / Oh yeah, if you wanna be kissed, / Well, you gotta kiss me, too. / 'Cause I ain't for no one-sided love affair. / Well, fair exchange bears no robbery, / And the whole world will know that it's true. / Understanding solves all problems, baby, / That's why I'm telling you / If you wanna be hugged, / Well, you gotta hug me, too. / Oh yeah, if you wanna be hugged, / Well, you've gotta hug me, too. / Yeah, 'cause I ain't for no one-sided love affair. / If you know you can't take it, / Baby, why try to give it? / If you know you can't take it, / Then baby, why try to give it? / 'Cause I ain't for no one-sided love affair. / Well, fair exchange bears no robbery, / And the whole world will know that it's true. / Understanding solves all problems, baby, / That's why I'm telling you / If you wanna be hugged, / Well, you gotta hug me, too. / Oh yeah, if you wanna be hugged, / Baby, you gotta hug me, too. / 'Cause I ain't for no one-sided love affair. / 'Cause I ain't for no one-sided love affair. / 'Cause I ain't for no one-sided love affair. / (BMI) 2:10 - Data de gravação: 30 de janeiro de 1956 - Local: RCA Studios, Nova Iorque.

"I love you because" (L. Payne) - I love you because you understand dear / Every single thing I try to do. / You're always there to lend a helping hand, dear. / I love you most of all because you're you. / No matter what the world may say about me, / I know your love will always see me through. / I love you for the way you never doubt me. / But most of all I love you 'cause you're you. / No matter what may be the style or season, / I know your heart will always be true. / I love you for a hundred thousand reasons, / But most of all I love you 'cause you're you. / (BMI) 2:39 - Data de gravação: 05 de julho de 1954 - Local: Sun Studios, Memphis.

"Just because" (B. Shelton - J. Shelton - S. Robin) - Well, well, well, / Just because you think you're so pretty, / And just because your momma thinks you're hot, / Well, just because you think you've got something / That no other girl has got, / You've caused me to spend all my money. / You laughed and called me old Santa Claus. / Well, I'm telling you, / Baby, I'm through with you. / Because, well well, just because. / Well, well, well, / There'll come a time when you'll be lonesome / And there'll come a time when you'll be blue. / Well, there'll come a time when old Santa / He won't pay your bills for you. / You've caused me to lose all my women / And now, now you say we are through. / Well, I'm telling you / Baby, I was through with you / A long long time ago. / Well, just because you think you're so pretty / And just because your mama thinks you're the hottest thing in town / Well, just because you think you've got something / That nobody else has got, / You've caused me to spend all of my money. / Honey, you laughed and called me your old Santa Claus. / Well, I'm telling you I'm through with you / Because, well well, just because. / (ASCAP) 2:32 - Data de gravação: setembro de 1954 - Local: Sun Studios, Memphis.

"Tutti Frutti" (Dorothy LaBostrie - Richard Penniman - Joe Lubin) - Wop-bop-a-loom-a-boom-bam-boom! / tutti frutti au rutti tutti frutti au rutti / tutti frutti au rutti tutti frutti au rutti / tutti frutti au rutti / wop-bop-a-loom-bop-a-boom-bam-boom! / I Got a girl named Sue / She knows just what to do / I Got a girl named Sue / She knows just what to do / She rocks to the east / She rocks to the west / She's the girl I love best / tutti frutti au rutti tutti frutti au rutti / tutti frutti au rutti tutti frutti au rutti / tutti frutti au rutti / wop-bop-a-loom-bop-a-boom-bam-boom! / I got a girl named Daisy / She almost drives me crazy / I got a girl named Daisy / She almost drives me crazy / She knows how to love me / Yes indeed, boy you don't know / What she does to me / tutti frutti au rutti tutti frutti au rutti / tutti frutti au rutti tutti frutti au rutti / tutti frutti au rutti / wop-bop-a-loom-bop-a-boom-bam-boom! / tutti frutti au rutti tutti frutti au rutti / tutti frutti au rutti tutti frutti au rutti / tutti frutti au rutti / wop-bop-a-loom-bop-a-boom-bam-boom! I got a girl named Daisy / She almost drives me crazy / I got a girl named Daisy / She almost drives me crazy / She knows how to love me / Yes indeed, boy you don't know / What she does to me / tutti frutti au rutti tutti frutti au rutti / tutti frutti au rutti tutti frutti au rutti / tutti frutti / au rutti / wop-bop-a-loom-bop-a-boom-bam-boom! / (BMI) 1:57 - Data de gravação: 31 de janeiro de 1956 - Local: RCA Studios, Nova Iorque.

"Tryin'to Get To You" (C. Singleton - R.M. McCoy) - I've been traveling over miles / Even through the valleys, too / I've been traveling night and day / I've been running all the way / Baby, trying to get to you. / Ever since I read your letter / Where you said you loved me true / I've been traveling night and day / I've been running all the way / baby, trying to get to you / When I read your loving letter / Then my heart began to sing / There were many miles between us, / But they didn't mean a thing. / I just had to reach you, baby, / In spite of all that I've been through. / I kept traveling night and day, / I kept running all the way, / Baby, trying to get to you. / Well if I had to do it over / That's exactly what I'd do, / I would travel night and day, / And I'd still run all the way, / Baby, trying to get to you. / Well, there's nothing that could hold me / Or that could keep me away from you / When your loving letter told me / That you really loved me true / Lord above me knows I love you / It was He who brought me through, / When my way was darkest night, / He would shine His brightest light, / When I was trying to get to you. / (BMI) 2:31 - Data de gravação: 11 de julho de 1955 - Local: Sun Records, Memphis.

"I'm Gonna Sit Right Down and Cry (Over You)" (J. Thomas - H. Biggs) - I'm gonna sit right down and cry over you / I'm gonna sit right down and cry over you / And if you say good-bye / If you ever even try / I'm gonna sit right down and cry over you / I'm gonna love you more and more every day / I'm gonna love you more and more in every way / And if you say good-bye / If you ever even try / I'm gonna sit right down and cry over you / I'm gonna tell my mama tell my papa too / So they'll know exactly what I'm gonna do / And if you say good-bye / Say if you ever even try / I'm gonna sit right down and cry over you / I'm gonna love you more and more every day / I'm gonna love you more and more in every way / And if you say good-bye / If you ever even try / I'm gonna sit right down and cry over you / I'm gonna sit right down and cry over you / I'm gonna tell my mama tell my papa too / So they'll know exactly what I'm gonna do / And if you say good-bye / Say if you ever even try / I'm gonna sit right down and cry over you / I'm gonna sit right down and cry over you / I'm gonna sit right down and cry over you / I'm gonna sit right down and cry over you / (BMI) 2:01 - Data de gravação: 31 de janeiro de 1956 - Local: RCA Victor, Nova Iorque.

"I'll Never Let You Go (Little Darlin')" (J. Wakely) - I'll never let you go, little darlin'. / I'm so sorry 'cause I made you cry. / I'll never let you go, 'cause I love you. / So please don't ever say good-bye. / The stars would tumble down beside me, / The moon would hang its head and cry. / My arms would never hold another baby doll / If we should ever say good-bye. / Well, I'll never let you go, / Because I love you, pretty baby. / I'm so sorry 'cause I made you cry. / I made you cry. / Yeah, I'll never let you go, / 'Cause I love you, little baby. / So please don't ever say good-bye. / (BMI) 2:21 - Data de gravação: 10 de setembro de 1954 - Local: Sun Records, Memphis.

"Blue Moon" (R. Rodgers / L. Hart) - Blue moon, / You saw me standing alone, / Without a dream in my heart, / Without a love of my own. / Blue moon, / You knew just what I was there for. / You heard me saying a pray for / Someone I really could care for. / Without a love of my own. / Blue moon, / You saw me standing alone, / Without a dream in my heart, / Without a love of my own. / Blue moon... / Without a love of my own. / Blue moon... / Without a love of my own. / (ASCAP) 2:39 - Data de gravação: 19 de agosto de 1954 - Local: Sun Studios, Memphis.

"Money Honey" (J. Stone) - You know, the landlord rang my front door bell. / I let it ring for a long, long spell. / I went to the window, / I peeped through the blind, / And asked him to tell me what's on his mind. / He said, / Money, honey, uh, uh. / Money, honey. / Money, honey, if you want to get along with me. / Well, I screamed and I hollered, / I was so hard-pressed. / I called the woman that I loved the best. / I finally got my baby about half past three, / She said I'd like to know what you want with me. / I said, / Money, honey, uh, uh. / Money, honey. / Money, honey, / If you want to get along with me. / Well, I said tell me baby, what's wrong with you? / From this day on our romance is through / I said, tell me baby, face to face / How could another man take my place? / She said, / Money, honey, uh, uh. / Money, honey. / Money, honey, / If you want to get a long with me. / Well, I've learned my lesson and now I know / The sun may shine and the winds may blow. / The women may come and the women may go, / But before I say I love you so, / I want / Money, honey, uh, uh. / Money, honey. / Money, honey, / If you want to get along with me. / (ASCAP) 2:32 - Data de gravação: 10 de janeiro de 1956 - Local: RCA Studios, Nashville.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Uma mensagem de Elvis Presley!

O texto que segue foi escrito pelo próprio Elvis Presley em um material de divulgação da RCA Victor. Era uma forma de apresentar o novo cantor e responder perguntas recorrentes das fãs na época.

"Olá! Sou Elvis Presley.

Acho que a primeira coisa que as pessoas querem saber é porque não consigo ficar parado quando estou cantando. Algumas pessoas batem os pés, outros estalam os dedos e outras simplesmente se movimentam para frente e para trás. Eu apenas comecei a fazer todas estas coisas ao mesmo tempo, creio. Cantar Rhythm and Blues realmente mexe com a gente. Eu observo meu público e o escuto. Sei que todos estamos sentindo algo que vem de fora de nosso ser, mas nenhum de nós sabe o que é. O importante é que voltamos ao normal e ninguém se machuca. Em muitas das cartas que recebo, as pessoas fazem perguntas sobre o tipo de coisas que faço e questões do tipo. Bem, eu não fumo e não bebo e gosto de ir ao cinema. Talvez algum dia eu tenha minha própria casa e família e não vou fugir disso. Eu sou filho único mas talvez meus filhos no futuro não o sejam. Suponho que este tipo de assunto levante outra questão: Estou apaixonado? Não, eu achei que estava, mas creio agora que não. Tudo passou. Creio que ainda não conheci a garota para isso, porém a vou encontrar e espero que não demore muito, porque às vezes me sinto solitário. Sinto-me solitário bem no meio de uma multidão. Acredito que com essa garota, seja ela quem for, não estarei solitário nunca mais.

Bem, obrigado por deixar-me falar a vocês sobre coisas que há muito gostaria de conversar. Quero agradecer a todos os meus fiéis fãs que assistem aos meus shows e que de alguma forma tornam-se meus amigos. Fico muito contente por saber que vocês têm ouvido meus discos da RCA Victor e quero agradecer aos Disk Jockeys por tocá-los. Tenho medo de acordar de manhã. Não acredito que tudo isso tenha acontecido a mim. Só espero que isso possa durar e que não seja um sonho. Obrigado a todos os meus fãs jovens e fiéis. Sabe, há duas semanas atrás eu dirigia um caminhão por trinta e cinco dólares semanais em Memphis, no Tennessee, sendo que antes disso eu cheguei a trabalhar por catorze dólares por semana como lanterninha de cinema. Então, um dia meu pai me deu um violão. Muito embora eu não distinguisse um Dó de um Ré, com esforço aprendi a tocar sozinho. Minha carreira como cantor começou acidentalmente. Eu fui a uma gravadora para fazer um disco para dar de presente à minha mãe, somente para surpreendê-la. Uns caras ali me ouviram cantar e disseram que eu deveria procurá-los algum dia. Então eu fiz isso... um ano e meio mais tarde!

Muitas pessoas me perguntam onde adquiri meu estilo de cantar. Bem, eu não copiei meu estilo de ninguém. Não tenho nada em comum com Johnny Ray, exceto o fato de que ambos cantamos - se é que se pode chamar isso de cantar. Eu fico pulando e dançando porque é assim que me sinto. Não poderia cantar uma nota sequer parado. A garotada é realmente maravilhosa com o jeito como eles reagem ao meu estilo. Recebo cerca de dez mil cartas de fãs toda semana. Muitas pessoas por todo o país estão abrindo fãs clubs para mim, por isso agradeço de coração a todos. Certamente eu sou muito grato a todos eles e, em resposta a algumas das perguntas que recebo deles, aqui vão alguns dados sobre mim mesmo: Eu nasci em Tupelo, no Mississipi, no dia 08 de janeiro de 1935. Cresci e estudei em Memphis, que ainda é o meu lar. Nunca tive aulas de canto e a única prática que tive foi com uma vassoura, antes que meu pai comprasse o meu primeiro violão.

Tenho 1,82m de altura e peso 88 Kgs. Ganhei perto de dez quilos no ano passado. Não posso entender isso porque meu apetite já não é tão bom quanto antes. Não tenho tempo para refeições regulares, pois estou sempre viajando pelo país, trabalhando numa cidade diferente a cada dia. Normalmente tenho engolido um sanduíche rápido entre os shows, mas quando posso, gosto de um belo jantar com três pedações de carne de porco com muito molho e purê de batatas. Eu entendo que deve haver muitos boatos a meu respeito. Começo a pensar que há mais boatos do que fatos. Não tenho tido muito descanso ultimamente e minhas horas de sono tem diminuído terrivelmente. Quando muito consigo dormir realmente por duas ou três horas por noite. Bem, uma das coisas mais importantes para mim é a minha família. Minha mãe é a minha namorada mais querida. Comprei uma casa para ela e para meu pai em Memphis, onde espero que vivam por muito, muito tempo. Fiz meu pai aposentar-se alguns meses atrás. Não havia muito sentido em seu trabalho, pois eu posso ganhar em um dia mais do que ele em um ano. Também houve boatos de que iria me casar. Bem, eu não tenho planos para isso agora e não estou comprometido. Acho que ainda não encontrei a garota certa. Além dos discos e shows ao vivo, estou ansioso para fazer um filme. Fiz um teste, dois meses atrás, e assinei contrato com a Paramount Pictures. Devo fazer meu próprio filme até o final do ano! Por fim quero agradecer a Deus por tudo, por tudo mesmo. Na verdade, tudo está tão bem comigo que custo acreditar que não seja um sonho. Espero nunca acordar!"

Elvis A. Presley

terça-feira, 26 de junho de 2012

Elvis Presley e a RCA Victor

Elvis e Nipper! - Em 1958, em um dos seus mais ousados shows, o cantor Elvis Presley ao cantar um de seus maiores rocks, olhou para o lado e viu que no palco estava o cachorrinho símbolo de sua gravadora, a RCA Victor. O nome do mascote era Nipper e Elvis querendo fazer o maior show de sua vida agarrou o bonequinho e começou a rolar com ele no palco. Elvis levou as fãs e os presentes à loucura, as meninas gritavam, a força policial então teve que fazer muito esforço para o palco não ser invadido. Após rolar literalmente com Nipper por todo o palco Elvis levantou-se e sob o delírio do público se mandou para os camarins.

Nossa, aquilo foi chocante demais, no outro dia as noticias dos jornais eram sensacionalistas e estampavam em letras garrafais: "Elvis possui cachorro em pleno palco" ou "Elvis tem relações sexuais com boneco na frente de uma multidão". Pode parecer engraçado hoje, mas na época as coisas ficaram pretas, Elvis foi acusado de incentivar o libido de garotinhas e a delinquência juvenil, a policia disse que iria instalar câmeras de vídeo no palco para filmar as obscenidades, as autoridades religiosas clamavam que aquela era a música de satã e tudo mais.

E Elvis? Bem, ele ficou indignado e disse que não iria ceder as pressões, iria barbarizar no próximo show e foi o que fez. Logo ao entrar no palco Elvis virou-se para as câmeras e disse: "Vou ser um anjo esta noite. Se vocês acham que sou obsceno o problema é de vocês. Nada vai me impedir de fazer o maior show da história". E assim o fez.

Este foi um momento ímpar na carreira de Elvis e retrada bem o poder da gravadora de Elvis Presley, a RCA Victor e seu onipresente símbolo, o fofinho cachorrinho Nipper. Elvis logo depois foi servir as forças armadas americanas na Alemanha e o "caso Nipper" ficou para trás. Durante um bom tempo não se falou mais no "love affair" entre Elvis e o cachorrinho Nipper, símbolo máximo da RCA Victor. Esta é apenas uma história entre muitas outras que fizeram parte da longa trajetoria que a RCA percorreu neste 100 anos. Mas a história desta gravadora começou bem antes, em 1901...

A História da RCA Victor

Gravadora fundada em 1901, cujo catálogo reúne Elvis Presley, Duke Ellington, Foo Fighters e Christina Aguilera, sobreviveu ao tempo mas sofreu mudanças

Responda rápido: o que Elvis Presley, Arthur Rubinstein, Cesária Évora, Christina Aguilera, Duke Ellington, Foo Fighters e Sam Cooke têm em comum? Resposta: estão todos no catálogo da companhia discográfia RCA, que está celebrando seus 100 anos neste 2001. Em 1901, em Camden, New Jersey, foi criada a Victor Talking Machine Company numa associação entre o inventor do gramofone, Emile Berliner, e um dos inventores que desenvolveram a máquina, Eldridge R. Johnson.

O cachorrinho no gramofone, símbolo dos mais conhecidos no século passado, foi uma sacada de Berliner. Em visita a Londres, ele viu uma pintura de Francis Barraud chamada His Master´s Voice, que mostrava um fox terrier (o cachorro de Barraud, batizado de Nipper) ouvindo um fonógrafo. Berliner comprou a pintura e seus direitos por cem libras esterlinas, e pediu licença para usá-la como logomarca de sua companhia nos Estados Unidos.

Em 1904, a Victor Co. já conquistava seu primeiro milhão de discos vendidos com a ária Vesti la Giubba, da ópera Pagliacci, gravação feita por Enrico Caruso em 1904. Caruso tinha apenas 29 anos na época e assinara um contrato de 100 libras para fazer 10 discos. Tornava-se assim o primeiro astro globalizado da era da reprodução elétrica de sons. Desde então, a história da RCA Victor confunde-se com a história da música americana no século 20.

Eldridge Johnson vendeu sua companhia para um banco em 1926. Em 1929, os banqueiros revenderam a Victor para a Radio Corporation of America, de onde veio o batismo mais conhecido de RCA Victor, em 1930. A Depressão trouxe a crise financeira e os discos podiam ser comprados a 30 ou 50 centavos nos Estados Unidos. A empresa passou a fabricar rádios para sobreviver. Naquela época, o catálogo da RCA tinha artistas como Benny Goodman, Glenn Miller, Tommny Dorsey e Fats Waller.

Ao final da Segunda Guerra, acabou-se o fôlego das big bands e começou a era dos grandes crooners. O maior deles, claro, foi Frank Sinatra, mas ele tinha contrato com a Columbia Records. A RCA disseminou o estilo "Nashville sound" nos anos 40 e foi responsável pelos primeiros grandes astros daquela década, como o cantor Perry Como, morto essa semana aos 88 anos. Os anos 40 também foram pródigos em grandes negócios artísticos. O maior de todos, para a RCA, foi a compra do "passe" de Elvis Presley por US$ 40 mil, numa disputa com a Mercury Records.

Elvis era uma cria de Sam Philips e estava na Sun Records. Elvis Presley, em 1956, ficou 11 meses no topo da parada da Billboard. Foi o primeiro artista a suceder ele mesmo no topo das paradas, quando Love me Tender sucedeu Don´t be Cruel nos charts. Nos anos 60, a RCA teve John Denver e Peter, Paul & Mary. Nos anos 70, Daryl Hall & John Oates. Nos anos 80, Eurythmics e David Bowie. Nos anos 90, Foo Fighters e Dave Matthews.

Em 1986, a RCA Records foi comprada (pertencia então à General Electric) pelo gigante alemão Bertelsmann Music Group, a BMG, negócio que envolveu ainda os selos Arista e Ariola. Boa parte da história da música americana foi parar em Berlim, seguindo a lógica do capital globalizado dos dias atuais. "Se você olha para trás, vê Elvis Presley, o rei do rock´n´roll, e hoje você tem um dos maiores vendedores de discos que é a Dave Matthews Band", disse o presidente da BMG, Rolf Schmidt-Holtz, em entrevista à Billboard, explicando que a companhia se mantém atenta ao legado da RCA Victor.

"Tradição significa poder", ele diz. O fato é que o cast hoje tem preocupações mais comerciais. A BMG tem em seu catálogo boa parte dos ídolos adolescentes de plantão, como Christina Aguilera, Westlife, Five, ´N Sync, e o neorumbeiro alemão Lou Bega.

domingo, 24 de junho de 2012

Elvis Presley (1956)

Elvis Presley entrou no RCA Studios da cidade de Nashville no dia 10 de janeiro de 1956 para iniciar as gravações de suas primeiras músicas pela RCA Victor. Atrás de si deixava a pequena gravadora da Sun Records em Memphis e cinco singles que alcançaram um relativo sucesso no Sul dos Estados Unidos. Ninguém havia ouvido falar de Elvis Presley fora de sua região natal. Sua música e seu estilo ainda eram um mistério total para todos os envolvidos em sua contratação. Apesar da boa quantia paga pela RCA para a Sun pelo passe de Elvis, tudo naquele momento apontava apenas para uma aposta arriscada por parte dos executivos da grande gravadora americana. Elvis poderia fazer sucesso, mas também poderia fracassar totalmente caso não fosse aceito no norte e no oeste do país.

Acompanhado de seus músicos, considerados todos uns caipiras em Nova Iorque, Elvis iniciou naqueles dias uma nova era para a música jovem internacional. Um revolução musical sem precedentes na história, uma explosão que não deixou mais de se expandir e que causa repercussões até nos dias de hoje. Sem sombra de dúvida foi a partir deste ponto que começou a surgir o mito Elvis Presley. Foi a partir dessas músicas que o Rock'n'Roll começou sua escalada como o mais popular gênero musical de todos os tempos. Todas as vertentes, todas as tendências, todos os estilos musicais populares do século XX vieram de um só ponto, beberam de uma só fonte: O LP "Elvis Presley" de 1956. O disco ainda hoje é reverenciado por todos os grandes críticos de arte. Todos concordam que se trata de uma verdadeira obra prima, uma obra de arte. Mas na época, nem Elvis, nem seus músicos e nem o Coronel Parker tinham consciência disso. Tudo o que lhes importava era que o LP vendesse bem e pagasse os custos de sua produção. Se o disco fosse bem sucedido, já seria um alívio.

Ninguém sabia que estava mudando o mundo. Felizmente o disco foi um enorme sucesso de vendas atingindo rapidamente o topo da parada da revista Billboard. Além do sucesso do disco Elvis sabia que tinha que ter também um sucesso nacional, uma música que alavancasse sua recém nascida carreira. E o grande Hit de Elvis surgiu. "Heartbreak Hotel / I Was the One" foi a peça que faltava para consolidar o novo artista. Apesar de "Heartbreak Hotel" ter sido gravada nas mesmas sessões desse disco, ela não foi incluída entre as faixas por motivos comerciais, pois pela visão do Coronel Parker era melhor que quem comprasse o LP também adquirisse o single, que seria no final das contas uma ponta de lança para promover Elvis nas paradas.

O empresário do cantor já dava os primeiros sinais de sua forma de administrar a carreira de Elvis. O importante era extrair o máximo de lucro com o menor gasto possível. Isso se tornou bem claro quando o Coronel resolveu lançar as músicas do LP em diversos Extendeds Plays e Singles que também alcançaram sucesso, dando razão ao lema do velho empresário que sempre foi o de vender o mesmo produto duas vezes. "Elvis Presley" é na realidade uma mistura de antigas músicas de Elvis pela Sun como "Blue Moon" e "Just Because" com novas canções registradas nas três primeiras sessões de Elvis pela RCA Victor, uma realizada nos dias 10 e 11 de janeiro de 56 em Nashville, outra no final desse mesmo mês em Nova Iorque e finalmente uma terceira realizada em fevereiro de 56, só que dessa vez de volta em Nashville. Muitos anos depois Elvis confidenciou a um amigo que no momento que recebeu o disco pronto em suas mãos teve a certeza que havia conseguido atingir um de seus objetivos na vida, mal sabia ele o que estava por vir... O Disco "Elvis Presley" (LPM 1254) é composto pelas seguintes músicas:

BLUE SUEDE SHOES (Carl Perkins) - Clássico absoluto do rock americano escrito por Carl Perkins, cantor e compositor da Sun Records, que iria se tornar um dos maiores nomes da 1º geração de roqueiros americanos dos anos 50. Mesmo tendo alcançado grande sucesso na voz de seu autor, esta foi sem dúvida uma das músicas que se tornaram marca registrada de Elvis Presley. O Rei do Rock ao longo de sua carreira sempre foi apresentando novas versões para "Blue Suede Shoes" e quase sempre ela era incorporada aos seus shows ao vivo, aparecendo em vários discos de sucesso como "Aloha from Hawaii", e "From Memphis to Vegas / From Vegas to Memphis". Ele ainda a utilizaria em Hollywood, na trilha sonora de um de seus maiores sucessos no cinema: G.I. Blues (saudades de um pracinha, no Brasil). Essa nova versão era bem mais arranjada que a original, mas não tinha seu pique! Nos anos 70 e em seus shows na cidade de Las Vegas, "Blue Suede Shoes" entraria rotineiramente nos repertórios fixos do cantor em suas apresentações. A primeira versão de "Blue Suede Shoes", que está presente nesse álbum, foi gravada nos estúdios da RCA Victor em Nova Iorque no dia 30 de janeiro de 1956, poucos dias depois de Elvis completar 21 anos de idade. Apesar de possuir um arranjo bem mais simples que as versões posteriores, esta é a que melhor sintetiza o momento do surgimento do Rock'n'Roll nos Estados Unidos. A letra é clara: "Faça de tudo mas não pise nos meus sapatos de camurça azul". Em resumo: um verdadeiro hino da nação Rockabilly.

I'M COUNTING ON YOU (Don Robertson) - Gravada em 11 de janeiro de 1956 nos estúdios da RCA de Nashville contando com a participação de Chet Atkins na guitarra e Floyd Cramer no piano, além do apoio vocal de Gordon Stocker, Ben Speer e Brock Speer. Pode ser considerada uma música menor dentro do vasto repertório de Elvis Presley, porém como faz parte da clássica primeira sessão do Rei do Rock na RCA, tem seu valor histórico incontestável.

I GOT A WOMAN (Ray Charles) - Outra música que entrou em definitivo no repertório do Rei nos anos cinqüenta e setenta, sendo muitas vezes usada de introdução de seus shows logo após "Also Spratch Zarathustra" de Richard Strauss. Deve-se sua criação a Ray Charles que colocou uma letra pop sobre o ritmo de uma música religiosa chamada "My Jesus is all the world to me". Esta música trouxe problemas para Elvis pois seu título (Eu consegui uma Mulher) foi considerado ofensivo pela rígida sociedade americana da época. Elvis era considerado um incentivador da delinqüência juvenil pelos moralistas por sua dança e sua música e é claro que eles não iriam deixar passar esta oportunidade para mais uma vez atacá-lo. Foi gravada em 10 de janeiro de 1956 e é a primeira música gravada por Elvis nos estúdios da RCA Victor. Foi lançado num single junto com "I'm Counting on you" em agosto de 1956.

ONE-SIDED LOVE AFFAIR (Campbell) - Brilhante interpretação de Elvis em que seu estilo peculiar de pronunciar as palavras foi levado ao mais alto grau. Destaque também na preciosa colaboração de Short Long que leva a harmonia da música em seu piano. Típica música embalante dos primeiros discos de Elvis com letra igualmente saborosa. Sem dúvida um dos pontos altos do disco. Foi gravada no dia 30 de janeiro de 1956 nos estúdios de Nova Iorque.

I LOVE YOU BECAUSE (Leon Payne) - Música gravada por Elvis nos estúdios da Sun Records em 5 de agosto de 1954 naquela que foi a primeira sessão de gravação de sua vida. Nesta oportunidade Elvis gravaria ainda "That's All Right (Mamma)" e "Blue Moon of Kentucky", que seriam as primeiras músicas do cantor lançadas comercialmente. É uma balada romântica com uma letra simples porém significativa, em que participam somente os Blue Moon Boys (como Elvis, Bill Black e Scotty Moore se auto denominavam). Os solos de guitarra são de Scotty e o assobio no começo da música foi feito pelo próprio Elvis. Para especialistas como Peter Guralnick são músicas como esta que colocaram Elvis na história.

JUST BECAUSE (BJ Snelton / S.Robin) - Também gravada na Sun Records em setembro de 1954. Traz novamente o pequeno trio de caipiras do sul dos Estados Unidos mandando ver numa espécie de mistura de country e skiffle. Elvis parece bem a vontade pois sem dúvida este tipo de música era o som que rolava em Memphis quando ele era apenas um adolescente. Possui todas as características das músicas de Elvis gravadas na minúscula gravadora de Sam Phillips, ou seja, poucos recursos técnicos mas muita imaginação.

TUTTI FRUTTI (Joe Lubin / Richard Penniman / Dorothy LaBostrie) - Quem não conhece o refrão que caracteriza esta canção? Uma das mais conhecidas e famosas de toda a história do Rock'n'Roll. É aquele tipo de som que fica tão cristalizado na mente do público que se torna símbolo de toda uma era. Originalmente gravada por Little Richard, logo se tornou um sucesso instantâneo invadindo as paradas dos Estados Unidos de forma absoluta. A versão com Elvis foi gravada no dia 31 de janeiro de 1956 nos estúdios da RCA em Nova Iorque. Elvis poderia Ter caído na mesma armadilha de todos aqueles que interpretaram as músicas de Richard, que possuía um timbre de voz único, inimitável, porém o cantor optou por imprimir seu próprio estilo na música, tornando sua versão bem diferente da de Penniman. Elvis apresentou esta música em um programa na TV americana nos anos 50. Como curiosidade a filha de Elvis, Lisa Marie, declarou numa entrevista ser esta a sua música preferida dentre todas as outras que o rei do rock gravou.

TRYIN'TO GET TO YOU (Charles Singleton / Rose Marie McCoy) - Gravada em 11 de julho de 1955 nos estúdios Sun em Memphis, Tennessee. Aqui Elvis exercita seu poderio vocal numa balada romântica característica do Sul dos Estados Unidos. Esta sem dúvida era uma de suas prediletas pois mesmo sendo ele o Rei do Rock'n'Roll não dispensava uma balada melódica como essa. Pode-se encontrá-la em discos ao vivo gravados durante os anos 70, porém a melhor versão sem dúvida é essa: simples e direta passando o sentimento dominante da época.

I'M GONNA SIT RIGHT DOWN AND CRY (Over You) (Joe Thomas/Howard Biggs) - Ritmo perfeito e interpretação brilhante de Elvis caracterizam esta música, sendo considerada uma das mais alegres e alto astral do disco. Os Beatles fizeram um cover muito bem arranjado desta canção no período em que mantinham um programa radiofônico na BBC, a versão em questão está presente no CD "The Beatles Live in BBC". Sem dúvida Elvis atinge uma perfeita sintonia com seus músicos nesta canção gravada no dia 31 de janeiro de 1956. Posteriormente foi lançada como lado B de um single com "I'll Never let go (Little Darling)".

I'LL NEVER LET YOU GO (Little Darlin') (Jimmy Wakely) - 10 de setembro de 1954 foi a data em que esta "Love Song" foi gravada nos estúdios da Sun Records. O fato engraçado da inclusão das músicas da Sun neste LP foi que a RCA não informou aos consumidores onde e quando elas haviam sido gravadas levando muitos a pensar que Elvis estava voltando ás origens. Nessa música atuaram apenas Elvis, Scotty (que sola durante toda a faixa) e fazendo uma sutil linha de baixo, Bill Black. Nessa época Elvis ainda não contava com um baterista fixo em sua banda. Na sala de edição apenas Sam Phillips

BLUE MOON (Richards Rodgers / Lorenz Hart) - Outro clássico do repertório do cantor em que sua interpretação acrescenta algo de novo na música. Acontece que bem no meio da gravação desta linda balada Elvis esqueceu completamente a letra e no seu lugar colocou sua voz em harmonia, como se estivesse lamentando a perda da mulher amada. Sam Phillips achou genial e resolveu seguir em frente, resultando numa versão belíssima. Somente muitos anos depois Elvis explicou porque havia mudado "Blue Moon" de forma tão radical. Este tipo de comportamento acabou se tornando padrão nos seus anos de Sun Records, pois ele pegava uma música original e a mudava completamente de acordo com sua vontade, por isso ao se ouvir algumas versões originais de músicas gravadas por Elvis, tem-se a sensação de se estar ouvindo outra canção diferente. "Blue Moon" fez parte também de um single como lado B da música "Just Because", lançado em agosto de 1956.

MONEY HONEY (Jesse Stone) - Elvis Presley fecha seu primeiro LP com este Rock'n'Roll. Com estrutura rítmica bem característica e uma perfeita combinação de guitarra e bateria Elvis nos proporciona seu último grande momento do disco. Esta é sem dúvida uma boa apoteose para o LP pois todos os elementos mais significativos do início do ritmo estão presentes aqui. Letra maliciosa e ritmo cortante fecham a cortina deste grande marco da história da música pop mundial.

Ficha Técnica: Músicas da Sun Records - Elvis Presley (vocal e violão) / Scotty Moore (guitarra) / Bill Black (baixo) / Produzido Por Sam Phillips / Arranjado por Elvis Presley, Scotty Moore, Bill Black e Sam Phillips / Gravado no Sun Studios, Memphis / Data de gravação: 5 de julho de 1954, 19 de agosto de 1954, 10 de setembro de 1954 e 11 de julho de 1955. Músicas da RCA Victor - Elvis Presley (vocal, violão e piano) / Scotty Moore (guitarra) / Chet Atkins (guitarra) / Bill Black (baixo) / D.J. Fontana (bateria) / Floyd Cramer (piano) / Short Long (piano) / Gordon Stocker, Ben e Brock Speer (acompanhamento vocal) / Produzido por Steve Sholes / Arranjado por Elvis Presley e Steve Sholes / Gravado nos RCA Studios - Nova Iorque e Nashville / Data de Gravação: 10,11,30 e 31 de janeiro e 3 de fevereiro de 1956 / Data de Lançamento: março de 1956 / Melhor posição nas charts: #1 (EUA) e #1 (UK).

Texto escrito por PABLO ALUÍSIO - Junho de 1999 / revisado e atualizado em novembro de 2001 / Reescrito em agosto de 2005.

sábado, 23 de junho de 2012

RCA Victor Studios

Em novembro de 1955 Elvis Presley foi contratado pela RCA Victor. Por essa época Elvis também assinou uma parceria com o empresário Coronel Tom Parker. Elvis fechou com a RCA por 35 mil dólares, a maior quantia paga a um artista solo até então. Com o dinheiro da venda, Sam Phillips, dono da Sun Records, conseguiu reformar sua pequena gravadora e investir em outros talentos. Então, em uma manhã ensolarada de segunda feira, 10 de janeiro de 1956, Elvis entrou em seu cadillac roxo novinho, juntou-se aos rapazes de sua banda e viajaram até Nashville nos estúdios pertencentes à RCA. Quando chegaram tiveram uma grande surpresa. Na realidade os estúdios eram de propriedade da Igreja Metodista do Tennessee, localizado nos fundos de uma antiga igreja protestante. Eles até ficaram em dúvida se aquele era o endereço correto. Mas eles não erraram de lugar, o estúdio ficava ali mesmo. A RCA havia alugado o local porque ele era muito apreciado por causa de sua acústica impecável. Elvis sentiu-se um pouco deslocado, ao contrário do pequenino local de gravação da Sun, ele agora se deparava com um grande espaço aberto, em um local que na realidade não se parecia com um estúdio de gravação, mas sim com uma sacristia! Imagine gravar Rock'n'Roll em um lugar desses, em solo sagrado! Elvis resolveu então juntar o pessoal da banda, ao invés de espalhá-los pelo recinto. Assim todos ficaram agrupados em um canto do estúdio com Elvis cantando de frente para a banda e com o pessoal de apoio vocal ao seu lado. Para essa sessão foram recrutados outros músicos importantes como o pianista Floyd Cramer, que já tinha topado com Elvis pelas estradas e Gordon Stocker, que depois iria trazer seu próprio grupo (os Jordanaires) para acompanhar Elvis em gravações futuras. Para completar o grupo a RCA trouxe dois vocalistas Gospel, os irmãos Ben e Brock Speer. Elvis trouxe consigo sua turma: Scotty Moore e Bill Black. O baterista D.J. Fontana foi o último a chegar, sendo contratado em cima da hora pela direção da gravadora.

Assim Elvis viu-se cercado por uma equipe de quase dez músicos. Para quem era acostumado a tocar com dois, foi um avanço grande. Depois Elvis foi apresentado ao seu novo produtor, Steve Sholes. Ao contrário de Sam, que sempre trazia contribuições para os takes, Sholes não era de dar opiniões no som da banda. Simplesmente ficava na sala de controle providenciando os aspectos técnicos da mesa de gravação. Logo Elvis percebeu que iria ter que se virar sozinho com seu grupo. Presley também ficou surpreso ao saber que havia três violões e uma guitarra exclusivamente à sua disposição. Sem saber disso o futuro Rei do Rock tinha até trazido seu baleado instrumento para as gravações. Resolveu usar ele mesmo, pois o velho camarada de estrada já estava afinado em sua afinação preferida. Depois de se acomodar o grupo se preparou para as gravações. Sholes, da cabine de controle, perguntou a Elvis qual seria a primeira música a ser gravada. Elvis então deu uma olhada na lista das músicas e começou a riscar no papel as que ele pretendia iniciar nesse sessão de estréia. Uma logo lhe chamou atenção: "I Got a Woman". Seria melhor começar com ela pois eles já a estavam tocando nos shows e a banda estava entrosada. Assim Elvis e os caras da banda chegaram a conclusão que era melhor começar por ela mesmo. Instrumentos ligados, todo mundo preparado começou as gravações, mas... A verdade era que as primeiras sessões não foram lá essas coisas. Os músicos ainda eram inexperientes. Era a primeira gravação deles fora da Sun Records e a primeira vez que tocavam com os outros músicos contratados pela RCA. Steve Sholes também não começou bem seu relacionamento com Elvis, não soube lidar muito bem com o estilo de trabalho de Presley. Elvis, por sua vez, não gostava muito da seriedade que estava reinando no estúdio naquele momento. Ele gostava de gravar em ambientes mais descontraídos e não sentindo toda a pressão dos caras da RCA. O som não foi dos melhores.

Apesar das dificuldades, pouco após às duas horas da tarde daquele dia, Elvis foi ao microfone mais uma vez para tentar o take certo de "I Got a Woman". Sob pressão e sob um calor infernal que fazia dentro dos estúdios, Elvis simplesmente arrasou! Fez uma perfomance inacreditável. Logo Sholes viu que aquele era o take definitivo, o ideal. Assim naquela tarde, depois de algumas tentativas, Elvis conseguiu gravar sua primeira canção na RCA Victor. Usava calças negras com uma faixa azul nas laterais e dançava como se estivesse fazendo um show para uma enorme platéia. Todos os caras da RCA ficaram impressionados. Sholes, já naquela época um senhor de mais de 50 anos, achou estranho, mas resolveu não falar nada. Ele nunca tinha ouvido ou visto aquele estilo musical em todos os seus anos de profissão. Nem podia, Elvis estava inventando naquele estúdio um novo idioma musical. Então Elvis se preparou para a hora da verdade. Ele queria gravar "Heartbreak Hotel", de sua autoria junto com Mae Axton e Tommy Durden. Sholes achou a canção muito "estranha" pois a letra foi inspirada em um recorte de jornal que falava do suicídio de um homem, que teria escrito em seu bilhete de despedida a frase "Eu caminho em um rua solitária". Steve disse a Elvis que a achava muito mórbida, Elvis sorriu e respondeu que gostava dela e que a achava "legal". - "Então ok!" - respondeu o cansado produtor, naquela altura louco para voltar para casa. Ele havia achado Elvis "um garoto meio estranho com roupas esquisitas que canta umas músicas estridentes" como diria mais tarde a esposa de Sholes a um jornal de Nova Iorque. Só faltava essa: o primeiro produtor de Elvis na RCA era um velhusco ultrapassado. Mas sabia fazer seu trabalho. Para conseguir o feito do eco, que Sholes considerava um ingrediente essencial da Sun Records, ele colocou um alto falante embaixo da escada , no hall, criando um som um tanto cavernoso, que se tornaria a marca registrada dessa música. Para encerrar o dia Elvis e banda detonaram em um rock clássico, "Money Honey".

Exausto, depois de tocar o dia inteiro, Elvis deitou-se em cima de uma mesa que ficava no hall do estúdio. Nesse momento a filha do pastor local tirou uma das fotos mais raras da carreira de Elvis Presley (foto acima). Quando a sessão estava concluída, Steve Sholes levou o material a seus superiores, que ficaram desnorteados. - "Eles me disseram que as músicas não soavam parecidas com nada que a gravadora já havia feito antes. Não soava como os outros discos e que era melhor não lança-lo daquele jeito. Me mandaram voltar e gravar tudo de novo". Era só o que faltava para Steve, nas portas da aposentadoria ele teria agora de cuidar de um "garoto maluco e sua bandinha!" O clima começou a ficar pesado entre Elvis e a RCA. Steve então tomou uma decisão polêmica: resolveu aproveitar algumas músicas de Elvis na Sun e colocar no disco como "Blue Moon" e "Just Because", assim se o disco fosse um fracasso total o prejuízo seria menor. Nos dias que se seguiram Elvis gravou novas músicas ao lado de seu grupo (só clássicos absolutos: "Blue Suede Shoes", "Tutti Frutti" etc). Havia a sensação de se estar a frente - ou pelo menos se solidificando - uma nova revolução musical. Mas essa sensação era apenas de Elvis e dos demais músicos, Steve Sholes ainda duvidava do talento do cantor. Ele não sabia o quanto poderia durar aquele "fenômeno". No fundo Sholes temia mesmo era por seu emprego. Mas tudo se acalmou quando o disco chegou nas lojas poucos meses depois. Elvis estava certo e o pessoal da RCA errado. O disco vendeu tanto e de forma tão rápida que ele logo chegaria ao primeiro lugar em todas as paradas: country, pop, rock e R&B. Esse disco, chamado simplesmente de "Elvis Presley" foi o primeiro disco da RCA Victor a vender mais de um milhão de cópias em menos de um mês. Tão importante ele se tornou para a história da música americana e mundial que ele é considerado um dos dez discos mais importantes da história da indústria fonográfica. Quem diria. Para citar apenas uma pessoa, John Lennon diria anos mais tarde: - "Este disco mudou minha vida!". Ao longo dos anos o disco ficou conhecido como "Rock'n'Roll 1", o primeiro e mais importante LP de Rock'n'Roll da história!

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

O Coronel Tom Parker

O último dos grandes empresários do show business americano, herdeiro da velha escola de P.T.Barnum (aquele que disse "Nasce um otário a cada minuto") O Coronel Tom Parker faz parte do folclore. As histórias que se contam sobre ele já fez muita gente dar risada: de como vendia cachorro quente só com as pontas das salsichas aparecendo, o interior do pão sem carne nenhuma, como pintava pardais de amarelo e os vendia como canários, ou como fazia seus perus dançarem colocando-os sobre uma chapa de ferro quente aquecida por uma resistência elétrica. E muitos outros disparates. Mas afinal quem é esse homem misterioso que adora elefantes? Outra historinha: durante as filmagens de "Em cada sonho um amor", em Cristal River, na Flórida, o Coronel insistiu em visitar um velho paquiderme que tinha conhecido em seus tempos de circo. Tom Parker só ficou sossegado quando chegou ao Zoo e alimentou o animal, que demonstrou reconhecê-lo, abanando a cabeça e arrastando o pé acorrentado. Na década de 30 o Coronel trabalhava com o Royal American Shows, um circo que viajava pelos Estado Unidos e Canadá num trem particular de 70 vagões. Sobre o que fazia nesse circo existem divergências: alguns afirmam que o Coronel vendia algodão doce e maçãs carameladas; outro o colocam como intendente da companhia, um trabalho de muita responsabilidade para alguém com vinte e poucos anos.

Tudo o que sabemos é que sua escola foi o circo, onde aprendeu a manipular o público. Tom Parker também era um homem com extraordinários poderes psíquicos. Ele era, por exemplo, um ótimo hipnotizador. Durante os anos em que as organizações Presley esteve confinada a uma tediosa rotina de fazer um filme atrás do outro, o Coronel uniu seu estilo bonachão aos seus poderes de controlar a mente produzindo cenas de irresistível humor, como conta Albert Goldman em seu livro "Elvis": "Durante as filmagens de Kid Galahad, certa vez o coronel hipnotizou Sonny West, o guarda costas de Elvis, instruindo-o para que dissesse ao diretor Phil Karlson que o filme cheirava mal, a atuação era horrível, a direção era nojenta e toda a produção era uma terrível perda de tempo. Num intervalo da filmagem, o grande, corpulento Sonny caminhou até o diretor e lançou-lhe a impressionante e insultosa conversa. O diretor ficou boquiaberto com o choque, enquanto o Coronel bebia a cena, rindo consigo mesmo e esforçando-se para que seu rosto não o traísse. Finalmente Karlson gritou: "Quem é esse sujeito? Tirem-no daqui!" Quando lhe explicaram a piada, o diretor ficou espantado por Sonny West ter atuado tão convincentemente e sem dar um sorriso sequer. "Ele estava hipnotizado" explicou o Coronel. "Ele não poderia ter feito isso de outro jeito". Virando-se para Sonny o diretor do filme perguntou: "Isso é verdade?" "Sim Senhor, é verdade sim", admitiu Sonny. Os dotes psíquicos do Coronel não eram limitados apenas à hipnose. Há anos ele sofria de uma ruptura de disco na coluna, motivo pelo qual ele sempre usava uma bengala. Mas nunca se submeteu a uma cirurgia, preferindo controlar a dor, às vezes insuportável, através do poder de sua mente.

O que mais sabemos sobre o Coronel? Ele nunca assinou um cheque, nunca teve um cartão de crédito e pagava tudo em dinheiro vivo, além de fazer questão de não dever um centavo ao imposto de renda. Embora atuasse em um negócio internacional ele nunca teve um passaporte. Por quê? Segundo o próprio não podia provar seu nascimento pois era um filho enjeitado. Nunca devendo ao imposto de renda, evitando submeter-se a investigações para a obtenção de cartões de crédito e não se sujeitando ao escrutínio do pessoal da imigração para tirar um passaporte, um homem pode passar toda sua vida nos Estados Unidos sem precisar dizer exatamente quem ele é. O Coronel foi casado durante mais de 50 anos com a mesma mulher, Marie, e não teve filhos. Antes de Elvis, por nove anos, de 1944 a 1953, o Coronel dedicou-se a empresariar o cantor Eddy Arnold. A patente de "Coronel", que tantos benefícios lhe trouxe, é um título honorário, que lhe foi concedido por Jimmy Davis, governador da Louisiana, em 1948. Virtualmente único em sua profissão, por sempre se dedicar exclusivamente a um único cliente, o Coronel tinha somente duas paixões, fora o trabalho. Uma era comer, o que fez com que seu peso subisse até os 150 Kg, a outra era o jogo. Tom Parker era um jogador prodigioso. Em Las Vegas, onde mantinha um apartamento, era considerado um dos maiores jogadores da história. Na roleta, sempre fazia a aposta máxima, 10 mil dólares, chegando a perder, às vezes, mais de um milhão de dólares por mês. O Coronel tinha 47 anos quando ficou famoso, graças à sua associação com Elvis Presley, mas nunca conversou com jornalistas. Não que recusasse a atender a imprensa. Pelo contrário - qualquer jornalista que lhe pedisse uma entrevista, era atendido gentilmente pelo Coronel: "Ficaria encantado em lhe conceder uma entrevista. Você deseja uma curta ou uma longa? O preço da curta é de 25 mil dólares, a longa custa 100 mil".

Após a morte de Elvis, a verdadeira identidade do Coronel Parker foi sendo descoberta pelos autores que escreveram sobre o cantor. Alguns acontecimentos sempre chamaram a atenção, como por exemplo, o fato de Elvis nunca ter cantado fora dos Estados Unidos (exceto uma única vez no vizinho Canadá). Outro fato também intrigou os autores: durante seu serviço militar na Alemanha, Elvis nunca foi visitado por Tom Parker. Sem dúvida havia algo de errado com o Coronel, a questão que surgiu foi saber por quê o Coronel evitava sempre viajar para fora dos Estados Unidos? Após uma investigação descobriu-se que o Coronel não havia nascido em Hungtington, West Virginia, como sempre afirmou e sim em Breda, na Holanda, em 26 de junho de 1909. Nome verdadeiro: Andreas Cornelius Van Kuijik. Não se sabe como o Coronel veio parar nos Estados Unidos, mas com certeza foi de maneira ilegal. Seus primeiros registros em solo americano datam de 1929, quando ele tinha 18 anos. Em 1929 o Coronel se alistou no exército americano, onde serviu de 1930 a 1932. E depois disso ele apagou todas as pistas sobre seu passado. Albert Goldman matou a charada em 1980. Junto a Lamar Fike eles resolveram ir direto ao coração do problema. É Goldman quem recorda: "Quando descobrimos essa história, Lamar Fike, que viajou muito com o Coronel nos velhos tempos afirmou que não via o Coronel como uma figura inalcançavel e propôs: 'Porque não telefonamos ao Coronel e esclarecemos o mistério?' Quando Lamar conseguiu falar com o Coronel, foi muito bem tratado e começou: 'Coronel, vocês sempre me disse que se houvesse alguma coisa que eu quisesse saber sobre você, deveria perguntar-lhe pessoalmente'. De Hollywood a voz do velho homem fez-se ouvir em Nova Iorque: 'Está certo Lamar, o que você quer saber?' 'Bem, Coronel', disse Lamar, 'tem um livro aqui que diz que seu nome verdadeiro é Andreas Van Kuijik e que você nasceu em Breda na Holanda'. Houve uma pequena pausa na linha e uma perceptível mudança de tom na voz de Parker: 'Oh, sim', respondeu o Coronel, 'Isso já saiu em mais de quinze lugares. Essa é velha... não é nenhuma novidade!' Lamar ficou tão impressionado com a inesperada resposta que protestou: 'Mas Coronel, eu o conheço há mais de 20 anos - porque nunca me contou que era holandês?'. O Coronel, sempre com uma resposta na ponta da língua, retrucou: 'Porque você nunca me perguntou'. Muitos anos depois, quando perguntado como resumiria sua sociedade com Elvis Presley o Coronel afirmou: 'Quando conheci esse rapaz ele só tinha o potencial de um milhão de dólares. Agora ele já ganhou muito mais do que o seu Milhão!'. Coisas de Tom Parker, ou melhor, Andreas Van Kuijik...

Fonte: Elvis, Documento Histórico.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Memphis Recording Service

Aos 18 anos Elvis parecia não ter nenhuma perspectiva. Este foi um dos seus períodos mais melancólicos. A maior parte do dia ele passava trabalhando numa fábrica junto com seu primo Gene Smith, montando projéteis de canhão para o exército americano, das 7 da manhã até às 3 da tarde. Seu ordenado, 66 dólares por semana, era muito mais do que seu pai recebia depois de cinco anos trabalhando como carregador. Mas, no inverno, antes de fazer 19 anos, Elvis trocou seu emprego e foi ser motorista de caminhão de uma companhia de eletricidade. O ordenado era menor, mas a curtição era maior, pois ele era louco por carros e caminhões. E foi de dentro da cabine deste caminhão que Elvis avistou pela primeira vez uma propaganda que logo lhe chamou a atenção. O anúncio do Memphis Recording Service dizia: "Gravamos qualquer coisa, em qualquer lugar, a qualquer hora". Com 4 dólares, era possível gravar duas músicas num acetato de 78 rotações. Por mais duro que fosse, Elvis tinha essa quantia e em junho de 1953 ele pintou pela primeira vez na Sun Records. De acordo com o mito ele foi gravar um disco para dar de presente de aniversário de sua mãe. Mas acontece que o aniversário de Gladys havia sido no dia 25 de abril e, além do mais, os Presleys não tinham vitrola. Elvis só estava curioso em saber como a sua voz ficava num disco. Embora sua perfomance tenha sido qualquer coisa, sua voz e presença impressionaram Marion Keisker, a secretária de Sam Phillips. Ela recorda: "foi no começo da tarde de um sábado muito atarefado que ele chegou, e eu achei uma figura muito estranha, com aquele cabelo grande. Ele me disse que queria gravar umas canções para sua mãe e eu perguntei que tipo de música ele cantava.

Ele então se virou até mim e disse: "Eu canto todo tipo de música". Fiquei intrigada e perguntei que tipo de interpretação tinha, se era hillbilly (caipira), porque ele tinha um jeito de caipira. Então eu perguntei: "Você vai imitar que cantor? Com quem você se parece?" Ele me olhou muito sério e disse: "Eu não me pareço com ninguém". Quando Marion começou a rodar a fita, ela viu que Elvis estava certo. Ele não se parecia com ninguém. Cantou um sucesso de um grupo negro, The Ink Spots, "My Happiness" e uma balada melosa, favorita de sua mãe: "That's when your Heartaches begin". E seu estilo era um cruzamento perfeito entre o timbre áspero e monocórdio dos negros e o gingado, o scat dos cantores brancos rurais. Elvis saiu com o disco para Gladys e Marion foi correndo mostrar a fita para Sam Phillips. Ele não ficou muito impressionado. Só quando Elvis voltou, no começo de 1954, e pediu para fazer outro disco, Sam descobriu o que tinha nas mãos. Assistiu as gravações e anotou: "Elvis Presley. Bom baladista. Chamar na primeira oportunidade". Nove meses depois Sam Phillips lembrou-se do "garoto de costeletas" e resolveu ligar para ele. Elvis veio no maior pinote até o estúdio e, depois de tentar inutilmente copiar o disco de demonstração, encarou o exasperado Sam Phillips: "Bem, o que você sabe cantar, garoto?". Elvis desfilou seu repertório, passando por diversos estilos, com ênfase em Dean Martin. Contudo, quando a audição terminou, Phillips não estava nada convencido, e disse a Elvis que seria preciso "trabalhar muito". Presley respondeu que gostaria que ele lhe "arranjasse uma banda". O guitarrista Scotty Moore e o baixista Bill Black foram chamados e começaram a trabalhar junto com Elvis. Quatro meses depois, na noite de 5 de julho de 1954, Elvis voltou ao estúdio com sua banda para sua primeira gravação profissional. A música era uma balada country muito piegas, com uma parte recitada onde Elvis sempre engasgava. O som estava muito ruim e Phillips pediu aos rapazes para darem um tempo.

Antes dessa sessão de gravação, todavia, Sam havia sugerido a Elvis que ele cantasse algumas músicas de Arthur "big boy" Grudup, um dos pioneiros do Blues elétrico de Chicago. Presley conhecia muitas músicas de Grudup como "Cool Disposition", "Rock me Mama", "Hey Mama", "Everything's All Right" e "That's All Right Mama", que era a sua favorita. Agora, durante o intervalo, Elvis pegou uma garrafa de Coca-Cola e com ela nas mãos começou a cantar essa música, de maneira envenenada, só por brincadeira. "Elvis começou a brincar" - lembra Scotty, "e eu comecei a tocar junto assim que descobri em qual tom ele estava tocando. Então a porta da sala de controle se abriu. Sam entrou e disse: 'O que vocês estão fazendo?' Elvis respondeu que não sabia, que era só brincadeira. 'Bem', disse Sam, 'isso está muito bom. Vamos gravar' No terceiro ou no quarto take nós acertamos - e pronto" A criação dessa música, tão modestamente descrita por Scotty Moore, foi uma obra de arte, a fusão perfeita de duas culturas distintas, a negra e a branca. Comparando-se o original de Grudup com a versão de Presley, dificilmente se pode dizer que ambos estejam cantando a mesma canção. A diferença é muito grande, algo assim como comparar Mick Jagger e Frank Sinatra cantando "satisfaction". Em sua versão, Elvis acrescentou um ingrediente fundamental - o sexo. Ele erotizou a canção, criando um som espontâneo e ritmado. Nascia o Rock'n'Roll como o conhecemos. O estilo country ao fundir-se com o rhyntim and blues, estabeleceu um novo gênero musical na América, até então dominada pelo jazz e pelos musicais da Broadway. Assim que Elvis firmou as bases dessa nova música, novos talentos surgiram como Carl Perkins, Johnny Cash, Jerry Lee Lewis, Buddy Holly, os Beatles e os Rolling Stones. John Lennon reconheceu publicamente a importância de Elvis ao declarar: "Antes de Elvis não existia nada".

O jovem Elvis era um gênio. Durante seus anos na Sun, Presley criou uma música debochada, alegre e erótica e lançou as bases estéticas do Rock'n'Roll. O rock não é, como alguns críticos acreditam, apenas um mistura maluca de vários ritmos americanos. Tudo isso é a fonte do Rock, mas não a sua alma. A essência do Rock'n'Roll está no comportamento, na postura frente a vida. E quem primeiro expressou essa atitude foi Elvis, depois os Beatles e depois todos as grandes bandas de rock da história. Todos esses caras foram gozadores e muito chegados ao deboche e à paródia, a energia e o entusiasmo diante da vida, por mais cruel que ela tenha sido com eles (a maioria dos pioneiros do Rock tinham origem humilde e sofrida, inclusive o próprio Elvis e os Beatles). Para o lado B do primeiro single de Elvis foi escolhida uma tradicional canção de bluegrass de Bill Monroe, "Blue Moon Of Kentucky". Com tudo pronto Sam começou os trabalhos de divulgação do disco. No próximo sábado à noite, ele levou o pequeno acetato para Dewey Phillips, na rádio WHBQ. Dewey era um disc Jockey muito louco que só tocava música negra, isso em Memphis, uma das cidades mais racistas do país. Ele ficou receoso em tocar Elvis, no começo. Depois de ouvir opiniões de outras pessoas, ele finalmente decidiu tocar, e assim por volta das nove horas, foi ao ar pela primeira vez na história um disco de Elvis Presley. O resultado foi incrível. Dewey sempre recebia muitos pedidos e conversava por telefone com seus ouvintes enquanto estava no ar. Isso foi antes da televisão e todo garoto de Memphis escutava seu programa. Nesse sábado à noite, o telefone da estação não parou um só minuto. Dewey tocava "That's All Right" virava o disco e tocava "Blue Moon of Kentucky". E foram só estas duas músicas a noite toda. Elvis ficou tão nervoso que sintonizou o rádio para seus pais e foi ao cinema. Mal sabia ele que naquela noite de sábado em Memphis começava a ser escrita uma das páginas mais importantes na história da música do mundo, o nascimento de uma revolução cultural que resiste até os dias de hoje. Uma revolução chamada Rock'n'Roll!

Fonte: Elvis, Documento Histórico

quarta-feira, 20 de junho de 2012

D.J. Fontana, o baterista de Elvis!

Membro da primeira banda de Elvis Presley, D. J. Fontana ganha a vida fazendo alguns shows e lança seu primeiro livro de memórias

(Um dos homens do Rei, D.J) - Ele poderia ter presenciado o exato momento em que Bill Gates criou o sistema operacional Windows. Ou poderia estar ao lado da pessoa que acionou o botão e despejou as bombas atômicas sobre o Japão. E ainda, poderia ter ajudado a criar a penicilina. Na verdade, Dominic Joseph Fontana não apenas presenciou -mas também participou- de um evento tão marcante para humanidade quanto os citados acima: tocou bateria no primeiro disco de Elvis Presley. Aquele, homônimo, de 1956, com a capa preta e letras coloridas, que caiu como uma bomba na cultura ocidental. Bomba atômica. Mais conhecido como D. J. Fontana, o baterista não participou apenas do primeiro disco do rei do Rock, como de quase tudo que ele gravou nos 14 anos seguintes de sua carreira, além de acompanhar de perto toda a ascensão do ídolo e consequentemente da "elvismania". É de autoria de Fontana, batidas cruas, rápidas e pesadas, que acabaram tornando-se a fundação da maneira de se tocar bateria no rock. Marteladas demolidoras como em "Hound Dog", "Blue Suede Shoes" e "Jailhouse Rock" ou minimalista, como em "Heartbreak Hotel". Ao lado de Bill Black (baixo) e Scotty Moore (guitarra), Fontana fez parte da banda original de Elvis, que o acompanhou em seus primeiros discos e em suas primeiras turnês. Hoje, Fontana faz alguns shows pelos EUA, utilizando-se do nome que ganhou junto aos fãs do Elvis. Recentemente, tocou no disco solo do Ronnie Wood, guitarrista dos Rolling Stones. Assim como aquele tio distante, que você pouco encontra, não precisa muito para que Fontana desfile histórias de sua vida quando jovem -ainda mais quando esse período foi totalmente ao lado de um dos maiores mitos da história.

O que mudou na música desde que Elvis morreu?
D.J. Fontana: Muita coisa mudou desde 1977. Mas ainda existem muitos jovens que começam a se interessar por Elvis. E isso é genial. Como da velha guarda, poderia posar aqui de saudosista e dizer que naquela época era melhor e coisa e tal. Existem muitas bandas boas por aí. Eu não ouço, mas reconheço coisas boas. Mas sim, naquela época o rock era mais feito com o coração. Existiam as preocupações em vender, claro, mas ficava restrito apenas entre os chefes das gravadoras. Lembro de que quando Elvis foi contratado pela RCA, boatos de que alguns chefões estavam com a corda no pescoço caso ele fosse um fracasso, surgiram. Mas ninguém confirmava. Esse tipo de coisa ficava apenas entre escritórios.

O que seria do rock sem Elvis?
D. J. Fontana: Possivelmente, uma moda passageira. Elvis pode não ter sido o artista mais criativo de sua geração, mas foi o catalisador fundamental para que o rock deixasse o gueto e invadisse todos os lugares. Sem Elvis, Chuck Berry e Little Richards não aguentariam tudo sozinhos. Elvis mudou mais do que a música, mudou o comportamento e o modo de agir e pensar de toda uma geração. E isso não se consegue apenas com boas canções, sim com algo a mais.

Quando o sr. viu Elvis pela primeira vez?
D. J. Fontana: Eu encontrei Elvis pela primeira vez no começo de 1954, no Lousianna Hayride, que era ao mesmo tempo um programa de rádio e um lugar para shows. Era um dos programas mais ouvidos dos EUA. Elvis, Scotty Moore (guitarrista) e Bill Black (baixista) tinham uma apresentação e precisavam de um baterista e eu estava por lá. Dei a sorte de ser o cara certo na hora certa.

Elvis era daquele tipo de pessoa cheia de energia nervosa. Era um cara superativo. Sempre pulando de um lado para o outro ou fazendo alguma coisa. Ele nunca se cansava, mas quando isso acontecia, dormia doze ou treze horas seguidas. Nós íamos para o show dentro de um carro, apenas nós quatro. Nunca conseguíamos chegar a tempo das apresentações, porque não conseguíamos dirigir 100 km sem que Elvis não nos fizesse parar para comprar bombinhas e fogos de artifício. Eu dizia: "Já temos uma sacola cheia" e ele respondia: "Cara, nós podemos precisar de mais". Ele parava e comprava fogos de artifício apenas para ter o que fazer.

Como eram as gravações e os shows com Elvis, naquela época?
D. J. Fontana: As gravações eram bem engraçadas. Ele era fácil de se trabalhar e sabia muito bem o que queria ouvir em uma música. Era incrível, ele sempre dava o melhor de si, não importa em que situação fosse.

Os shows no começo eram esquisitos, porque não tinham muitas pessoas. Mas com o tempo, cada platéia era maior e mais selvagem. Algumas bem selvagens, de invadir o palco e causar quebras enormes. Alguns lugares chegaram a recusar nossos shows com medo de acabar destruído. Nós nos divertimos muito nessa época.

Teve um show, no Canadá em 57, eu acho, que foi bem maluco. Os estádios de futebol (americano) são enormes. Os fãs não conseguiam nos ouvir e muito menos nos ver. Aí uma multidão começou a querer se aproximar do palco para nos ouvir. Tinha uns tapumes, para que as pessoas ficassem sentadas. Os donos do estádio entraram em pânico, diziam: "Deus, eles vão destruir todo o campo". Como se aquelas enormes jogadores não fizessem isso regularmente. Mas o que você pode fazer contra 20 mil pessoas? Matá-las? Você não pode fazer isso. Então Elvis cantou algumas músicas e disse: "Nós gostaríamos que vocês voltassem para os seus lugares". E o público voltou, calmamente. Mas na última música eles avançaram de novo e Elvis saiu do palco, deixando a gente ali com as 20 mil pessoas. O palco foi invadido e destruído, mas nós conseguimos salvar boa parte do equipamento antes. Na saída, uns garotos ameaçaram virar o nosso carro. Gritamos que Elvis não estava com a gente, dentro do carro, e nos deixaram ir. Foi assustador.

As turnês eram quase como todas as outras. Íamos para uma cidade, entrava no hotel, tomava banho e já íamos para o lugar do show. Depois dos shows, entrávamos nos carros e já dirigíamos para a próxima cidade. Nunca parávamos nem para ler os jornais, ou ouvir rádio. Dirigíamos a noite toda e dormíamos de dia. Tudo que sabíamos era dirigir. Foi por isso, também, que demoramos um pouco para ter noção do tamanho que a fama de Elvis tinha ganhado.

O que você lembra da primeira gravação com Elvis?
D. J. Fontana: A primeira gravação que tive com Elvis e o resto do grupo foi o momento mais tenso e nervoso da minha vida. Cheguei primeiro que todo mundo e fiquei sentado na bateria, concentrado. Sabia que não podia errar, existiam muitos bateristas tão bons quanto eu. Dentro de mim sabia que dali ia sair alguma coisa grande, não podia deixar de ser parte daquilo. Lembro muito bem do eco que tinha no estúdio. Mas era muito bom, dava uma atmosfera mais crua às músicas. Quando gravamos na RCA, tentaram captar o mesmo tipo de eco que tinha no disco da Sun Records. Espalharam microfones por todos os lados, mas não foi a mesma coisa.

Como era a relação de Elvis com seu empresário, o Coronel Tom Parker? Era verdade que o Coronel era um sanguessuga?
D. J. Fontana: Só posso dizer da época em que vivi bem ao lado dos dois, ou seja, no começo. Bem, o Coronel trabalhava e vivia para o Elvis, ponto. Ele costumava acordar as 5h, quando geralmente estávamos indo dormir, e não dormia enquanto o último ingresso não tivesse sido contado, ou a última foto vendida. Ele não deixava nenhum promotor ir embora enquanto este não vendesse todos os ingressos que estivesse em suas mãos. No entanto, ele não se importava com ninguém mais. Vinte e quatro horas por dia ele só tinha um pensamento: Elvis. Era o garoto dele.

Por que a banda original de Elvis se separou? Por que Bill Black e Scotty Moore saíram e você continuou?
D. J. Fontana: Mais ou menos no fim de 57, Elvis já era um sucesso enorme em todo o país. Vendendo muitos discos, fazendo muitos shows... Scotty e Bill quiseram ganhar mais também. O que a gente ganhava, na época, eram US$ 200 por semana e as despesas com comida e coisas desse tipo eram por nossa conta. Os dois tinham dívidas... Na verdade, eles queriam um pouco mais de reconhecimento. Escreveram uma carta para Elvis contando a situação. Pediram para eu assinar e eu não quis, achei que estava sendo tratado bem. Eles até que entenderam. Elvis recebeu a carta e conversou com o Coronel. Tentaram uma negociação, mas não chegaram a um acordo. Nesse meio tempo, os dois foram aos jornais e contaram a história. Elvis se sentiu traído, e eles acabaram demitidos de vez.

Quanto você continuou ganhando?
D. J. Fontana: Tínhamos um salário. Ganhava US$ 200 por semana, quando estávamos em turnê. Fora de turnê, ganhava US$ 100 por semana.

O que o sr. acha da volta da "Elvismania" graças ao comercial da Nike?
D. J. Fontana: Fantástico. Pode falarem o que quiserem, mas a música fez com que muita gente nova começasse a se interessar por Elvis. É um veículo muito bom para mostrar a música do Elvis para as novas gerações. Já se passaram 25 anos e Elvis ainda é o número 01.

Por que os músicos que tocaram com o Elvis não conseguiram nunca mais sair da sua sombra e fazer trabalhos autorais?
D. J. Fontana: É difícil esquecer quando se trabalhou com um dos maiores mitos da história da humanidade. O impacto que a convivência com uma pessoa como Elvis causa em você é enorme. Ainda sinto prazer em viver como se fosse naquela época. Acho que cumpri minha função perfeitamente. Se Elvis ainda causa fanatismo em pessoas que nasceram depois que ele morreu, imagina em quem conviveu com ele. Mas tudo bem, é um bom trabalho. Já estou nisso há 40 anos. Em qualquer outro tipo de trabalho, já teriam me despedido com 20 anos de casa.

O que o sr. tem feito ultimamente?
D. J. Fontana: Eu acabei de finalizar meu primeiro livro. Chega as livrarias agora em meados de agosto. Chama-se "The Beat Behind the King" ("A Batida por Trás do Rei", numa tradução literal). É o meu primeiro relato de memórias, contendo os 14 anos que eu passei com Elvis. Os discos, filmes, o especial de TV de 68 -aquele onde ele está todo de preto- e todas as aparições em programas diversos. Também tem cerca de 50 fotos, algumas nunca vistas por ninguém. Como um presente para os fãs, o livro também traz um CD grátis comigo contando histórias sobre Elvis. Além disso, vez por outra eu faço alguns shows aqui nos EUA.

Que tipo de música o sr. tem escutado ultimamente?
D. J. Fontana: Eu gosto muito de country, mas o country de raiz, não essas porcarias que tocam nas rádios comerciais. Ouço muita velharia também. Ainda gosto dos discos dos anos 50.

Em algumas gravações dos anos 60, Elvis usava dois bateristas, o sr. e mais alguém. Por que isso?
D. J. Fontana: Esse foi um período triste. Um cara apenas não conseguiria tocar todo o lixo que queriam que a gente gravasse. Naquelas músicas havaianas, por exemplo, tinha bongô, congo, isso e aquilo. Por isso que contratavam outros bateristas.

Naquele especial de 68, onde ele voltou a tocar com sua banda original, esse conceito partiu do próprio Elvis? Foi ele mesmo que te chamou?
D. J. Fontana: Não, ele não me chamou, como não chamou ninguém pessoalmente. Depois que eu parei de tocar com ele, só falei uma vez ao telefone com ele. Elvis sempre tinha pessoas que faziam tudo por ele. Mas a idéia de reunir o pessoal partiu de Elvis, sim. Ele só não fez as ligações.

E a última vez que o sr. o viu?
D. J. Fontana: Acho que foi em 69 ou 70. Fui a Graceland falar com ele.

Uma última mensagem...
D. J. Fontana: Só quero agradecer a todos, e tenho um recado para os garotos: não se enganem rapazes, quem inventou essa tralha toda chamada Rock'n'Roll foi um carinha chamado Elvis Presley. Até a próxima.

terça-feira, 19 de junho de 2012

Scotty Moore, o Guitarrista de Elvis!

O Primeiro Guitarrista oficial de Elvis relembra a sua trajetória ao lado do Rei do Rock!

"Você tem que ouvir isso", disse uma inglesinha de 14 anos de idade, colocando a agulha no disco de 78 rotações. Era primavera de 1956 e todos os seus amigos na escola estavam enlouquecendo com "Heartbreak Hotel" de Elvis Presley - não se parecia com nada com que haviam ouvido antes. O irmão mais jovem da menina sentou-se petrificado, olhando para o toca discos enquanto ela explicava que o som metálico que ele estava ouvindo era o de uma guitarra elétrica. "Na época em que ouvimos aquela música não sabíamos o nome do guitarrista" lembra Jeff Beck, o mais jovem daquela sala. "Eles não costumavam colocar ficha técnica nos discos. Mas minha irmã continuou me fazendo ouvir coisas diferentes, como aqueles solos. se não fosse aquela experiência, talvez eu jamais tivesse pensado em tocar. Cliff Gallup teve um impacto sobre mim também, mas Elvis Presley foi o verdadeiro começo. Aquilo para mim era uma nave decolando".

Beck e o resto do mundo acabaram descobrindo que o guitarrista de Elvis era Scotty Moore. Mas o próprio Moore não foi recompensado, sua necessidade de criar "Algo diferente" foi um ingrediente básico na mistura potente que seria chamada de Rock'n'Roll. Scotty, e o falecido baixista Bill Black além de mais tarde, o baterista D.J.Fontana, formaram a banda "Blue Moon Boys". Inspirando várias pessoas, como Beck descreve, e acendendo o pavio de uma das maiores explosões da cultura Pop. Tudo começou numa noite quente de Julho de 1954, em Memphis, quando Scotty, Elvis e Black se encontraram no Sun Studios de Sam Phillips, para escolher, entre vários standards, o material que eles iriam gravar. Num intervalo, Elvis começou a cantar "That's All Right (mama)", um som com levada de Blues, de Arthur "big Boy" Grudup. Bill e Scotty se juntaram a Elvis, Sam apertou o botão vermelho, e a história do Rock'n'Roll começou a ser feita.

Hoje, Scotty é conhecido como "o guitarrista de Elvis", mas a relação começou de outro modo. Scotty havia convidado o cantor de 19 anos de idade para ir até a sua casa na tarde anterior, para testá-lo para a Sun Records. "Me lembro de ter pensado: Que porra de nome é esse - Elvis". Ele era um sujeito legal, um pouco tímido, mas cantava muito bem. Era muito bom na divisão de tempo, eu disse a Sam que o garoto sabia todas as canções que já haviam escrito. Era uma pré audição. Eu tinha uma banda, o Starlight Wranglers, e estava com a agenda de shows lotada nos finais de semana, num lugar chamado Bon Air. Eu sabia que precisávamos de divulgação, com um show de rádio ou um disco lançado para conseguir trabalhos mais bem pagos, então fizemos um álbum com Sam. Acho que vendeu umas 12 cópias" Quando Sam preparou a audição, que se tornou a primeira Session de Elvis pela Sun, ele disse que queria ouvir apenas a voz, com um pouco de ritmo de fundo. "Como éramos apenas eu e o Bill para tocar e, sem bateria, soou muito vazio e eu quis preencher as coisas um pouco. Este foi o motivo pelo qual comecei a utilizar aquele estilo de tocar com o polegar e com os dedos, tentar manter um ritmo mais pesado, batendo nas notas para tapar os buracos. Depois que saí da marinha em 1952, ouvi muito Chet Atkins e Merle Travis. Nos primeiros trabalhos eu estava só "preenchendo". A segunda música que gravamos com Elvis foi "Blue Moon of Kentucky" que Bill Monroe já havia feito e eu não queria fazer igual, quis tocar algo que complementasse a música e o cantor. Esta é uma coisa que as pessoas tentam fazer e para mim sempre foi fácil e natural"

Como eram as sessões com Elvis nos anos 50 ? "Apesar de Elvis ser um defensor ferrenho da boa gravação, ele apreciava uma faixa menos perfeita quando ela era tocada com energia e emoção". Scotty lembra um fato que ele nunca esqueceu: "Esse era um ponto em que Elvis e eu concordávamos: Se está bom, deixe como está! Algumas vezes são os pequenos erros que tornam um disco especial. Em 'Too Much' fizemos um take onde fiquei perdido - não tinha idéia de onde estava, mas continuei tocando e logo encontrei o lugar certo. Elvis encostou-se no alto falante de retorno para ouvir o playback no momento em que toquei o solo. Ele se virou, deu aquele sorriso sacana e disse: 'É esse!' Eu Respondi: 'Seu bosta você sabe que eu tinha me perdido!", aí Elvis me disse: "Mas ficou bom. Tem um grande gancho, uma alma e é assim que vamos lançar", para Scotty: "Elvis era um monstro no estúdio, ele sempre sabia qual era a versão certa para lançar", "Steve Sholes, nosso produtor não fazia nada, só arranjava os microfones e os equipamentos, quem realmente produzia tudo era Elvis e os caras da banda".

"Elvis explodiu mesmo por causa de seus shows. Era demais para os anos 50, cara! Elvis dançava, rebolava, quebrava as cordas de seu violão, as mulheres ficavam loucas", Scotty lembra de um fato curioso: "Em um de nossos shows, o público enlouquecido invadiu o palco e arrebentou com tudo, minha guitarra Gibson ES-295 novinha em folha ficou em pedaços, Acho que foi a primeira guitarra de Rock'n'Roll quebrada no palco!" (risos). "A coisa começou a ficar grande demais, no começo a gente tocava em qualquer buraco, mas depois que a fama de Elvis se espalhou, começou a aparecer tanta gente para nos ver que sempre os shows acabavam em tumulto" Scotty lembra: "Não havia concertos de Rock assim, Elvis foi o primeiro a transformar os shows musicais em delírios coletivos". Scotty Moore lembra as viagens com o Rei: "Elvis nunca dormia, isso é um fato, o cara era uma coruja", No começo eles viajavam num velho carro caindo aos pedaços: "Muitas vezes nós dormíamos no carro mesmo, éramos uns duros", "Então Elvis ligava o rádio do carro e tinha que sair no tapa com Bill Black, pois Elvis queria ouvir rádio a noite inteira e Black e eu queríamos dormir". Scotty lembra com carinho aqueles dias: "Os melhores shows de Elvis nunca foram filmados. O começo foi fantástico, Elvis enlouquecia todo mundo, quando chegávamos a alguma cidadezinha, logo todo mundo ficava sabendo e a rapaziada lotava todos os shows", "Chegamos a tocar em cima da carroceria de um velho caminhão Plymouth, foi um sucesso".

Um fato marcou Scotty para sempre: "Depois de ralar muito, Elvis conseguiu comprar um carro velho. Era a realização de um de seus sonhos. O cara nunca teve dinheiro para possuir um carro. Elvis ficou a noite inteira olhando o velho Cadillac da varanda do hotel onde estávamos hospedados. No outro dia quando pegamos a estrada, o carro pegou fogo! Puxa, foi muito azar, o cara ficou arrasado!" Outro fato chamou a atenção de Scotty: "Elvis era muito ligado a sua mãe, Gladys. Sempre antes de pegarmos a estrada a senhora Presley me chamava no canto e dizia para termos cuidado. Uma vez eu e Bill fomos a um cabaret, numa cidadezinha do Kentucky, convidamos Elvis a ir conosco e ele respondeu: 'Não acho que minha mãe iria querer me ver neste inferninho'. A gente era Músico, bebia e se divertia pra valer e às vezes esquecíamos que Elvis era só uma criança na época". Mas isso iria durar pouco tempo como relembra Scotty: "No começo Elvis ficava assustado com todo aquele assédio, mas depois ele tomou gosto pelo negócio"

"Na semana seguinte à que fizemos a primeira session com Elvis, me tornei seu empresário. Na realidade, fiz aquilo porque todo mundo queria ser empresário dele e, comigo nos negócios, ele poderia dizer que já tinha alguém. Desempenhei essa função durante a maior parte do primeiro ano de sua carreira". Moore dava o som característico a todos os sucessos do Rei, aparecia nos filmes, tocava nas trilhas sonoras e excursionava com o astro. Nesta época, com Elvis no auge, começaram os primeiros atritos com o Coronel Parker, um velho astuto que se tornara o empresário do cantor. "Sabíamos desde o primeiro dia que o Coronel não queria a gente por perto" diz Moore. "Ele tentou convencer Elvis a nos substituir pela banda de Hank Snow, Elvis resistiu, mas o Coronel começou a nos pagar uma miséria e praticamente levou Bill Black a cair fora", Scotty lembra: "As pessoas riam de nós, Até os vendedores de souvenirs ganhavam mais do que nós". Scotty é implacável com o Coronel: "Veja, primeiro o Coronel tentou nos despedir, depois entrou em atrito com todos aqueles que tinham talento e poderiam influenciar Elvis de alguma maneira. Ele brigou logo com os compositores Leiber e Stoller, que eram os responsáveis diretos pelas melhores canções de Elvis. Foi burrice, a partir daí Elvis começou a declinar".

Quando Elvis foi para o exército em 1958, nenhuma providência foi tomada para manter sua banda unida. Scotty pendurou sua guitarra e se concentrou em seu trabalho de técnico de som. Elvis recomeçou sua carreira no cinema e voltou às gravações após sua dispensa, mas não mais marcou shows. Para Scotty foi bom, ele podia voar para L.A. para gravar as trilhas de Elvis e voltar a fazer alguns extras como técnico de som. Em 1965 Scotty já tinha seu próprio Estúdio de gravação. "A carreira de Elvis estava limitada, na época a gravação de trilhas sonoras para seus filmes. Era um desperdício um talento como o de Presley gravando aquelas músicas ruins", Scotty lembra como Elvis se sentia nestas sessões: "No fundo Elvis estava puto, ele sabia que as canções eram ruins e as trilhas uma palhaçada, mas não podia fazer nada, ele tinha assinado contratos e tinha que cumpri-los, nesta época Elvis começou a perceber a enrascada que o Coronel Parker tinha feito", "Elvis sentiu que tinha que mudar, voltar para a estrada e colocar sua carreira no rumo certo novamente".

A vida de guitarrista de Scotty acabou depois do "Comeback Special" em 1968. "Depois do Special, D.J. Fontana e eu fomos jantar na casa de Elvis e ele nos chamou na sala de fundo. Nos disse que queria excursionar pela Europa e pretendia reservar algumas semanas em meu estúdio. Por algum motivo, nenhuma dessas coisas aconteceu e esta foi a última vez que vi o cara. Nunca mais falei com ele, nem por telefone. Seu empresário o Coronel Parker não o deixou excursionar pela Europa, uma besteira porque lá eles adoravam Elvis", Scotty conclui: "O Coronel foi muito prejudicial para a carreira de Elvis". "Um dia o Coronel Parker ligou para mim e disse que Elvis nos queria em Las Vegas. Também chamaram os Jordanaires. O Pagamento que nos ofereceram era ridículo. O Pagamento semanal era o equivalente ao que eu ganhava em um dia como técnico de som". Scotty: "Então fizemos uma contra oferta, foi quando Elvis formou aquela banda com James Burton e aqueles caras". Depois disso "Abaixei minha guitarra, não a toquei durante 24 anos - nem uma nota, exceto uns overdubbs para alguns amigos"

"Elvis era uma boa pessoa, mas, acabou sendo atropelado pelo seu próprio sucesso". Hoje Scotty é reverenciado por grandes guitarristas como Keith Richards dos Rolling Stones: "É muito legal saber que esses caras lembram da gente", "É sinal de que fizemos um trabalho que ainda tem algum valor depois de todos esses anos", "Não sei quantas vezes ou quantas horas eu passei ensinando a Keith Richards a tocar "Mistery Train", por seu lado o Rolling Stone fala sobre Scotty: "Mr. Moore, Mr. Fontana, Mr. Presley e Mr. Black, Hillbilly Cats - esta é a maior banda de Rock'n'Roll do mundo. Sem eles não haveriam outros. Obrigado por tudo"

Scotty Moore finaliza a entrevista fazendo um balanço de sua vida: "Vocês tem que carregar a tocha agora - você e os caras mais novos. Nós fizemos nossa parte", "Algumas vezes as pessoas esperam que você seja amargo por uma ou outra razão. Bom, muitas coisas que aconteceram no caminho não estavam certas, mas nós somos parte de algo especial, ainda saímos por aí e tocamos com muita gente legal. Não posso reclamar a esse respeito. Para falar a verdade sou um sortudo".

segunda-feira, 18 de junho de 2012

O Último Trem Para Memphis

A Primeira vez que Elvis Presley entrou em um estúdio de gravação foi no verão de 1953, com 18 anos. Ele parecia tão inseguro que Sam Phillips, proprietário da Memphis Recording Service, achou difícil de acreditar que o rapaz já houvesse cantado em público antes. "Ele tentou não demonstrar isso... mas ele se sentiu tão inferiorizado... Elvis Presley foi provavelmente a pessoa mais introvertida que já entrou naquele estúdio". Elvis tinha acabado de se formar no colégio em Junho. Estava trabalhando como motorista na M.B. Parker Machinists, e entrou no estúdio com a certeza que queria gravar um disco. O Memphis Recording Service ficava na 706 Union Avenue e era quase exclusivamente um gravadora de Blues naquela época. Funcionava sob o comando de um homem de 31 anos, Sam Phillips. A gravadora fazia promoções para quem quisesse gravar um compacto de forma mais barata e acessível. E Elvis foi uma das muitas pessoas que pagaram 4 dólares para gravar um compacto com sua própria voz.

Elvis esperava extremamente nervoso numa salinha ao lado, enquanto o pequeno estúdio era preparado para a gravação. A gerente do escritório de Sam Phillips, Marion Keisker, chegou a interromper seu trabalho por sentir pena do estado de nervos que o rapaz se encontrava. Eles conversaram um pouco enquanto Phillips fazia os acertos finais no estúdio. A conversa foi se alongando, e Marion confusa com a ousadia e "arrogância" do garoto tímido. Ela perguntou: "Que tipo de cantor você é?" "Eu canto qualquer tipo de música", respondeu Elvis. Ela voltou a perguntar: "Você canta parecido com quem?" Elvis Presley respondeu de primeira: "Eu não me pareço com ninguém".

O que ele disse estava próximo da realidade. As duas canções que ele gravou naquele dia - "My Happiness" e "That's When Your Heartaches Begin" - atestam que Elvis não só era diferente de qualquer outro cantor, como também havia uma grande qualidade em sua voz, um tipo de melancolia, de lamento que não se alterava e que grudava na mente. Elvis soava diferente de tudo. Felizmente Sam Phillips não era do tipo de empresário que olhava apenas para as tendências do mercado. Se fosse, Elvis não teria a menor chance. Ao longo de toda sua carreira Phillips sempre acreditou na individualidade e na criatividade. Por exemplo: o segundo grande sucesso na sua gravadora naquele verão (o primeiro tinha sido "Bear Cat" de Rufus Thomas, uma resposta a "Hound Dog" de Big Mama Thornton) foi com um grupo vocal de negros chamado The Prisionaires, que na época era eram presidiários de Nashville.

Continuando sua relação com o grupo, Phillips conseguiu uma nova canção de outro presidiário, cuja voz fez Sam se lembrar daquele rapaz que havia gravado em seu estúdio algum tempo atrás. Imediatamente, Sam pediu que Marion chamasse o garoto ao estúdio. Já havia se passado quase dez meses desde que Elvis gravara seu acetato, com aquele velho sonho de ser "descoberto". Ele já estava quase desistindo de se tornar um artista. Ainda assim, tentava de qualquer jeito entrar para os Songfellows - um tipo de Blackwood Brothers mirim, que era o grupo número 1 Gospel do país e pertenciam a Assembléia de Deus, a mesma Igreja que Elvis Freqüentava. Elvis foi a gravadora e sua audição foi decepcionante. Quando muito a demo de "Without You" lembrava "My Happiness", que ele já havia gravado no compacto. Depois, Elvis cantou para Phillips trechos de músicas que conhecia - "Harbor Lights" de Bing Crosby, "If I Don't Care" de Dean Martin, "tomorrow Night" de Lonnie Johnson, "I Really Don't Want To Know" de Eddy Arnold. Todas baladas e todas cantadas com aquela voz melancólica perdida em algum lugar entre a súplica e o desejo.

O que intrigou Sam Phillips é que o rapaz colocava cada uma de sua emoções em todas as canções. Era como se ele não pudesse controlá-las. E isso era a base de toda grande gravação que fazia, desde que abriu seu estúdio em 1950. Pela Sun Records já haviam passado B.B.King, Howlin Wolf e outros. Mas desta vez, com Elvis, Sam teve a certeza de ter encontrado o cantor ideal. Nos últimos meses, Phillips havia trabalhado com um guitarrista chamado Scotty Moore. Moore tinha um grupo chamado Starlite Wranglers, que já havia gravado pela Sun Records. Phillips contou a Scotty sobre o rapaz que cantava baladas. Ao mesmo tempo, Marion disse o nome do cantor para Scotty: "Elvis Presley", soou como "um nome tirado de um filme de ficção científica", disse Scotty.

Sam começou a falar dele e o guitarrista pediu seu telefone e endereço. Talvez eles poderiam se juntar. Talvez o garoto realmente tivesse algo especial. Marion trouxe a informação e numa tarde de sábado no começo de julho, Scotty ligou para Elvis dizendo que era um "caçador de talentos de Sam Phillips e que gostaria de ouvi-lo se ele estivesse interessado, e ele disse que achava que sim" No dia seguinte eles se reuniram na casa de Scotty com o baixista dos Wranglers, Bill Black. Numa segunda feira, 5 de julho de 1954, os três foram até a Sun Records para o que seria apenas um ensaio. No começo nada dava certo. As primeiras músicas que tocaram eram baladas. E os músicos pareciam ainda procurar uma direção a seguir, tocavam trechos de uma música, de outra e de outra novamente, sem atingir o ponto ideal. Estavam totalmente perdidos.

Mas Sam Phillips era muito, mas muito paciente. E ele não deu nenhum sinal que estava ficando aborrecido ou desencorajado. Então, enquanto os músicos faziam uma pausa para o lanche "repentinamente", disse Scotty, "Elvis começou a cantar e a agir como um louco, e Bill pegou o baixo e começou a agir como um louco também e eu comecei a tocar com eles. Acho que Sam estava com a porta do escritório aberta, ergueu sua cabeça e disse: "O que estão fazendo?" E eu disse: "Não sabemos". "Tudo bem", ele disse "tentem encontrar um ponto para recomeçar e façam tudo de novo" A Música era "That's All Right", um velho blues de Arthur "Big Boy" Grudup, e Sam ficou muito mais surpreso do que Elvis jamais imaginaria. O garoto dançava e cantava com um vigor inacreditável. Sam teve a certeza de ter encontrado a música que havia procurado por tanto tempo.

Logo depois de executarem "That's All Right", os rapazes tocaram "Blue Moon of Kentucky" de Bill Monroe, de uma maneira mais ou menos parecida. "Nós achamos aquele tipo de música muito excitante" disse Scotty "Mas o que era aquilo? Era tão diferente de tudo". Não importa. O que realmente importa era que aquela música tinha realmente empolgado Sam Phillips. Assim nasceu o "Rockabilly". A Passagem de Elvis Presley pela Sun Records, representou - em muito aspectos - a descoberta de uma musicalidade latente que nunca apareceu antes. Sam Phillips faria com os novos artistas - os Rockbillys - o que já havia feito com os bluesmen que passaram pela Sun Records. Ele descobriria e produziria caras como Roy Orbinson, Gene Vincent, Jerry Lee Lewis e Johnny Cash. Sam Phillips viu seu papel de "descobridor" como uma missão "que era a de abrir as portas para esse novo grupo de artistas, ajudá-los a expressar a mensagem que carregavam dentro de si"

Sam realmente ficou espantado ao descobrir a capacidade intuitiva de Elvis para a música. "É como se ele tivesse uma memória fotográfica para cada música que ouvia. Elvis jamais rotulava um canção". No estúdio sua vontade era a de trazer para fora toda a criativa diferença de Elvis. Phillips não queria desperdiçar nada. "Eu tinha na mente o que desejava ouvir. Não nota por nota, claro. Mas uma essência. Eu queria simplicidade. Queria ouvir aquele tipo de som e poder dizer: "É isso!". Sam Phillips se orgulhava de sua habilidade como engenheiro de som. Afinal, ele havia trabalhado por mais de dez anos em várias estações de rádio. Phillips trabalhava exaustivamente para criar um som diferente de tudo em suas gravações, combinando clareza, presença e um tipo de reverberação que ele chamou de "Slapback". Quando ele introduziu uma bateria pela primeira vez, no quarto single da gravadora, foi com a idéia de criar um som totalmente específico. Sam acreditava piamente no acidental, no inesperado, no único. Ele confiava na espontaniedade. O que incluía alguns erros. E era assim que os discos de Elvis eram gravados. As gravações de Elvis Presley pela Sun Records são diferentes. Elas jamais soam datadas. Elas diferem-se uma das outras, e refletem as circunstâncias como cada uma delas foi feita.

Sam continuou a gravar baladas que tanto chamaram sua atenção. Só que ele queria também aquele ritmo que surgiu com "That's All Right". Então, cada sessão de gravação era uma questão de esperar os músicos se "transformarem", de fazer de novo aquela simbiose e esperar que a "Luz" se acendesse novamente. Phillips era paciente com todos. com Bill Black era muito mais uma questão de apreciar suas poucas boas qualidades como baixista do que ressaltar seus defeitos. "Bill era o pior baixista do mundo, tecnicamente, mas ele sabia fazer um "Slap" como ninguém", dizia Sam. Para Scotty Moore, Phillips vivia dizendo para que o desse ênfase no ritmo. "Eu dizia a ele: Nós não queremos nenhuma dessas bobagens suaves. Nós queremos uma bobagem aguda e cortante! Tudo tinha que ser pungente, mordaz e ter muito ritmo"

E em músicas como "Baby, Let's Play House" e "Mistery Train" é possível notar a mudança. A guitarra de Scotty Moore é tocada de uma maneira cortante, parecida com o blues de Memphis. Os instrumentos se fundem numa levada que Scotty definiu como "um ritmo total e - Sam não se aborrecia se errássemos uma nota, era só continuar tocando". Em Julho de 1955 o som do grupo estava afinado. "I Forgot to Remember to Forget" era uma canção country que Sam teve que praticamente empurrar Elvis para a gravação. "Ele não queria gravar a música de jeito nenhum, primeiro porque era muito country, e também porque era muito lenta. Mas eu queria gravar para mostrar um pouco mais de diversificação. Então eu disse a Johnny Bernero (o baterista) mantenha isso em 4/4 até entrarmos no coro, então entra o baixo em 2/4. E fazendo isso a música soou duas vezes mais rápida do que era. E Elvis adorou"

Em "Mistery Train" não havia necessidade de nenhum truque. A Canção era a mais espontânea e livre que já havia sido gravada naquele estúdio. "Essa música foi o maior trabalho que eu fiz com Elvis" disse Sam "Era uma grande canção. Puro Ritmo" "I Forgot to Remember to Forget" foi o primeiro grande sucesso nacional de Elvis. Em 1955 ele chegou ao primeiro lugar nas listas de música country e foi eleito o "O mais promissor artista country do país" pela revista Billboard. Foi aí que pintou o Coronel Tom Parker a a RCA Victor na vida de Elvis Presley, mas essa é uma outra história...

Artigo escrito por Peter Guralnick, Jornalista e pesquisador, colaborador de revistas como "Rolling Stone" e "Village Voice" e autor de diversos livros sobre música como os best sellers "Last Train To Memphis" e "Careless Love: The Unmaking of Elvis Presley" contando a história de Elvis Presley. Guralnick é hoje considerado o maior especialista mundial sobre Elvis e o nascimento do Rock'n'Roll.