Home » » G.I. Elvis

G.I. Elvis


Em 1958 Elvis Presley teve finalmente a certeza de que iria prestar serviço militar no exército norte-americano. Muito já se escreveu sobre esse momento na vida de Elvis mas a grande maioria das teorias são bobagens. O fato histórico real é simples de explicar: Elvis Presley era um cidadão americano e como tal tinha que cumprir suas obrigações para com o país. Em 1958 o serviço militar dos EUA ainda era obrigatório e se convocado ele teria que servir. Era um dever, não uma opção. As forças armadas daquele país sempre necessitavam de um grande número de homens todos os anos pois havia bases americanas espalhadas por todo o mundo. Como Elvis era apto para o serviço militar não escaparia da convocação. É óbvio que ele tinha muito a perder com isso pois sua carreira ficaria em suspensão, não gravaria discos e nem faria filmes. Comercialmente falando era realmente desastroso mas o interesse cívico sempre falou mais alto e assim Elvis realmente seguiu em frente, cumprindo com suas obrigações para com seu país.

O cantor já estava conformado mas a Paramount acionou seu departamento jurídico para pedir mais algumas semanas para o exército uma vez que tudo já estava pronto para Elvis estrelar “King Creole” no estúdio. Caso Elvis entrasse em serviço de forma imediata o prejuízo seria realmente enorme. Apelando para o bom senso, demonstrando o tamanho do prejuízo que sofreria pelo estúdio o pedido foi finalmente aceito pelo alto comando americano. Elvis teria mais algum tempo para terminar seu filme – o último antes de entrar em campo para treinamento militar. Exatamente no dia 24 de março de 1958 Elvis sob o número US53310761 se tornou oficialmente o mais novo recruta do exército dos Estados Unidos. Logo foi apelidado pela imprensa de “G.I. Elvis”, um trocadilho feito em torno de “G.I. Joe”, designação popular usada para identificar os soldados americanos no exterior. No mesmo dia seu famoso topete foi cortado e pela primeira vez em sua vida adulta Elvis Presley se viu sem suas famosas costeletas. Nem é preciso dizer o rebuliço que isso causou na imprensa na época. A Life fez ampla cobertura, mostrando cada minuto da entrada de Presley nas forças armadas. Sua chegada ao posto militar, o recebimento de seu fardamento, o exame médico e finalmente o tão aguardado corte de cabelo no estilo “escovinha”. Foi um evento jornalístico e tanto! Afinal era uma notícia surpreendente – o maior roqueiro do mundo, símbolo da rebeldia dos jovens, sendo finalmente enquadrado pelo Tio Sam!

Assim que deu entrada no quartel Elvis foi despachado junto de sua tropa para o complexo militar de Fort Hood no Texas, uma das maiores bases do exército americano. Uma vez lá foi designado para participar do treinamento com tanques, função que Elvis exerceria em grande parte de seu tempo no exército. Havia uma expectativa de que o cantor seria enviado para o exterior, para alguma base americana no Japão ou na Europa. Quando soube disso Gladys ficou apavorada! Pessoa simples, humilde, sem muita instrução, ela logo associou esses lugares aos mesmos campos de batalha que ouvira falar durante a II Guerra Mundial. Para ela Japão e Alemanha significavam Guerra e ela ficou alarmada com a possibilidade de Elvis ir para países tão perigosos como esses – muito embora, como era óbvio, não havia guerra nenhuma em curso, sendo que os últimos conflitos armados nessas regiões se deram em 1945.

Mas ninguém conseguia acalmar a mãe de Elvis. Gladys ficou tão abatida com as notícias que sua saúde, que já não era boa, começou a declinar ainda mais. Elvis foi informado que sua mãe estava doente, muito abalada com sua convocação. Preocupado ele pediu licença para visitá-la. Uma verdadeira multidão esperava Elvis em Memphis. Ele surgiu sorridente no meio da confusão, devidamente fardado, procurando como sempre dar atenção aos seus fãs que o tinha esperado por horas. Sua nova imagem impressionou a muitos – com cabelos curtíssimos, bem magro e com a cor loira natural de volta ao seu penteado. Elvis visitou sua mãe e decidiu junto com Vernon que eles iriam segui-lo aonde quer que ele fosse. Se Elvis fosse para o Japão sua família iria junto também, não importando o quanto isso iria lhe custar. Seguiriam juntos até o fim. Gladys ficou muito feliz com essa decisão de Elvis pois isso a deixaria perto de seu amado filho. De volta a Graceland, Elvis conseguiu ainda passar mais alguns dias ao lado da mãe, até sua licença chegar finalmente ao fim. De volta a Fort Hood Elvis foi informado que sua unidade seria deslocada para a Alemanha, na fronteira da chamada Cortina de Ferro. Era uma premissa do que viria a seguir. Novas mudanças iriam acontecer na vida de Elvis em breve, algumas delas inclusive marcariam sua vida para sempre mas isso contaremos na próxima atualização – até lá!

Pablo Aluísio e Erick Steve.

0 comentários:

Postar um comentário

Postagem em destaque

Elvis News - Elvis: A Life In Music / Um Grammy para Jailhouse Rock / Novos CDs / Robbie Williams e Elvis

Elvis: A Life In Music - Está sendo lançado em países de língua alemã o famoso livro escrito por Ernst Jorgensen intitulado "Elvis: ...

Pesquisar este blog

 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates