Home » » It Happened At The World´s Fair

It Happened At The World´s Fair

No outono de 1962 Elvis começou as filmagens de It Happened At The World's Fair (loiras, ruivas e morenas, 1963). Mas esta não seria uma produção isenta de problemas. Logo no começo dos trabalhos Elvis reclamou a seu empresário da qualidade do material da trilha sonora, depois de ouvir as músicas que iria gravar, Elvis chegou a conclusão de que todo o repertório era muito fraco. Depois Elvis teve que se deslocar para Seatlle, para as tomadas externas e novos aborrecimentos surgiram. Como as gravações eram feitas ao ar livre e durante a feira mundial, as cenas sofreram várias interrupções em decorrência do assédio dos fãs, tornando tudo mais longo e demorado. Além disso o cantor não gostou nada do roteiro e muito menos do script, ele queria papéis mais sérios e estava insatisfeito com os que Hollywood lhes dava. Elvis queria fazer personagens com mais profundidade e não apenas comédias musicais românticas. Ele nunca entendeu que grandes astros não esperam e nem pedem bons papéis, eles exigem. Para piorar ainda mais, as filmagens ocorreram durante a crise dos mísseis de Cuba, um dos momentos mais tensos entre EUA e URSS, quando o mundo chegou bem perto de uma guerra nuclear entre as duas potências. Enfim, desde o começo estava previsto que esse não seria um projeto fácil para o cantor e a equipe técnica. Apesar de tudo o filme foi completado dentro do cronograma. A estória tratava do romance entre um piloto de avião e uma enfermeira do hospital, durante a feira mundial de Seattle. Como resultado final o filme fez sucesso e apesar de todas as críticas o público prestigiou.

BEYOND THE BEND (Weisman / Wise / Fuller) – A primeira música do disco dá bem o tom da trilha sonora de Loiras Ruivas e Morenas. Tudo muito leve e soft, beirando o infantil, com Elvis deixando de uma vez por todas sua imagem de rebelde dos anos 50. Aqui está Elvis, vestindo um terno e gravata impecáveis, devidamente embrulhado para a família americana. Os dias de roqueiro rebelde ficariam para trás de uma vez por todas, sob os aplausos do Coronel Parker e dos produtores da MGM.

RELAX (S. Tepper / Roy C. Bennett) – Tentativa mal sucedida de reviver Fever do disco "Elvis Is Back!". Faltou entrosamento e produção nessa música muito fraquinha do filme. Elvis está até mesmo transparecendo um certo desinteresse pelo conjunto e harmonia musical. Não o culpo. Faltou mesmo talento aos escritores dessa canção. Nem quando muda para uma contagem de tempo mais rápida gera interesse. Perda de tempo.

TAKE ME TO THE FAIR (S.Tepper / Roy C. Bennett) – Esse seria o tema principal do filme, mas os produtores mudaram de idéia e elegeram "One Broken Heart for Sale" como tema central da trilha sonora. Novamente a tentativa de produzir um material pasteurizado demais, que satisfizessem a todos, prejudicou o resultado final. Mal executada, a canção não desperta maior atenção. A banda de Elvis também não colabora muito e está no piloto automático. Desnecessária e burocrática.

THEY REMIND ME TOO MUCH OF YOU (Don Robertson) – O sempre correto Robertson escorrega um pouco com essa canção. Não que ela seja ruim, mas que fica abaixo do esperado fica, principalmente por fazer parte de um single de Elvis. Era de se esperar por isso que ela fosse mais bem produzida e cuidada. Mas no fim das contas é apenas mais uma canção romântica pop de rotina. O Single foi lançado em janeiro de 1963. Elvis a canta corretamente e imprime um toque mais sofisticado à harmonia original. Realmente mostra que o cantor conseguia, mesmo em material de baixa qualidade, imprimir sofisticação e classe. Não é a melhor música do filme, mas imprime um mínimo de qualidade ao material de forma geral. Um dos momentos mais interessantes da trilha, o que não quer dizer grande coisa.

ONE BROKEN HEART FOR SALE (Otis Blackwell / W. Scott) - Elvis tinha razão, as músicas deste filme deixavam muito a desejar. A trilha de "It Happened At The World's Fair" é considerada uma das piores de toda a carreira de Elvis. Além de ser muito ruim é muito curta (menos de 30 minutos). A reclamação dos fãs foi geral e a crítica caiu em cima do disco. Como fato preocupante foi o primeiro single de Elvis a não atingir o Top Ten da Billboard, conseguindo apenas a décima primeira posição. O álbum saiu-se melhor e vendeu de forma razoável, conseguindo a quarta posição entre os mais vendidos. Mas mesmo atingindo esses índices de vendas, a RCA e o Coronel ficaram descontentes com as posições, pois eles esperavam um primeiro lugar, o que efetivamente não ocorreu. O fato demonstrava que algo não estava nos eixos, pois o público já estava demonstrando sinais claros de insatisfação.

I'M FALLING IN LOVE TONIGHT (Don Robertson) – Aqui o maior problema é do arranjo musical ultrapassado. Mesmo sabendo que o uso de órgãos estavam em moda por essa época, não deixamos de nos sentir incomodados com o estranho instrumento (mais apropriado para hinos de Igreja) pautando toda a música. Aliás o órgão foi tocado pessoalmente pelo autor Don Robertson, que fez questão de participar das sessões. Apesar da boa vontade não ajudou muito no resultado final. Por ser fruto de apenas uma moda típica da primeira metade dos anos 60 a música envelheceu e mal.

COTTON CANDY LAND (B. Batchelor / B. Roberts) – Outra fraquíssima música da trilha sonora. A letra não empolga, o ritmo deixa a desejar e toda a estrutura rítmica é muito fraca. Apenas a voz de Elvis se salva, mas isso é muito pouco para manter o interesse, passe direto para a próxima faixa e não olhe para trás.

A WORLD OF OUR OWN (Giant / Baum / Kaye) – Se destaca e tem ritmo agradável. No meio do pântano de músicas ruins, essa consegue agradar e manter o interesse do começo ao fim. Mostra que Elvis ainda podia ser muito relevante, quando contava com material com um mínimo de qualidade. A guitarra de Scotty também se faz presente dando um bom embalo à canção de uma forma geral. Bom entrosamento entre Elvis e os Jordanaires salvam essa canção do esquecimento geral que se abateu sobre quase todo o material dessa trilha. Só escorrega no final com o famigerado órgão, mas aí o jogo já está ganho. Enfim, esse é um ponto positivo do disco.

HOW WOULD LIKE TO BE (B. Raleight / M. Barkan) – Depois que Elvis cantou "Wooden Heart" em "G.I. Blues" (Saudades de um Pracinha, no Brasil) com as marionetes, os produtores chegaram a brilhante conclusão de que todos os seus filmes seguintes teriam que Ter pelo menos uma música mais voltada para o seu público infantil. Péssima idéia. E essa foi feita exatamente para atender aos desejos deles em Hollywood. Então lá foi Elvis cantar durante mais de 3 minutos (uma eternidade para o padrão geral de duração de sua músicas) uma musiquinha muito maçante e boba, que não chega a lugar nenhum. O pior é acompanhar um irritante arranjo de percussão que dura toda a canção, ficando no mínimo chato e no máximo constrangedor. Fico imaginando Elvis no estúdio ao lado de seu grupo, que outrora revolucionou a música mundial, ensaiando tamanha bobagem. Não me admira que Elvis muitas vezes perdia a paciência durante algumas sessões desses filmes dos anos 60. E você também vai perder a paciência ao ouvir esse equívoco musical, tenha certeza. Esse é sem dúvida um dos pontos mais baixos da carreira do "Rei Do Rock".

HAPPY ENDING (B. Weisman / S. Wayne) – Para fechar a trilha e tentar salvar alguma coisa que preste, finalmente conseguiram produzir um material de melhor qualidade. Não falo da letra, que também é boba, mas do ritmo, que é muito bom. Pelo menos aqui Elvis demonstra empolgação e a canta com vontade, o que não acontece no restante da trilha. Pena que essa é a última música e não dá mais para salvar o disco, que aliás é muito curto, com 28 minutos, provando que nem tudo que é bom dura pouco. Quando você pensa que não, a trilha já acabou. Para alguns isso seria uma pena, mas para os demais é um alívio, pois ninguém quer ouvir Elvis desperdiçando seu talento em um material tão sem consistência e profundidade. "It Happened At The World's Fair" é séria candidata para levar o prêmio de pior trilha sonora da carreira de Elvis, ao lado de "Kissin Cousins", que também é uma forte candidata ao título, sem dúvida. No final, perdeu Elvis e perdemos todos nós. Saldo negativo.

Ficha Técnica: Elvis Presley (vocal) / Scotty Moore (guitarra) / Tiny Timbrell (guitarra) / Billy Strange (guitarra) / Ray Siegel (baixo) / D.J. Fontana (bateria) / Frank Carlson (bateria) / Don Robertson (piano e órgão) / Dudley Brooks (piano) / Clifford Scott (sax) / The Jordanaires (Gordon Stoker, Hoyt Hawkins, Neal Matthews e Ray Walker) / The Mello Men (Thurl Ravenscroft, Bill Lee, Bill Cole e Max Smith) / Gravado no Radio Recorders, Hollywood, California / Data de gravação: setembro de 1962 / Produzido e arranjado por Leith Stevens / Data de lançamento: abril de 1963 / Melhor posição nas charts: #4 (USA) e #4 (UK).
 
Pablo Aluísio.

1 comentários:

  1. Avaliação:
    Produção: ★★
    Arranjos: ★★
    Letras: ★★
    Direção de Arte: ★★★
    Cotação Geral: ★★
    Nota Geral: 6.0

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir

Postagem em destaque

Elvis Presley - The Next Step Is Love

The Next Step Is Love (Evans / Barnes) - Quando Elvis resolveu retomar o rumo de sua carreira e deixar Hollywood para trás ele procurou e...

Pesquisar este blog

 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates