Home » » Elvis Os Anos Finais - Parte 27

Elvis Os Anos Finais - Parte 27

Numa noite qualquer de 1977 lá estava Elvis, já devidamente vestido, apenas esperando sua deixa para ir fazer mais uma apresentação. Ao seu lado o onipresente Rick Stanley. Elvis estava agora sentado em uma cadeira de seu camarim, com as pernas em cima de uma pequena mesinha à sua frente. Ao seu lado um típico espelho desse tipo de local, com todas aquelas lâmpadas ao redor do reflexo do cantor. Elvis não se arriscava mais a se olhar no espelho com tanta freqüência como fazia antes, ele não se olhava mais tanto como costumava fazer antigamente. Seu famoso narcisismo andava muito em baixa depois de seus constantes aumentos de peso. O cantor conferia seus diversos anéis em seus dedos quando perguntou a Rick: "O que você achou dessa cidade?" Elvis estava prestes a fazer mais um show naquelas cidadezinhas perdidas das Carolinas. Nossa, como ele detestava esse tipo de situação! Rick respondeu: "Bem Elvis, é uma cidade pequena, mas hospitaleira! Acho que o show vai ser um sucesso!" Elvis não se empolgou com a resposta. Ele vinha cada vez mais se irritando com os locais que Tom Parker lhe arranjava para se apresentar. Cidades pequenas demais para ele, segunda sua própria forma de ver as coisas. "Vou falar com o Coronel. Não quero mais me apresentar em locais tão pequenos como esse!". No final de sua vida essa rotina iria cada vez mais se repetir para Elvis: a realização de concertos em pequeninas cidades do interior dos Estados Unidos. Muitas pessoas se perguntam como Elvis Presley, um dos maiores ícones da fama do século XX, acabou indo parar numa situação dessas?

Dono de uma das carreiras mais brilhantes e vitoriosas do show business norte-americano, conhecido nos quatro cantos do mundo, Elvis, após vinte anos de trajetória, estava no mesmo ponto em que começou muitos anos antes, ou seja, se apresentando nas mesmas cidades interioranas de seu país, cantando suas velhas canções, para o mesmo tipo de público que uma vez lhe acolheu em um passado distante! Como isso foi possível? Por que Elvis estava estacionado no mesmo ponto inicial de sua vida artística? Por que não avançou e não abriu novos e gloriosos caminhos? Ao invés de realizar mega concertos pelo mundo afora, ao invés de lotar ginásios e estádios ao redor do mundo, lá estava Elvis novamente...fazendo shows para um público de interior que já o tinha visto anos antes quando ele era apenas um cantor desconhecido! Ao invés de estar em Londres, Paris ou Berlim, fazendo turnês históricas, Elvis estava em um rincão perdido que nem mesmo os americanos conheciam direito. Até mesmo as grandes cidades dos Estados Unidos estavam fora do roteiro. Para Tom Parker a imprensa desses lugares pegava pesado demais com Elvis e por isso ele preferia levar o astro para cidadezinhas, onde nem mesmo existiam jornais diários. Os Beatles tinham demonstrado que não havia fronteiras para grandes nomes do rock mundial, se apresentando em praticamente todos os grandes países do mundo mas para Tom Parker isso não era relevante. Em vista disso Elvis Presley, que era tão popular quanto os Beatles, jamais se apresentaria profissionalmente na Europa, com seu enorme centro cultural de massa. O Coronel também rejeitou todas as propostas de levar Elvis para os grandes festivais de rock da época. Assim ele ficou isolado e... escondido.

Incrível, mas Elvis entrou em uma situação tão calamitosa que para ele, naquela altura de sua vida, só havia sobrado mesmo a opção de realizar um show atrás do outro, em qualquer lugar, mesmo em localidades que um astro de seu porte jamais deveria colocar os pés! Ao contrário de outras estrelas de sua época, que se apresentavam em poucas e selecionadas cidades (geralmente as maiores, os grandes centros populacionais), que cumpriam turnês com poucas e super produzidas apresentações, tudo aliado a vasta publicidade pela mídia, Elvis, sob as ordens de seu nada genial empresário, fazia o extremo oposto do que se esperava de um cantor na posição em que ele ocupava: centenas e centenas de apresentações, muitas vezes sem propaganda nenhuma, em pequenas cidades e nenhum grande impacto significativo no conjunto de sua carreira. Os palcos eram ridículos, sem estrutura, e não havia qualquer capricho em seus concertos. Afinal, quais foram as razões e quem foram os culpados que levaram Elvis a ter que cumprir uma agenda insana de concertos, sob condições de saúde adversas, em apresentações nada memoráveis e nada espetaculares durante os anos 70, sendo que em alguns casos sua exposição perante o público nada mais causava do que um arranhão em sua imagem? Por que ele nunca foi poupado dessas situações constrangedoras?

Essa é uma questão que coloca em xeque a péssima administração das organizações Presley! Certamente o primeiro grande culpado dessa total estagnação da carreira musical de Elvis tem um nome e todos já devem estar pensando nele nesse exato momento: Tom Parker. Um pensamento correto e justo, mas será que apenas ele deve ser culpado de tudo o que de ruim aconteceu com Elvis Presley em seus anos finais? Vamos analisar. Se formos puxar o fio da meada mesmo e ir a fundo na questão chegaremos facilmente à conclusão que Tom Parker pecou mesmo por pura e simples ignorância em um primeiro momento. Longe de ter uma formação adequada para administrar a carreira de um artista do porte de Elvis Presley, Parker era um sujeito limitado à sua vivência circense, aos seus dogmas, aprendidos na velha escola da vida de circo. Exigir uma visão histórica e contextual de uma figura dessas seria pedir demais, vamos convir. Parker certamente pensava que não havia diferença nenhuma na venda de ingressos para o show das atrações de circo itinerante onde ele cresceu das vendas de um concerto de Elvis Presley. Para ele o que importava era o momento, o aqui agora, o importante era embolsar a grana da bilheteria e dar no pé, esperando o público da próxima cidade. Para Parker o que importava era Elvis fazer o concerto, seja lá como fosse feito, embolsar o dinheiro e partir para a próxima, ou seja, a velha mentalidade mambembe de alguns dos mais ridículos circos que ele trabalhou durante sua vida! Ele também não deixou velhos hábitos, como o de vender balões com o nome de Elvis no meio do público, mesmo após Presley ter se tornado um astro de fama internacional. Era cômico, se não fosse patético. Ao invés de faturar milhões de dólares com Elvis pelo mundo afora, Parker ficava vendendo bugigangas que custavam centavos antes do cantor entrar no palco! Mais obtuso do que isso, impossível.

Erick Steve e Pablo Aluísio.

0 comentários:

Postar um comentário

Postagem em destaque

Elvis Presley - Snowbird

Elvis Presley - Snowbird (G. Mac Lellan) - O álbum "Elvis Country" começa com uma música que curiosamente não foi gravada nas s...

Pesquisar este blog

 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates