Home » » Elvis Os Anos Finais - Parte 33

Elvis Os Anos Finais - Parte 33

Quando voltou do exército em 1960 Elvis estava convencido de que deveria desenvolver e promover uma carreira no cinema. Para isso até mesmo sua carreira musical deveria ser deixada de lado, afinal, como o próprio Elvis declarou certa vez: "Cantores surgem e desaparecem. Mas se você for um bom ator pode ficar por aí durante muitos anos!". É isso mesmo, Elvis não colocava mais tanta fé em seu fantástico talento musical e resolveu investir em seus opacos talentos melodramáticos. O resultado dessa forma de pensar foi terrível e o artista pagou caro por tentar seguir por esse equivocado caminho. Em pouco tempo o astro viu sua estrela se apagar lentamente. Estrelando um filme ruim atrás do outro Elvis foi facilmente substituído no gosto musical pelos jovens. Grupos musicais como os Beatles surgiram e dominaram completamente o cenário musical enquanto que Elvis, com suas infantis trilhas sonoras, patinava e sofria para atingir o topo das paradas.

Apesar do sucesso de seus primeiros filmes durante os anos 1960 o público logo se cansou dos roteiros repetitivos e das músicas sem valor artístico. A partir de 1967 os discos de Elvis passavam vergonha nas listas das paradas norte-americanas. Sua última trilha sonora, Speedway, conseguiu atingir um vexatório 82º lugar na lista dos mais vendidos. Uma posição nada digna de um cantor que era considerado o "Rei do Rock". Era o fim, a carreira de Elvis como ator havia fracassado miseravelmente. Além de ter que lidar com a frustração de nunca ter conseguido desenvolver uma carreira sólida em Hollywood, Elvis ainda teve que arcar, nos últimos momentos de sua carreira, com uma série de decisões erradas tomadas por seu empresário, o que o fez ficar tristemente preso em contratos que o posicionavam como um cantor de cassinos em Las Vegas.

Nem seu velho sonho de cantar em outros países se concretizou e até mesmo seus mais recentes discos de estúdio não conseguiam uma boa resposta em termos de vendas nas paradas. Com tantos infortúnios, Elvis se isolou. Segundo Rick Stanley apenas a química do Dr. Nick conseguia trazer o astro de volta à vida. Para encarar uma nova sessão de estúdio ou fazer uma nova maratona de apresentações, Elvis tinha que ser medicado para segurar o pique e o ânimo. O próprio Rick relembra: "A alegria de Elvis após tomar tantas pílulas não era natural mas sim artificial. Muitas vezes notávamos que Elvis estava 'alto' um pouco além da conta! Ele não se resumia a rir mas a dar sonoras gargalhadas, qualquer piada o fazia desabar de rir! Ele não ficava apenas 'alegre' mas extremamente 'feliz', além do ponto, me entendem? Bem essa não é uma atitude de alguém realmente feliz e sim um reflexo do que ele estava tomando!"

Traição, drogas, fracassos na carreira, problemas com peso, enfim. Os fatores são muitos. De qualquer forma tudo levou o cantor Elvis Presley a um estado depressivo constante do qual nunca mais se recuperou. Talvez a fama tenha se transformado numa grande armadilha. Talvez o fato de ser famoso o tenha inibido de procurar a ajuda médica correta de que tanto necessitava. Talvez o fato dos fãs idealizarem uma pessoa acima do bem e do mal, perfeita e divina, tenha feito com que Elvis tivesse que enfrentar os diversos problemas que acompanham um estado depressivo de forma completamente solitária. Afinal sua doença jamais deveria vir à tona publicamente! Além disso aquela pessoa que aparecia nas capas dos discos e filmes jamais poderia ser uma pessoa acometida de uma doença tão estigmatizada! Isso, claro, na ótica da indústria que tanto o explorou em vida. Quem sabe se todos os seus mais graves problemas não tenham tido apenas uma única gênesis? A verdade porém nunca saberemos ao certo. De qualquer forma toda essa situação acabou levando Elvis inexoravelmente para aquele amanhecer em 16 de agosto de 1977

No final de sua vida Elvis estagnou artisticamente. Não havia mais nenhum traço do grande revolucionário cultural que um dia ele foi. O artista Elvis Presley deliberadamente colocou sua carreira no piloto automático e deitou sobre suas glórias passadas. Felton Jarvis, seu produtor desde os anos 60, tentava de todas as formas levar Elvis à frente, impulsionar mudanças mas tudo ia por água abaixo durante as sessões de gravação. Elvis demonstrava desinteresse em promover mudanças, apatia na escolha do repertório e falta de ânimo em gravar material novo e desafiador. Ao invés disso Elvis começou a apostar apenas no certo e seguro e seguiu gravando suas baladas chorosas e seus countrys tradicionalistas que certamente iriam cair no gosto do sulista americano médio. Rock'n'Roll? Elvis só se lembrava deles para cantar versões medíocres em seus concertos, com a clara finalidade de não deixar as apresentações caírem na monotonia. Certamente essa atitude era decepcionante para quem ostentava o pomposo título de "Rei do Rock". Na visão de Jarvis o cantor Elvis não tinha mais nenhuma motivação em sua trajetória artística e sua função agora era de alguma forma motivá-lo, incentivá-lo, levantar a poeira de sua outrora lustrosa carreira... Infelizmente a animação de Felton Jarvis esbarrava na apatia de Elvis. Ele nem ao menos se dava ao trabalho de ir a um estúdio de gravação profissional, seja em Nashville, seja em Memphis.

Erick Steve.

0 comentários:

Postar um comentário

Postagem em destaque

Elvis Presley - Tomorrow Never Comes

Elvis Presley - Tomorrow Never Comes Tomorrow Never Comes (E. Tubb / J. Bond) - Um caso interessante em que o arranjo mais forte por part...

Pesquisar este blog

 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates