Home » » Speedway

Speedway

Em meados de 1968, a ano que não acabou, o novo projeto de Elvis, intitulado Speedway (O Bacana do Volante) foi lançado. Aqui Elvis contracena com a filha de Frank Sinatra, Nancy. Na direção mais uma vez Norman Taurog. Novamente outro filme sem grandes novidades, com Elvis novamente interpretando um piloto de corridas. Nancy Sinatra por sua vez interpreta uma fiscal da receita federal que vai atrás do personagem de Elvis para lhe cobrar impostos sonegados. O filme se tornou um dos últimos de Elvis na MGM pois seu contrato com a empresa estava chegando ao final. Apesar do otimismo sobre a carreira de Elvis no começo dos anos 60, em 1968 todos já estavam conscientes que dificilmente Elvis decolaria nas telas trabalhando com material tão ruim. Seu desânimo chega a ser notado durante a projeção do filme pois ele apenas passeia entre as cenas, visivelmente entediado.

Não era para menos, Speedway na realidade era apenas outro filme sobre pistas de corridas, garotas, músicas fracas e direção inexistente. A crítica da época não perdoou e demonstrou que a produção nada mais era do que apenas mais uma repetição de muitos filmes anteriores do "Rei do Rock". Eles tinham razão. Esse é outro filme de Elvis ao velho estilo, do começo ainda dos anos 60, o que em 1968, em plena época do movimento Hippie, dos movimentos sociais e das lutas políticas soava completamente quadrado e careta (aqui utilizando-se inclusive das gírias daqueles tempos). Sem sintonia com os jovens e o público o filme foi completamente ignorado, deixando as salas de cinema vazias e os LPs encalhados nas prateleiras das lojas de discos.

O projeto foi mais um da carreira de Elvis que que não se traduziu em sucesso, revelando de uma vez por todas que a antiga fórmula "brilhantemente" idealizada por Tom Parker estava completamente esgotada. Nem os fãs mais ardorosos prestigiaram. A trilha sonora chegou nas lojas um mês antes do lançamento do filme e se tornou um novo fracasso de vendas, com um péssimo 82º lugar entre os mais vendidos, sendo que na Inglaterra o resultado foi ainda mais desastroso pois sequer conseguiu classificação na parada inglesa entre os mais vendidos. No Brasil a RCA nacional, em vista do grande fracasso do disco lá fora, nem ao menos chegou a lançá-lo por aqui. Com tantos boletins desanimadores de vendas nas mãos e vendo que muitas de suas filiais estrangeiras nem sequer cogitavam mais de lançar o disco em seus respectivos países a RCA disse basta ao lançamento de trilhas e decretou o fim das mesmas, para o alívio geral, diga-se de passagem. A gravadora de Elvis realmente havia jogado a toalha e não iria mais investir nessa fórmula pois ela definitivamente só vinha trazendo prejuízos desde meados dos anos 60.

Para termos uma idéia da queda de vendas de Elvis no mercado basta apenas citar um dado revelador: Elvis Presley passou três anos sem sequer ter um álbum lançado no Brasil na segunda metade dos anos 60, o que demonstra como era grande o desinteresse pelo trabalho que ele vinha desenvolvendo na época. A trilha sonora de Speedway então, em vista de todo esse quadro desanimador, realmente foi a pá de cal nesse velho esquema inventado por Tom Parker de lançar filme / trilha no mercado. Foi a última trilha sonora da carreira de Elvis ao velho estilo e não deixou saudades. Um melancólico adeus, sem dúvida. A única nota positiva veio do advento de que o fracasso levou Elvis e seu empresário a repensar toda a sua carreira e procurar por mudanças, o que iria desaguar ainda nesse ano na gravação do maravilhoso NBC Special que iria literalmente ressuscitar a cambaleante carreira de Elvis. Realmente há males que vem para o bem, como diz o velho ditado. Essas são as canções da derradeira trilha sonora de Elvis Presley nos anos 60:

SPEEDWAY (Glazer - Schlaks} - Tudo é uma questão de comparação. Muitos afirmam que Speedway é um dos temas mais fracos já compostos para filmes de Elvis Presley! Será mesmo? Basta comparar. Spinout, por exemplo, é bem pior certamente. Obviamente que nunca poderíamos aqui cair na insensatez de comparar essa canção com temas do passado como King Creole e Jailhouse Rock. Essa seria uma comparação completamente absurda. Porém se formos nos limitar ao período pós 1965 até que Speedway não se sai completamente mal. Os compositores dessa canção (dois completos desconhecidos dentro da discografia de Elvis) até se saíram razoavelmente bem em termos de ritmo, que chega a ser agradável em algumas passagens, mas derrapam feio na letra, que é inegavelmente simplória demais. Claro que o tema, falando sobre assuntos relacionados a velocidade, carros e afins, não daria margem ao surgimento de nenhuma poesia parnasiana, mas até mesmo dentro do limitado campo artístico que o filme proporciona deixa a desejar. Elvis, como sempre, extremamente profissional, fez o melhor que pôde com o material que tinha em mãos e a canção pelo menos não aborrece em nenhum momento, tendo como maior mérito seu ritmo mesmo, como já escrevi antes. Certamente não é o melhor tema de filme já escrito para as produções de Elvis no cinema, mas fica longe de figurar entre os piores.

THERE AIN´T NOTHING LIKE A SONG (Byers - Johnston) - Byers ficou conhecido na história como o autor das melhores músicas dos piores discos de Elvis. Ele escreveu diversas músicas para filmes de Elvis, algumas realmente muito boas, que elevavam significativamente o valor artístico de algumas de suas trilhas sonoras. Essa música foi escolhida para fechar o filme, onde Elvis e Nancy Sinatra a cantam juntos. A letra é otimista e combina bem com o final feliz e Nancy, que nunca teve o carisma de seu grande pai, pelo menos não decepciona e mostra um certo talento no resultado final. Em suma, essa é uma boa canção da trilha sonora de Speedway.

YOUR TIME HASN´T COME YET BABY (Hirschhorn - Kascho) - Não há como escapar. Dentro da fórmula "Elvis" de fazer filmes nos anos 60 quase sempre haveria uma música destinada ao público infantil. Odiadas por muitos, amadas por outros, essas canções infantis foram, para o bem ou para o mal, uma das marcas registradas das trilhas sonoras de Elvis nos anos 60. Infelizmente a qualidade delas foram decaindo ao longo dos anos, já que "Wooden Heart", a grande percussora desse sub-gênero, possuía inegável qualidade que não foi mantida pelas que vieram nos filmes posteriores. Aqui, outra dupla de compositores desconhecidos aterrissam na trilha e tentam trazer alguma novidade, porém sem sucesso. Agora complicado mesmo é entender como ela foi lançada como lado principal do single do filme, justamente em um momento que Elvis precisava desesperadamente de um sucesso nas paradas. O absurdo é tamanho que ela foi preferida até mesmo em detrimento de Let Yourself Go, a melhor canção da trilha, que foi jogada para o lado B do mesmo compacto. Simplesmente inexplicável.

WHO ARE YOU? (S. Wayne - B. Weisman) - Para se perceber como as trilhas sonoras de Elvis perderam qualidade ao longo dos anos basta apenas ouvir as baladas presentes nelas. Aqui temos uma canção cheia de lugares comuns, com letra banal. A cena em que Elvis a canta para Nancy Sinatra no filme demonstra claramente que depois de Ann-Margret Elvis nunca mais teve uma partner à altura. Nancy não consegue transmitir emoção e a química do casal nunca decola. Enfim, Who Are You? é uma balada apenas mediana, sendo seu único destaque um arranjo um pouco diferenciado das demais baladas de Elvis, mas nada que a eleve demais entre as muitas baladas cantadas por Elvis durante esse período de sua carreira. O único destaque digno de nota fica com o solo bem executado do grande músico Homer "Boots" Randolph, recentemente falecido. Fora isso nada mais chama a atenção.

HE´S YOUR UNCLE, NOT YOUR DAD (Wayne - Weisman) - Depois de um começo até certo ponto animador somos lembrados, da pior forma possível, pela dupla de autores dessa música, que estamos afinal apenas ouvindo mais uma das trilhas sonoras de Elvis dos anos 60, com tudo de ruim que isso afinal significa. Candidata forte ao título de pior canção do filme, "He's Your Uncle, Not Your Dad" é aquele tipo de música que só funciona ao se assistir ao filme e mesmo assim se você estiver com muito bom humor e boa vontade. Certo que o roteiro gira em torno de um piloto com dívidas fiscais com o governo norte-americano, mas convenhamos não precisava colocar um tema tão fraco e sem graça para Elvis cantar e baixar consideravelmente o nível da parte musical da trilha sonora. A cena do filme não se salva, a coreografia apresentada é rídicula, a letra é uma piada e harmonia inexiste aqui. Méritos apenas para Elvis que demonstra mais uma vez que era um cantor que conseguia injetar um pouco de talento até mesmo nas mais horríveis canções já escritas. Simplesmente constrangedor.

LET YOURSELF GO (Joy Byers) - Sempre lembrada como grande injustiçada, Let Yourself Go é praticamente unanimidade entre os especialistas como a melhor canção dessa trilha sonora. A música tem letra interessante, trazendo até mesmo pitadas de sensualidade e charme e poderia muito bem se destacar nas paradas caso tivesse sido lançada corretamente como destaque no single do filme. Elvis, que não conseguia um primeiro lugar desde 1962 com Good Luck Charm, finalmente tinha uma boa candidata a lutar por, pelo menos, o Top l0 da Billboard. Mas infelizmente a RCA a negligenciou, a inserindo como mero lado B da infantil "Your Time Hasn't Come Yet Baby", essa sim com chances nulas de se destacar na Billboard. O resultado já conhecemos: a música foi solenemente ignorada pelo público na época e nem mesmo a boa cena em que ela é apresentada no filme serviu para tirá-la de um injusto obscurantismo. Ainda tentaram corrigir o erro a utilizando no especial da NBC mas todos os clássicos ali presentes também ajudaram para que esse bom momento de Elvis nos estúdios na segunda metade dos anos 60 passasse praticamente em brancas nuvens.

FIVE SLEEPY HEADS (Sid Tepper - Roy C. Bennett) - Talvez o maior exemplo do esgotamento da fórmula das trilhas sonoras de Elvis nos anos 60. Depois de "Your Time Hasn't Come Yet Baby" era de se esperar que o disco estaria livre de canções infantis. Que nada. Parece que sem mais nada para colocar na trilha o Coronel e a RCA resolveram colocar Elvis para cantar outra musiquinha de ninar. No disco original ela aparecia bem depois de um solo de Nancy Sinatra, "Your Groovy Self", canção sem maiores atrativos que demonstrava que uma forcinha do nepotismo também poderia ajudar na carreira de qualquer um. Sem maiores atrativos podemos classificar "Five Sleepy Heads" como uma espécie de "Big Boots" tardia. Um mero prato requentado para quem gostou das primeiras trilhas de Elvis no começo dos anos 60 como G.I. Blues e definitivamente não recomendado para gourmets musicais mais exigentes.

WESTERN UNION (Tepper - Bennet) - Essa é a primeira bonus song do disco Speedway. A inclusão de uma canção como essa só serve para demonstrar como Elvis estava estagnado artisticamente. Qual artista iria aceitar colocar em um novo disco uma música gravada quase 5 anos antes e que simplesmente havia sido arquivada? Cinco anos é uma eternidade em termos de renovação musical, todas as mudanças que surgiram no mundo da música, ainda mais nos anos 60, fazia com que uma canção gravada em 1963 soasse completamente anacrônica em 1968. Seria algo como se os Beatles lançassem She Loves You no Álbum Branco. Enfim, desleixo, displicência e estagnação, apenas esses fatores justificam esse tipo de lançamento numa trilha sonora de Elvis Presley no final dos anos 60. Mas o pior nem é isso, o pior é saber que Western Union, mesmo com vocalização ultrapassada, arranjo desatualizado e falta de sincronia com o que se ouvia em 1968 conseguia ser ainda melhor que muitas das músicas do filme Speedway! Só podemos chegar na triste constatação que sim, Elvis ficou sem evoluir durante pelo menos cinco anos em sua carreira nos anos 60, chegando inclusive a involuir (sic) em certos aspectos! Lamentável.

MINE (Tepper - Bennett) - Em setembro de 1967 o produtor Felton Jarvis levou Elvis a Nashville com a clara intenção de produzir material de melhor qualidade que o que vinha sendo apresentando nas trilhas sonoras de seus últimos filmes. Felton reuniu a nata dos músicos da cidade e conseguiu grande êxito, gravando excelentes canções como por exemplo You'll Never Walk Alone, We Call on Him, Hi-Heel Sneakers, Just Call Me Lonesome, Big Boss Man e Guitar Man. Enfim, uma excelente sessão em todos os aspectos que poderia inclusive dar origem a um excelente LP caso a RCA assim desejasse. Mas infelizmente isso nunca ocorreu. Ao invés disso os produtores tiveram a péssima idéia de utilizar ótimas faixas como essas apenas como bonus songs de algumas das piores trilhas sonoras de Elvis, ofuscando completamente o belo retorno que poderiam trazer para a carreira do cantor. Esse é o caso de "Mine", gravada nessa mesma ocasião e jogada no lado B da trilha de Speedway. Um grande equívoco pois "Mine" é uma excelente balada, com ótima interpretação por parte de Elvis.

GOIN´ HOME (Byers) - Gravada em janeiro de 1968 durante as gravações de parte da trilha sonora do filme "Stay Away, Joe", em Nashville, a canção "Goin' Home" se transformou num verdadeiro pesadelo para Elvis em estúdio, fazendo com que o cantor tivesse que registrar 30 takes diferentes para chegar na versão oficial. Curiosamente essa foi uma das sessões mais interessantes de Elvis, senão vejamos: Ele gravou o clássico de Chuck Berry, Too Much Monkey Business, a ótima U.S. Male, que seria lançada em single e versões diversas de Stay Away. Isso pelo menos demonstrava pequenos e significativos sinais de mudança, até mesmo porque Elvis ia, aos poucos, deixando o material fraco de filmes de lado para gravar canções de qualidade. A lamentar apenas o fato de Goin' Home, que sempre foi uma ótima música, ser lançada de forma tão equivocada, como mera bonus song de Speedway. Merecia melhor destino certamente.

SUPPOSE (Dee - Goehring) - Suppose nunca ganhou uma boa versão na voz de Elvis Presley. Todas as suas versões oficiais (seja a versão mais longa ou mais curta) deixam a desejar. Também pudera, gravada nas mesmas sessões do restante da trilha de Speedway a canção nunca foi prioridade para Elvis, isso apesar de haver indícios de que ele pessoalmente gostava dela, tanto que gravações caseiras do cantor em Graceland a cantando e tocando piano já eram conhecidas pelos fãs desde os anos 80. Inicialmente a música foi cogitada para entrar no filme mas logo depois foi cortada por decisão dos executivos da MGM. Curiosidade: em Suppose ouvimos o amigo de Elvis, Charlie Hodge, tocando piano em momento inspirado.

Ficha Técnica: Vocal: Elvis Presley / Guitarra: Chip Young / Guitarra: Hilmer J. "Tiny" Timbrell / Guitarra: Tommy Tedesco / Baixo: Bob Moore / Bateria: Murrey "Buddy" Harman / Bateria: D.J. Fontana / Piano: Larry Muhoberac / Piano: Charlie Hodge (somente na versão de Suppose) / Steel Guitar: Pete Drake / Saxophone: Homer "Boots" Randolph / Trumpete: Charlie McCoy / Backup Vocals: The Jordanaires (Gordon Stoker, Hoyt Hawkins, Neal Matthews e Ray Walker) / Direção Musical: Jeff Alexander / Engenheiro: Eddie Bracket / Gravado no M.G.M. Studios, Hollywood, California / Data de Gravação: 20 a 21 e 26 de junho de 1967 / Data de lançamento: maio de 1968 / Melhor posição nas charts: #82 (EUA) e # - (UK) Obs: Não obteve classificação entre os mais vendidos na Grã Bretanha.

Pablo Aluísio e Erick Steve.

1 comentários:

Postagem em destaque

Elvis Presley - The Next Step Is Love

The Next Step Is Love (Evans / Barnes) - Quando Elvis resolveu retomar o rumo de sua carreira e deixar Hollywood para trás ele procurou e...

Pesquisar este blog

 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates