Home » » Roy C. Bennett

Roy C. Bennett

Morreu no último dia 2 de julho, aos 97 anos, o compositor Roy C. Bennett. Ao lado de seu companheiro Sid Tepper escreveu dezenas de canções de sucesso para cantores e astros como Duke Ellington, Louis Armstrong, Ray Charles, Frank Sinatra, Elvis Presley e os Beatles. Em relação a Elvis foi uma parceria longa e produtiva. No total Bennett compôs 45 músicas para o Rei do Rock ao longo de sua carreira, entre elas grande parte das trilhas sonoras dos filmes “G.I. Blues” e "Blue Hawaii". Os dois álbuns venderam milhões de cópias ao redor do mundo. Outros sucessos vieram com canções como  “Puppet on a String", “New Orleans” e o dueto entre Elvis e a atriz Ann-Margret “The Lady Loves Me”. Já os Beatles gravaram a canção "Glad All Over" e a apresentaram no programa que estrelavam na rádio inglesa BBC durante a década de 1960.

Roy C. Bennett começou a escrever músicas ainda muito jovem, quando tinha apenas 11 anos de idade. Ele nasceu em uma família humilde do Brooklyn, em Nova Iorque, e desde muito jovem demonstrou sua paixão pela música. Depois que conheceu seu parceiro por décadas, Sid Tepper, na escola onde ambos estudavam, ele resolveu entrar no concorrido mercado fonográfico americano. Embora tentasse despontar como cantor de sucesso ele logo entendeu que tinha mais talento para compor para outros artistas já que sua voz não era definitivamente o seu forte. Apaixonado por canto de corais - chegou a escrever um livro sobre o assunto - ele passou então a trabalhar para grandes companhias da cidade, escrevendo temas para programas de TV, peças de teatro e finalmente filmes para o cinema.

O sucesso chegou quando ele escreveu hits para a carreira do cantor Eddie Arnold. Seu êxito chamou a atenção das estrelas do circuito country de Nashville e em meados dos anos 1950 ele começou uma intensa fase criativa escrevendo para artistas de sucesso da época como Sarah Vaughn, Guy Lombardo, Eartha Kitt, os Ink Spots, Louis Prima, Arthur Godfrey, Tommy Dorsey e Lawrence Welk. Durante uma convenção musical ele acabou conhecendo o Coronel Tom Parker, empresário de Elvis. "Gosto de suas músicas, filho. Aqui está meu cartão. Quero comprar algumas para Elvis" - teria lhe dito o velho astuto. Em pouco tempo Roy estava em negociações com o Coronel com o objetivo de vender suas músicas para as duas editoras do astro mais famoso do rock.

Curiosamente, apesar de ter escrito dezenas de músicas para Elvis por tantos anos, ele nunca chegou a conhecê-lo pessoalmente. Sobre isso disse certa vez: "Elvis era muito protegido pelo Coronel Parker. Nunca cheguei a apertar sua mão. Não o conheci, o que era estranho, pois estava durante todos aqueles anos ouvindo Elvis cantar as minhas melhores músicas. Ouvi dizer em Nashville que o Coronel não gostava que Elvis se socializasse com compositores com receios de que ele viesse a ser influenciado de alguma forma por nós. Uma pena, gostaria de agradecer a Elvis pelo que ele fez pelas minhas criações. Ele era ótimo!".

Pablo Aluísio. 

3 comentários:

  1. Ele não foi muito reconhecido porque pegou basicamente a pior época da carreira de Elvis, a dos filmes de Hollywood. Mesmo assim merece todos os nossos aplausos.

    ResponderExcluir

Postagem em destaque

Elvis News - Elvis: A Life In Music / Um Grammy para Jailhouse Rock / Novos CDs / Robbie Williams e Elvis

Elvis: A Life In Music - Está sendo lançado em países de língua alemã o famoso livro escrito por Ernst Jorgensen intitulado "Elvis: ...

Pesquisar este blog

 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates