Home » » Elvis Presley - Sessão de Gravação: The Trouble With Girls

Elvis Presley - Sessão de Gravação: The Trouble With Girls

Elvis já havia decidido deixar Hollywood e seus filmes para sempre quando entrou nos estúdios da United Artists na Califórnia para uma de suas últimas sessões de gravação para trilhas sonoras. O filme era "The Trouble With Girls", produção B dirigida por Peter Tewksbury. Ao lado de Elvis no filme estava o mito dos filmes de terror Vincent Price. Não era um grande filme, na realidade Elvis estava apenas cumprindo velhos contratos assinados antes de decidir encerrar sua carreira de ator. A verdade era que sua carreira cinematográfica havia estagnado. Os produtores não estavam dispostos a investir em nada que não fosse no estilo comédias românticas musicais, com muita música, garotas rebolando e roteiros primários e sem substância. Elvis por outro lado queria estrelar algo mais interessante, dramas, filmes relevantes. Como não havia um encontro de vontades entre o que ele queria fazer e o que os estúdios estavam dispostos a lhe oferecer sua carreira em Hollywood entrou em um impasse sem solução. Se o Elvis ator nunca iria se sobrepor ao Elvis cantor então era melhor mesmo retomar sua carreira musical de uma vez por todas.

Mesmo assim ainda era preciso cumprir seus contratos então Elvis viajou até a costa oeste para uma ou duas noites de gravação. Eram poucas canções, no máximo cinco e por essa razão Elvis esperava completar o trabalho de forma fácil e rápida. Billy Strange foi escolhido como produtor. Ele já havia cruzado bastante com Elvis, era um músico de estúdio e estava dando os primeiros passos como produtor musical. A United Artists também resolveu compor o time de músicos que iriam participar da sessão. Assim Elvis ficou sem sua banda de costume. Ao contrário dos velhos companheiros o estúdio ficou cheio de músicos que Elvis não conhecia, alguns deles gravando pela primeira vez ao lado do cantor. Apresentações foram feitas, Elvis bateu um pouco de papo com eles para quebrar o clima, olhou para o relógio e decretou: "Ok pessoal, vamos começar...".

Verdade seja dita, o repertório de "The Trouble With Girls" até que não era mal. Havia boas músicas ali. Ao contrário de sessões mortificantes cheias de músicas ruins, agora havia um grupo de canções que eram no mínimo boas, com sonoridade agradável. Não havia na curta seleção nenhuma música pavorosa ou que fizesse Elvis torcer o nariz. Eram sete da noite quando os primeiros acordes de "Clean Up Your Own Back Yard" soaram pelo estúdio. Essa não era apenas um boa música, mas muito superior a qualquer outra coisa que Elvis havia gravado para trilhas recentes. O coro vocal feminino negro também acrescentou um balanço ótimo para a canção. A letra, maliciosa e esperta na mesma medida, vinha para melhorar ainda mais a faixa. Uma música que poderia facilmente fazer parte de qualquer álbum convencional de Elvis na época. O curioso é que os músicos haviam providenciado uma versão instrumental de "Chautauqua" no começo da sessão, antes de Elvis chegar, mas ele no final das contas nunca gravou seu vocal nela.

Outra boa faixa dessa sessão veio com uma nova versão de "Swing Down Sweet Chariot". Elvis cantaria gospel no filme então nada melhor do que gravar uma canção no estilo, algo que Elvis obviamente adorou. Muita gente pensa até hoje que os Jordanaires participaram dessa faixa, mas na verdade quem estava ao lado de Elvis no vocais naquela noite era o grupo The Mello Men. A gravação ficou animada e com bom embalo. Talvez a única bobagem musical dessa sessão tenha sido "Signs of the Zodiac" onde Elvis cantou ao lado da atriz Marilyn Mason que apresentou uma vocalização muito boa, forte, com personalidade. O fato de Marilyn estar ao lado de Elvis, contando piadas e descontraindo o ambiente, deixou a chatice de gravar uma faixa menor menos aborrecida.

Depois dela Elvis encerrou sua participação na noite com a terna e romântica "Almost", a representante sentimental da trilha sonora para ser usada nas cenas de amor. Uma boa canção que foi bastante valorizada pela instrumentação adicional de orquestra que foi acrescentada depois. Elvis a gravou em estúdio quase em capela, apenas ele e o pianista Don Randi. Depois dela Elvis se despediu dos músicos e foi embora. Eles porém ficaram ainda mais no estúdio para terminar uma gravação que ficou registrada como "College Medley", na realidade uma fusão de várias canções incidentais para serem usadas no filme.

Elvis - The Trouble With Girls (1968) - Elvis Presley (Vocal) / Jerry McGee (Guitarra) / Morton Marker (Guitarra) / Robert Gibbons (Guitarra) / Max Bennett (Baixo) / Frank Carlson (Bateria) / John Guerin (Bateria) / Don Randi (Piano) / Buddy Colette (Clarinete) / Roy Caton (Trumpete) / Lew McCreary (Trombone) / The Mello Men (Vocais) / Marilyn Mason (Vocais) / Jack Halloran e Ronald Hicklin (Vocais) / Produzido por Billy Strange / Engenheiro de Som: Eddie Brackett / Data de Gravação: 23 e 24 de outubro de 1968.

Elvis - The Trouble With Girls (1969)
Chautauqua
Clean Up Your Own Backyard
Swing Down Sweet Chariot
Signs of the Zodiac
Almost
College medley

Pablo Aluísio.

13 comentários:

  1. Oi Pablo tudo bem?
    Como está tudo?

    Eu tenho 3 perguntas para fazer.
    Primeira: Vc tem alguma foto das casas do Elvis na California?
    Mais especificamente a de Peruggia Way que foi a casa em que houve o encontro com os Beatles.
    A outra pergunta é sobre a Linda Thompson, por que vc não escreveu nenhum artigo falando da Linda e como era o relacionamento do Elvis com ela?
    eu me refiro a um artigo especifico, como tem da Priscilla, Natalie Wood...
    A ultima ergunta é sobre o material do Elvis. Vc sabe onde encontro no Brasil o dvd Aloha, porque já procurei em vários sites de livrarias e nenhum está disponivel. Acredito que infelizmente não tem mais. Outro material que procuro é o album Elvis On Stage, acho que esse é rarissimo, pq nem no youtube tem as musicas desse album, vc sabe onde eu poderia encontrar?
    Agradeço.

    PS: Eu ia esquecendo, vc tem a capa do primeiro That's the Way it is que foi lançado , acho que em VHS?
    Se puder postar seria otimo eu queria comparar com o atual DVD.

    ResponderExcluir
  2. Olá Kamylla, tudo bem... Vamos às perguntas então:

    1. Sim, tenho fotos das casas de Elvis em Beverly Hills, Hollywood, Peruggia Way em uma antiga revista Elvis Monthly. Na internet elas são relativamente fáceis de localizar, com muitas fotos inclusive. Basta usar o Google Imagens procurando por termos como "Hollwood Elvis House", "Elvis honeymoon House Palm Springs" ou "Peruggia Way Elvis House". Uma delas (a de Palm Springs) inclusive foi colocada à venda há poucos anos. Há fotos do exterior e interior no próprio Google Imagens.

    2. Eu ainda não escrevi sobre Linda no blog porque se você perceber bem eu escrevo os textos numa ordem cronológica. Agora estamos em 1969 aqui no blog e Linda ainda não havia entrado na vida de Elvis. Por isso as outras namoradas dele já entraram no blog e ela não.

    3. O DVD do Aloha From Hawaii no Brasil está fora de catálogo. Você encontra para vender usado em sites como Mercado Livre, mas novos só em sites americanos como Amazon. Procure pela última edição cuja imagem foi bastante melhorada, contando com muito material extra.

    4. O Elvis On Stage February 1970 realmente é bem raro e sendo o vinil então é mais raro ainda. Tenho as duas edições, original da década de 1970 e uma nova versão que foi lançada no começo dos anos 90 aqui mesmo no Brasil. É outro que está fora de catálogo e que você precisará importar de sites como Amazon, etc, infelizmente.

    5. Na verdade foram dois VHS do That´s The Way It Is. O primeiro foi lançado em 1989 e tinha uma capa com direção de arte da MGM/UA. Selo nacional Abril vídeo. O segundo é o mais conhecido. Infelizmente eu não o tenho escaneado aqui para postar para você. Novamente sugiro que use o Google Imagens pois lá certamente encontrará todas as versões de capas (e pelo que sei foram mais de cinco diferentes até hoje, indo do VHS até o DVD).

    Grande abraço Kamylla, escreva sempre que desejar.
    Pablo Aluísio.

    ResponderExcluir
  3. Obrigada pela atenção em responder Pablo!
    Então, eu te perguntei sobre a casa de Perugia Way exatamente porque não encontro fotos na internet, desta casa. As fotos que tem são só do portão e as imagens dos Beatles chegando na casa são de pessima qualidade; Essa casa parece que foi demolida e foram construídas mais duas casas depois. Então, mas eu quero ve é a casa original da época que o Elvis morava, essa não tem. A da Palm Spring eu já conheço porque essa é famosa demais. Aliás as duas casas que ele teve em Palm spring eu já vi, mas a de Perugia way é a mais rara infelizmente.
    Eu tinha quase certeza que o Aloha estava fora de catalogo, que chato isso, me parece que a cada ano o Elvis perde mais fãs no Brasil, porque os fornecedores não estão nenhum pouco interessado em enviar mais material dele para o Brasil.Está ficando cada vez mais raro ir numa loja e encontrar algum DVD do Elvis, DVD, porque album mesmo só se for daquelas coletaneazinhas insiginificativas.
    Me entristece muito essas coisas. Todo material do Elvis tem que ser comprado pela internet ou então importado.
    Os filmes dele então, (apesar de bobos) nunca vi em loja fisica nenhuma.
    Pode deixar que sempre que eu tiver perguntas eu escrevo. =)

    ResponderExcluir
  4. Kamylla,
    Elvis era muito cioso de sua privacidade, principalmente no que diz respeito às suas casas. Por essa razão realmente não existem muitas fotos de Perugia Way. As que mais conhecemos geralmente eram tiradas por fãs do portão, nesse estilo. Sobre a falta de material de Elvis nas lojas brasileiras, olha, esse é um velho problema. Nem nos tempos em que existiam muitas lojas de discos pelo país inteiro (nos anos dos discos do vinil) a coisa era diferente. Tanto que passei anos e anos sem ter trilhas sonoras como Speedway, por exemplo. Só depois com a possibilidade de importação tive acesso a esses LPs, ainda nos anos 90.

    ResponderExcluir
  5. Oi Pablo tudo bem?
    Eu deixei um comentário em um post mais antigo, se vc puder me responder eu te agradeço!

    ResponderExcluir
  6. Olá Kamylla, já respondi lá. Pode conferir.
    Abraços, Pablo Aluísio.

    ResponderExcluir
  7. Oi Pablo tudo bem?
    Obrigada por sempre responder minhas perguntas!
    Então, eu estou com uma dúvida cruel! =/
    Eu preciso saber em qual album foi lançada a canção "The First Time ever I saw your Face", porque eu me dei conta que nenhum album ofical do Elvis tem essa musica!
    Essa música foi lançada como single tendo An American Triology como lado A??
    Eu não acredito que a RCA deixou passar essa canção!
    Logo uma das minhas favoritas e pelo que sei, uma das favoritas do Elvis.
    Por favor, me tira essa dúvida?

    Bom Carnaval!

    ResponderExcluir
  8. É isso mesmo, a música, linda por sinal, foi jogada em um single e a RCA não fez mais nada por ela. Não faz parte de nenhum disco oficial de Elvis Presley - veja como era desorganizada a discografia de Elvis!

    ResponderExcluir
  9. Pablo vc tem certeza que a RCA era a melhor gavadora do tempo do Elvis??
    Porque se a melhor gravadora era assim, imagina só.
    Não houve vezes que o Elvis chegou a ameaçar a deixar a gravadora?
    Ele bem que podia ter feito isso né? Talvez assim as coisas poderiam ser bem diferentes.Não tinha outras gravadoras oferecendo milhões de dolares a Elvis Presley nesse período??

    ResponderExcluir
  10. Rssrsrsrs

    Realmente olhando para trás fica sempre essa dúvida sobre a RCA Victor, mas na realidade ela era realmente a maior gravadora da época. Uma boa ideia teria sido Elvis ir para a Capitol que ofereceu a ele um contrato fabuloso em 1970, mas... o Coronel Parker não aceitou porque ele achava que o fato da Capitol ser a gravadora também de Frank Sinatra (e dos Beatles nos EUA) poderia haver problemas para Elvis... assim Elvis ficou na RCA até o fim da vida, uma pena. Uma nova gravadora, com novos produtores, certamente daria uma boa balançada em sua carreira, para melhor é claro...

    ResponderExcluir
  11. A Capitol Records seria a EMI e a RCA a toda poderosa Sony BMG.
    Realmente na cabeça atrasada do Coronel não seria uma mudança muito boa.
    Mas será que o Elvis ficou sabendo desta proposta milionária da Capitol??
    E a Warner music, ainda não existia??

    ResponderExcluir
  12. Tem mais outra pergunta pra vc responder Pablo, por favor!! =)
    Quem era o maior artista na época do Elvis? O proprio Elvis (Com Certeza!) ou Frank Sinatra?

    ResponderExcluir
  13. A Capitol tinha o direito de lançar os discos dos Beatles nos EUA, mas a gravadora deles era mesmo a EMI que era inglesa. Elvis era tão alienado em relação à administração de sua carreira que não duvido nada que nunca tenha sabido dessa proposta (até porque não se sabe o que ele achava disso, nenhuma biografia cita sua reação). O Coronel Parker mandava em tudo nesse aspecto. Sobre quem era o maior artista na época de Elvis... bom, de 1956 até mais ou menos 1962 ele foi realmente o maior, superando Sinatra até. Depois de 1962 os Beatles se tornaram os maiores vendedores de discos e o maiores campeões de hits nas paradas - isso durou até o fim do grupo em 1970.

    ResponderExcluir

Postagem em destaque

Elvis Presley - Tomorrow Never Comes

Elvis Presley - Tomorrow Never Comes Tomorrow Never Comes (E. Tubb / J. Bond) - Um caso interessante em que o arranjo mais forte por part...

Pesquisar este blog

 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates