quarta-feira, 31 de maio de 2017

Elvis Presley - The Wonder Of You: Elvis With The Royal Philarmonic Orchestra

Elvis Presley - The Wonder Of You: Elvis With The Royal Philarmonic Orchestra
Esse é o CD do momento em termos de Elvis Presley. Primeiro lugar entre os mais vendidos na Inglaterra, trazendo mais um recorde para a carreira de Elvis. Diante disso vamos tecer alguns comentários sobre esse título nesse primeiro texto que será seguido por outros em breve. A priori eu sou aquele tipo de fã que aprecia os arranjos originais dos discos oficiais de Elvis. Esse sistema de trazer um novo arranjo modernizado não me agrada muito. Mesmo assim vou deixar esse tipo de opinião de lado para analisar o CD de forma mais isenta.

01. A Big Hunk o' Love (Aaron Schroeder / Sid Wyche) - A primeira faixa é o rock "A Big Hunk O' Love". Essa canção foi gravada pouco antes de Elvis seguir rumo à Alemanha para o serviço militar. Essa sessão é até hoje uma das mais celebradas em termos de Rock ´n´ Roll de toda a carreira de Elvis Presley. Foi o auge de sua fase rocker. Seu arranjo original é perfeito pois o rock americano dos anos 50 combinava perfeitamente com esse tipo de sonoridade mais crua e direta. O rock em suas origens era visceral e simples, por isso muitas vezes era considerado selvagem demais pelos padrões musicais dos anos 50. Caberia mesmo um arranjo orquestral por parte de uma filarmônica nesse tipo de música? Pessoalmente acredito que não, porém como essa é a proposta do CD, vamos lá... Particularmente gostei da introdução, com uma belo arranjo de cordas, sendo seguido por um piano ao estilo Fats Domino. Também houve acertos ao colocar a filarmônica em segundo plano, nunca atropelando o vocal de Elvis. O destaque ao piano "anos 50" por toda a canção foi algo que eles não poderiam ignorar. A única coisa que não gostei muito foi a introdução de um coro vocal feminino ao fundo. Não combinou muito bem, devo confessar. No mais a palavra que mais destacaria aqui é diversão. Ficou divertido. A original porém segue sendo insuperável.

02. I've Got a Thing About You Baby (Tony Joe White) - A base de baixo que abre essa nova "I've Got A Thing About You Baby" me lembrou imediatamente de "Baby I Don´t Care" da trilha sonora de "Jailhouse Rock". Claro que foi proposital. Esse novo arranjo porém não me agradou muito e em minha opinião foi o mais fraco de todo o CD. Há uma levada para cima, um clima de comercial de margarina que pouco tem a ver com a proposta da gravação original. Ok, quiseram deixar o clima em alto astral, alegre acima de tudo, porém não combinou. O som Stax foi removido para debaixo do tapete. O uso da percussão mais em destaque também me soou bem desconfortável. Prestem atenção no que vou escrever: esse tipo de arranjo estará completamente ultrapassado dentro de poucos anos enquanto o original gravado por Elvis nos anos 70 seguirá imbatível a atemporal. Efeitos sonoros plásticos demais não resistem ao teste do tempo.

03. Suspicious Minds (Mark James) - Dando continuidade na análise das faixas do novo CD "The Wonder Of You" vamos falar um pouco agora dessa nova versão de "Suspicious Minds". Bom, quando esse título foi anunciado os produtores do projeto disseram que a gravadora iria priorizar as canções menos conhecidas de Elvis, os chamados "Lados B". Ótima iniciativa já que Elvis tem músicas maravilhosas que são completamente desconhecidas do ouvinte ocasional de sua obra. Pois bem, apesar disso os velhos medalhões da discografia de Elvis não poderiam ficar de fora. São os impulsionadoras de vendas e não podem ser ignorados. É o caso do sucesso imortal "Suspicious Minds". Aqui criaram uma introdução intimista, mas preservaram o dedilhado original (pois seria impossível removê-lo). Assim nessa nova versão convivem o novo e o velho arranjo. Em determinados momentos fiquei com a impressão ruim que há duas vitrolas tocando ao mesmo tempo, uma com o single "Suspicious Minds" e outra executando algum disco de música clássica. Ficou estranho! Isso definitivamente não é bom, provando que o novo arranjo orquestral não combinou muito bem com a boa e velha gravação. Na verdade fizeram apenas uma intervenção sonora sem muito resultado prático. Não me convenceu em nenhum momento.

04. Don't (Leiber / Stoller) - Uma das melhores coisas desse CD é esse belíssimo arranjo que foi criado para "Don´t", outra balada gravada na sessão de despedida de Elvis antes de ir para a Alemanha servir o exército americano. Devo dizer que ficou muito bom, mas com alguns probleminhas. O novo coro feminino ficou muito incisivo em minha opinião. A original era mais sutil e delicada. Curiosamente o trabalho dos Jordanaires foi preservado. A razão é fácil de entender. Nos anos 50 uma das principais características das gravações de Elvis era a presença desse ótimo quarteto vocal. Retirá-los era, além de tecnicamente muito complicado, pois suas vozes foram gravadas no mesmo canal da voz principal (a de Elvis) como também tiraria seu sabor nostálgico, o que em canções como essa é praticamente tudo.

05. I Just Can't Help Believin' (Mann / Well) - Escrevi recentemente sobre "I Just Can't Help Believin'" em outro artigo. Acho uma música romântica maravilhosa, standart, que jamais teve o reconhecimento merecido. Entre tantas versões existentes os produtores acertaram em usar a master ao vivo que foi lançada no disco original da trilha "That´s The Way It Is". Isso trouxe alguns problemas, pois canções ao vivo nem sempre são tecnicamente perfeitas, principalmente no fator tempo, mas os ingleses fizeram um belo trabalho, consertando sutilmente seus pequenos erros. E assim como aconteceu com "Suspicious Minds" resolveram preservar parte do arranjo original - principalmente no arranjo de metais de Las Vegas. O vocal feminino foi modificado, o que não me deixou plenamente satisfeito, pois as cantores de palco de Elvis eram extremamente talentosas. Em termos gerais gostei desse novo arranjo, pois preservou o que era possível da bela gravação de 1970. De qualquer forma, apesar dessas nuances, esse momento é certamente um ponto positivo nesse novo CD.

06. Just Pretend (Guy Fletcher / Douglas Flett) - A nova versão de "Just Pretend" seguiu basicamente as linhas básicas da gravação original. A diferença principal é que um fundo incidental, muito discreto e elegante, foi adicionado. Um violão muito sensível, em dedilhado quase inaudível, também foi um belo acréscimo. De maneira em geral considerei essa uma das melhores versões desse novo CD, basicamente por ter sido bem respeitosa em relação ao que ouvimos no álbum "That´s The Way It Is". Isso prova que Felton Jarvis fez realmente um grande trabalho em 1970, sem necessidade de muitas mudanças agora.

07. Love Letters (Edward Heyman / Victor Young) - "Love Letters" que vem logo a seguir, por outro lado, já sofreu maiores modificações. Curiosamente já li muitos textos afirmando que os arranjos desse álbum de Elvis ficaram terrivelmente datados com os anos - será mesmo? Os produtores desse CD certamente trocaram a orquestra original pela Filarmônica britânica - saem os antigos instrumentos e entram os novos. Porém se formos pensar bem a linha base de melodia segue sendo a mesma, apenas com um arranjo mais bem elaborado, mais sutil e elegante. Curiosamente os produtores também resolveram adicionar um novo grupo feminino em destaque, eliminando a participação original das vocalistas de Elvis. Ficou bom, tenho que admitir.

08. Amazing Grace (John Newton) - O tradicional gospel "Amazing Grace" sempre foi um dos preferidos de Elvis. Ele tinha grande reverência por essa música. Aqui eu notei que foi escrito um belo arranjo de introdução, mas penso que a transição para a versão original de Elvis se fez de forma muito abrupta, quase um susto! Os produtores deveriam seguir por uma transição menos impactante, afinal essa é uma canção reflexiva, de teor religioso, quase uma oração! De qualquer maneira a decisão de manter o grupo vocal que gravou ao lado de Elvis foi acertada - ao que parece se tornou impossível separar os vocais de Elvis dos de seus grupos de apoio. Melhor para o ouvinte, que assim toma maior contato, mesmo que indiretamente, com a gravação do álbum "He Touched Me". Certas gravações são mesmo para sempre!

09. Starting Today (Don Robertson) - "Something for Everybody" de 1961 é um dos mais belos trabalhos da discografia de Elvis Presley. Sempre achei um disco que foi muito subestimado, nunca ganhando o devido reconhecimento. Por essa época Elvis havia adotado um estilo vocal muito suave e terno que deu uma beleza incomum a todas as canções desse disco. Aqui os produtores resolveram resgatar a bela balada "Starting Today". Eu sempre vou preferir a versão original, em todos os aspectos, porém não deixarei de elogiar essa nova versão. Conseguiram o ideal: manter a beleza original acrescentando um arranjo que serve basicamente para realçar a beleza da melodia. Um ponto positivo desse CD, sem dúvida.

10. Kentucky Rain (Eddie Rabbitt) - "Kentucky Rain" nunca foi das minhas canções preferidas de Elvis. Seu arranjo original nunca foi muito bem realizado. Aqui nessa nova orquestração a música certamente ganhou mais consistência. O curioso é que esse feeling instrumental me soou tão anos 80! Não sei se todos perceberam isso, mas esses novos instrumentos poderiam muito bem estar em qualquer álbum de uma daquelas bandas de um sucesso só, que se tornaram tão comuns naquela década. Melhorou, certamente melhorou, mas com esse estilo 80´s, tudo me pareceu também um pouco datado. Arranjaram espaço até para uma bateria eletrônica... quem diria.

11. Memories (Davis / Strange) - "Memories" vem logo a seguir. Essa canção foi gravada especialmente por Elvis para seu especial de TV no canal NBC, conhecido como "Comeback Special". Em minha visão essa música já ganhou sua orquestração definitiva, que foi justamente a da gravação original. Não precisava fazer mais nada. Os produtores desse novo CD provavelmente pensaram dessa mesma forma pois apesar de toda a instrumentação ter sido substituída, tudo no final das contas ficou igual. Assim a palavra chave aqui é desnecessária. Não há necessidade nenhuma de tirar os músicos originais para colocar novos músicos executando praticamente o mesmo arranjo de 1968. Completamente desnecessário.

12. Let It Be Me (Curtis / Pierre) - Como sabemos a versão original de "Let It Be Me" do álbum "On Stage" foi gravada ao vivo. Penso que tentar colocar novos arranjos em versões ao vivo é um erro e tanto, pois não se trata apenas da performance do vocalista, mas também da sua banda, todos absorvendo as energias do público. Até mesmo os pequenos erros contam a favor em se tratando de gravações ao vivo. É tudo um grande complexo de fatores. Assim os produtores aqui erraram feio. Isolaram a voz de Elvis da reação do público, de seu grupo de apoio e com isso tiraram a alma dessa faixa. Era preciso fazer algo assim? Não, não era. Além disso se equivocaram com alguns instrumentos, como por exemplo, essa maldita bateria eletrônica dos anos 80 (que aqui volta a assombrar). O que Elvis e sua música tem a ver com os plastificados anos 80? Nada, absolutamente nada. Prefira a versão original do disco ao vivo gravado em Las Vegas e nada mais.

13. Always on My Mind (Mark James / Wayne Carson / Johnny Christopher) - Já "Always on My Mind" até que ficou bonita. Gostei da introdução mais bem trabalhada, parecendo até uma pequena canção de ninar. Apesar dos bons arranjos dessa nova instrumentação o problema se repete. Os produtores ficaram com receio de modificar muito a versão original que é, queiram ou não, um standart da música popular americana. Optando novamente pelo "novo, mas igual", seguiram basicamente as diretrizes da gravação original de Elvis, até mesmo nas linhas de acompanhamento e nos instrumentos de destaque. As únicas modificações aliás foram mesmo na introdução (bonita, repito) e nas linhas finais, que a despeito dos violinos bem executados, continuam na mesma levada do single de 1972. Dois pequenos detalhes que não justificam a existência dessa nova versão.

14. The Wonder of You (Baker Knight) - Pois bem, finalizando a análise das canções desse novo CD de Elvis Presley vou tecer os últimos comentários sobre essas novas versões. O CD oficial, na versão comercial simples, termina com duas faixas. A penúltima é "The Wonder of You", A versão original, gravada ao vivo, foi lançada no disco "On Stage - February 1970". Como eu já escrevi antes essa situação de remodelar versões gravadas no palco sempre me soou bem equivocada. Quando se isola o vocal do cantor, retirando da faixa os demais membros da banda e a reação do público, muita coisa se perde. É um processo de perda, impossível negar. De todas essas novas versões remodeladas essa nova de "The Wonder of You" foi uma das que mais me desagradaram. O som saiu excessivamente metálico da nova sala de edição. A música que tinha um arranjo opulento, forte, grandioso, perdeu grande parte de sua força. Embora, como em todas as demais versões, essa seja também seja creditada com a participação da Royal Philharmonic Orchestra, o fato inegável é que poucos instrumentos foram acrescentados. Tudo me pareceu bem errado, da primeira à última nota. Definitivamente não gostei.

15. Just Pretend (Guy Fletcher / Douglas Flett) - O CD, em sua edição standart, se encerra com mais uma versão moderna de "Just Pretend". Dessa vez temos um dueto com a cantora Helene Fischer. Ela canta bem, em um estilo country Nashville que muito provavelmente Elvis apreciaria. Desde "Duets" com Frank Sinatra, essa fórmula tem dado muito certo. Geralmente são essas faixas de duetos que conseguem espaço nas rádios, trazendo de novo esses grandes cantores de volta às paradas. De maneira em geral, apesar de achar duas versões de Just Pretend em um mesmo CD, algo meio excessivo, até que me agradei. Não é algo para bater palmas ou ficar admirado, mas não aborrece. No mínimo é curioso e agradável.

Bonus Songs - Além da edição standart o CD também ganhou outra edição de luxo intitulada "Deluxe version". Essa saiu apenas nos Estados Unidos e Europa e traz mais duas outras faixas como bonus songs: "You Don't Have to Say You Love Me" e "You Gave Me a Mountain". A primeira foi lançada originalmente no excelente disco "That´s The Way It Is", fechando o lado A do antigo vinil. Já a segunda é a nossa velha e boa versão retirada do disco "Aloha From Hawaii". Para o fã veterano não há grandes novidades. Já para os que estão chegando agora, na condição de marinheiros de primeira viagem, nunca é demais a inclusão de grandes músicas como essas, pois certamente vão despertar a atenção deles, que assim irão em busca do material original, girando a roda de renovação de fãs na nova geração.

Pablo Aluísio.

8 comentários:

  1. Elvis Presley - Pablo Aluísio
    The Wonder of You (Texto Compilado)
    Todos os direitos reservados.

    ResponderExcluir
  2. Pablo, estou louco para ouvir pela curiosidade de ver a voz do Elvis junto a uma orquestra sinfônica, mas concordo com você: no rock é impossível dar certo; nas baladas pode dar certo, mas competir com os originais não é fácil, não por qualidade, pois uma orquestra é uma orquestra (tanto que até o Elvis tinha a do Joe Guercio), mas por causa da dinâmica dos músicos do Elvis que faziam praticamente uma simbiose com e personalidade dele.

    ResponderExcluir
  3. Isso mesmo. A coisa fica pior nas faixas mais antigas, como os rocks dos anos 50. Ora, esse tipo de gravação nunca pediu por um arranjo orquestral. O rock pioneiro era bom justamente por causa de sua simplicidade, energia e poucos instrumentos musicais em cena (basicamente violão, guitarra, contrabaixo e bateria). O máximo que se permitia em termos de opulência era um grupo vocal (como os Jordanaires). Nada mais do que isso.

    ResponderExcluir
  4. Pablo:

    Apenas a título de curiosidade, na minha opinião, não existe uma versão mais forte, em termos emocionais, que a interpretação de You Gave me a Mountain que aparece no documentário Elvis On Your. É muito emocionante o jeito que o Elvis, sua banda e vocalistas se entregam a essa música a ponto de nos levar as lágrimas. Não sei se você se lembra desta versão.

    ResponderExcluir
  5. Grande versão. Iria fazer parte da trilha sonora do filme, mas na última hora a RCA Victor desistiu do disco, preferindo lançar o show gravado no Madison Square Garden. Acabou ficando assim fora da discografia oficial de Elvis na época.

    ResponderExcluir
  6. E a RCA Victor sempre se equivocando com o Elvis.

    ResponderExcluir
  7. A RCA Victor errando era o normal...

    Raro era acertar...

    ResponderExcluir