sábado, 15 de julho de 2017

Elvis Presley - Elvis as Recorded at Madison Square Garden - Parte 1

A primeira vez que ouvi esse álbum fiquei realmente impressionado como Elvis conseguia ir da fúria roqueira aos momentos mais intimistas, em questão de segundos! No palco Elvis era realmente magistral nesse aspecto. Um exemplo vem do blues "Never Been To Spain". Ele havia acabado de balançar o Madison Square Garden com a vibração e a empolgação de "Proud Mary" e então recebidos os aplausos emendou com essa excelente canção blueseira. Elvis, um fruto cultural do vale do Delta do Mississippi, tinha plena familiaridade com esse tipo de sonoridade. Afinal ele foi criado bem ali e em Memphis acabou tendo ainda mais contato com esse estilo musical puramente americano, forjado nas plantações de algodão do sul. Era um branco com negritude cultural correndo em suas veias.

Outro ponto importante a se dizer sobre "Spain" era que essa era efetivamente a primeira vez que essa música pintava em um disco oficial de Elvis. Ela era assim uma das "inéditas" do álbum, um canção não gravada por Mr. Presley em estúdio antes. Para o fã que havia ido na loja de discos em 1972 era uma novidade e tanto! A outra ótima notícia era que, tecnicamente, essa faixa se mostrava, desde os primeiros acordes, como uma das mais perfeitas gravações do concerto - chego inclusive a dizer que ela tinha mesmo as qualidades, as matizes, de uma gravação em estúdio, de tão perfeita que saiu. Elvis e banda, entrosados e afinadíssimos, tiveram uma performance simplesmente impecável, uma obra prima ao vivo. Para essa performance "live" eu realmente tiro o meu chapéu. E para quem gosta dos solos de James Burton, aqui ele foi de fato excepcional. A TCB Band atingiu em 1972 um amadurecimento e um primor técnico que poucas vezes seria repetido ao longo dos anos. O que dizer? Eles foram perfeitos.

Depois desse grande momento Elvis entra direto em "You Don't Have To Say You Love Me". Já escrevi antes e repito, essa bela música italiana, lançada originalmente no álbum "That´s The Way It Is" não teve uma boa versão de estúdio lançada. Complicado entender o que os executivos da RCA Victor tinham na cabeça, mas o fato é que eles escolheram o take errado como master, para ser lançado no disco oficial. Não era bem aquela versão em particular a ser escolhida. Curiosamente no Madison Square Garden Elvis voltou a ela. Não entendo a razão. Essa gravação de Elvis nunca foi um hit em sua voz. Ele poderia ter escolhida outras faixas mais representativas e populares. De qualquer maneira essa versão ao vivo consegue ser bem superior à que ouvimos no disco gravado em Las Vegas em 1970. Ela tem mais fluidez, mais qualidade musical. No comecinho Elvis ainda parece um pouco tímido, porém conforme a música vai avançando ele vai soltando a voz e quando chega no momento final apoteótico, Elvis consegue alcançar todas as notas necessárias sem problemas. Aplausos mais do que merecidos.

E dentre tantas versões de "Polk Salad Annie" que Elvis gravou ao longo dos anos 70 gosto particularmente muito dessa! Ela tem uma vibração poucas vezes ouvida. Sem maiores delongas Elvis vai direto na veia, deixa para lá a introdução falada e explicativa e pula logo para o puro ritmo. Problemas de microfonia foram captados pelos equipamentos da RCA, mas nem isso atrapalha o excelente resultado. Obviamente o público de Nova Iorque não deve ter entendido bulhufas da letra, afinal quando foi que aqueles nova-iorquinos de terno e gravata estiveram nos pântanos da Louisiana, não é mesmo? Embora Elvis tenha ficado claramente inspirado nessa performance, não podemos deixar de poupar elogios para o barbudo baixista Jerry Scheff. Quando esteve com os Doors, o próprio Jim Morrison teve dúvidas se aquele cara esquisito com óculos fundo de garrafa fazia rock de verdade! Bastou poucas sessões em Los Angeles para que ele se convencesse de que Jerry era mesmo um grande músico com seu instrumento. Aqui no Madison está outra prova de seu talento, pois "Polk" tinha excelentes solos de baixo, onde Scheff podia ter a oportunidade de mostrar o quanto era fera também no palco! Nesse momento do show ele foi de fato a grande estrela! Quem diria...

Pablo Aluísio.

7 comentários:

  1. Elvis Presley - Pablo Aluísio
    Elvis Presley - Elvis as Recorded at Madison Square Garden 1
    Todos os direitos reservados.

    ResponderExcluir
  2. Olá Pablo, lá vem você encrencando com You Don't Have To Say You Love Me rsrsr. Eu não consigo achar um único defeito nessa canção. É uma das minhas preferidas de longe. Acho que Elvis tinha um carinho grande por ela, mas creio que a maioria das pessoas pensavam como você e ele acabou deixando de lado, sei lá! Os músicos de Elvis realmente eram perfeitos, mas a minha maior admiração é pelo Ronnie Tutt. O homem é incrível. Tem quase 80 anos hoje! Parabéns pelo artigo mais uma vez e de todos os sites e blogs de Elvis esse é o meu preferido ;-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eurenice, eu já pedi ao Pablo para fazer um post reverenciando do grande Ronnie Tutt, aproveite que você também admira o cara e dá uma força pra acelerar o processo.

      Excluir
    2. Corrigindo: Eunice.

      Desculpe, eu sou a besta do teclado.

      Excluir
  3. Olá Eunice...
    O problema não é da música em si, mas da gravação de estúdio que em minha opinião deixou a desejar. No meia é isso mesmo, a TCB Band estava excelente por essa época. E o baterista Ronnie Tutt era realmente um furacão no palco. Ele fazia a banda de Elvis pulsar...

    ResponderExcluir
  4. Esse disco é uma tijolada no peito. Sobre You Don´t Have To Say You Love Me concordo que está melhor aqui do que no álbum de 70. Polk Salad Annie a versão favorita é a do ensaio no palco do Hilton que Elvis está de camisa vermelha e outra que devo ter conhecido em algum FTD, Elvis brinca com a letra, provavelmente é de algum ensaio, não lembro o CD que a conheci. "Spain" é um ótimo momento do disco. Aguardando as próximas partes sobre esse disco.

    ResponderExcluir
  5. É o melhor disco ao vivo de Elvis, em minha opinião. Realmente essa versão que você cita é muito boa e muito divertida. Elvis sempre teve um grande senso de humor.

    ResponderExcluir